O Brasil tem 51.271 e 1.106.470 casos, segundo o Ministério da Saúde

O Brasil confirmou mais 654 mortes por coronavírus, informou o Ministério da Saúde. Segundo dados semelhantes aos divulgados ontem pelo governo, o país está atingindo 51.271 mortes.

Os dados divulgados pelo Ministério às segundas-feiras às segundas-feiras geralmente seguem o dia anterior e são inferiores ao resto da semana. Segundo o Departamento de Saúde dos Estados Unidos, isso acontece porque o turno do fim de semana geralmente registra menos mortes e novos pacientes.

O número de casos recebeu 21.432 novos diagnósticos adicionais, atingindo 1.106.470 pacientes desde o início da pandemia.

Segundo o mapa, 483.550 pessoas estão sendo monitoradas, enquanto 571.649 se recuperaram do Guard-19.

Teich diz o que mudaria na área da saúde

Em uma auto-avaliação sobre sua breve posição no Departamento de Saúde, Nelson Teich acredita que informações sobre uma nova pandemia funcionariam melhor hoje. coronavírus, Em uma declaração para Entrevista UOL, Teich disse que uma melhor análise de dados é a maneira correta de executar com eficácia no caso de proliferação de covid-19 no Brasil.

“Hoje, antes de tudo, eu trabalhava com informações”, disse Teich, avaliando o tempo no ministério em uma conversa conduzida por colunistas. Twitter Contos Faria e Diogo Schelp. Ele também disse que melhoraria a aproximação com estados e municípios.

Na conversa, Teich evitou criticar o presidente Jair Bolsonar (sem partido) e disse que a proposta do CEO de atacar hospitais durante uma pandemia, por exemplo, era apenas uma “maneira de falar”.

OMS e dexametasona

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, comemorou recentes descobertas sobre os efeitos dexametasona em combate coronavírusNa conferência de imprensa de hoje, ele afirmou que o desafio é aumentar a produção de medicamentos.

“Embora preliminar, a recente descoberta de que a dexametasona pode salvar 19 pacientes em estado grave nos dá um ótimo motivo para comemorar. O desafio é aumentar a produção e distribuí-la rapidamente em todo o mundo, concentrando-se em onde é mais necessária”. , começou Adhan.

Ele enfatizou a importância da distribuição inteligente, porque a dexametasona é usada na luta contra outros problemas de saúde.

“A demanda aumentou após os resultados que mostraram benefícios. Felizmente, o medicamento é barato e vários fabricantes em todo o mundo podem acelerar a produção. Os países precisam trabalhar juntos para garantir que os medicamentos sejam direcionados aos mais necessários, além de garantir que esses auxílios estejam disponíveis para tratamento.” outras doenças “.

Veículos se unem para obter informações

Em resposta à decisão do governo de Jair Bolsonar (sem partido) de restringir o acesso aos dados da pandemia da covid-19, a mídia Twitter, Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio de cooperação a partir da semana passada e, assim, solicitaram os dados necessários diretamente às secretarias estaduais de saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, através do Ministério da Saúde, deve ser uma fonte natural desses dados, mas opiniões recentes do governo e do próprio presidente questionam a disponibilidade dos dados e sua precisão.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero