Novo mercado para o youtuber? Bomba chinesa ao vivo e bilhões na China

Influenciador testa produtos ao vivo: interação com o público vende mais (Alizilla / Divulgação)

Quem tem 40 anos (ou mais) deve se lembrar do sucesso que nomes como Ciro Botini fizeram no Brasil nos anos 90, consolidando programas de vendas ao vivo no canal Shoptime. Os produtos revolucionários, que prometiam decorar a casa rapidamente ou sem esforço, eram anunciados em uma atmosfera de celebração e urgência. “Compre logo, está acabando.” “A promoção é apenas para os primeiros 20 espectadores”.

O modelo eletrônico que cresceu com a proliferação de TVs a cabo logo declinou, com o advento Internet e compra de sites. Existe um lugar no mundo, a China, onde as compras online atingiram seu pleno desenvolvimento. Afinal, é no país asiático que 48% dos pedidos em todo o mundo são feitos eletronicamente, os meios de pagamento são carteiras digitais que não exigem cartão de crédito e um sistema de logística para entrega com maior eficiência. Porque, ali mesmo, a maneira de vender ao vivo, desta vez na web, tornou-se uma febre nacional. Chamada de “comércio ao vivo”, a tecnologia deve vender US $ 123 bilhões em 2020, mais do que o dobro dos US $ 60 bilhões arrecadados em 2019, de acordo com uma projeção do consultor chinês ChoZan.

A maneira como vende basicamente consiste em combinar o que Botini fez nos anos 90 com ferramentas on-line. Profissionais, influenciadores e celebridades digitais passam 12, 14, 16 horas por dia, testando produtos ao vivo, comentando seus recursos e, finalmente, entretendo seu público, por exemplo, com músicas ou danças. E, claro, oferecendo links para venda.

Plataformas como o Taobao Live (Álibi), Douyin (TikTok) e Kuaishou (Kwai) controlam juntos 80% desse mercado na China, o que para muitos especialistas representa o futuro do comércio eletrônico, já que milhões de usuários preferem fazer perguntas e se comunicar com vendedores on-line que compram você mesmo, sem “curadoria”, em mercados cheios de ofertas tão diversas que às vezes é difícil encontrar o que você precisa.

A transmissão ao vivo, que já tem sido uma tendência crescente no país, ganhou impulso com uma pandemia de Covide-19 e expansão de rede 5G na terra. Com uma boa conexão e sem capacidade de sair de casa, 524 milhões de chineses assistirão ao streaming ao vivo apenas neste ano, calcula o Instituto iResearch.

Segundo o Alibaba, 300.000 varejistas transmitem ao vivo em sua plataforma todos os dias. Em geral, a navegação no comércio eletrônico não mudou, mas quando o usuário está interessado no produto, ele vê imediatamente a mensagem “marca ou loja é transmitida ao vivo” em seu navegador. Quem quer que se aproxime, assiste em tempo real o que o influenciador ou a marca profissional patrocinada está dizendo sobre o produto. E, é claro, se comunique com ele.

A estratégia repetitiva das empresas é reforçar as marcas, em vez de promover diretamente os produtos, em vidas com diferentes celebridades. Nessas transmissões, eles aproveitam a oportunidade para mostrar futuras linhas de produtos, reunir impressões dos consumidores e se conectar a eles.

Para criar “conteúdo ao vivo”, o caráter de KOE (em inglês, especialista em opiniões-chave), especialista em moldar opiniões, tornou-se comum no país. O motivo é que as empresas identificaram a necessidade de aprofundar suas apresentações. Muitos representantes da empresa se destacaram ao adicionar profissionalismo, conteúdo técnico e comercial ao produto.

Os vendedores virtuais explicam, recomendam … e até cantam (L’Oreal / Publicidade)

O que até recentemente parecia um “capricho chinês” limitado a segmentos como cosméticos, moda e eletrônicos, ganhou espaço em vários setores. Até as casas foram vendidas dessa maneira. Em 24 de abril, o Evergrande Group, uma das maiores empresas imobiliárias da China, reuniu mais de 3,8 milhões de espectadores em seu canal ao vivo e reuniu mais de 7 milhões de curtidas durante uma apresentação que misturou dicas de decoração e cuidados. Ao lado da casa. Ao final da eletricidade, foram fechados 38 contratos de venda de apartamentos.

Os segmentos não relacionados a vendas e compras aproveitaram o gosto chinês pelo streaming para atrair o público. Em fevereiro, a construção do primeiro hospital costeiro de Wuhan, realizado em seis dias, foi transmitido ao vivo e milhões de usuários acompanharam o andamento das obras em tempo real.

Em março, o Palácio Potala – a antiga residência do Dalai Lama, agora convertida em museu – foi transmitido ao vivo para visitar 800.000 pessoas conectadas. O tour virtual foi conduzido por um guia e seis outros especialistas em cultura da instituição, que forneceram detalhes e entraram em salas que, de outra forma, não eram apresentadas durante as visitas físicas.

Embora as plataformas de transmissão ao vivo nos países ocidentais se concentrem em jogos e entretenimento, na China, as empresas foram além e se tornaram o principal canal de vendas para o comércio eletrônico. O futuro do comércio eletrônico também é deste lado?

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero