O caso PC Siqueira se torna uma novela com ataduras e várias questões legais

Créditos: Reprodução / YouTube / maspoxavida

O que acontece quando o cancelamento da moda, guiado pela cultura exposto, atinge um youtUber conhecido por suas opiniões fortes e por seus relatos de depressão e suicídio, inclui sérias alegações de pornografia infantil, lança dúvidas sobre se o conteúdo vazado é verdadeiro ou falso e reabrirá um tribunal on-line?

Um caso envolvendo gravações de vídeo e áudio vazou do youtuber PC de Siqueira, no qual ele comentou que recebeu fotos de uma criança nua com menos de seis anos – enviada pela própria mãe da criança – coletando todos os elementos acima e eventualmente mobilizando redes sociais.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo confirmou que é investiga um caso que não impediu que milhares de usuários de mídia social processassem a reclamação, analisando as evidências e julgando o caso. A questão está longe de ser simples e envolve a possível ocorrência de um crime grave. Embora a mídia investigativa oficial não tenha comentado, vale a pena dar um passo atrás e pensar no que aconteceu nos últimos dias e no que aprendemos até agora.

1. As demissões e os “expostos” transformaram as mídias sociais em um ídolo do crepúsculo

O caso do PC Siqueira é o encontro de dois rios que fluem livremente nas redes: água barrenta, que esconde, esconde e bloqueia a pessoa cancelada, e água limpa, que mostra todo mundo que quer ver o que vive no fundo, ou seria o contrário? Será que as campanhas para cancelar uma celebridade, que querem atraí-la para as sombras, chamam mais atenção? A cultura dos “expostos”, ao trazer à luz tantas histórias sérias e relatos ousados, também obscurece o debate, incentivando a rejeição no mesmo volume de casos muito diferentes?

É difícil admitir que as coisas são complexas quando todos queremos soluções simples. De certa forma, a cultura da demissão é outro produto da barulhenta transformação das redes sociais em tribunais improvisados. Tudo pode acontecer em algumas horas após a cobrança. Reunidos em plenário, centenas ou milhares decidem que as celebridades são proibidas de pertencer e, para torná-lo público e oficial, aumentam a hashtag #fulanoisoverparty. A justiça pode ser cruel.

A cultura “exposta”, por outro lado, tem uma história recente e surrada. Escorregando da mesma árvore que nos forneceu movimentos importantes como #metoo, uma série de postagens que revelavam casos de abuso veio no momento certo para lembrar que não era. Os objetivos podem ser mais ou menos anônimos, mas algo diferente acontece quando uma história envolve uma celebridade e vem com vazamentos de áudio e “impressões”.

Aqui a história se transforma em um romance, ou um clímax cheio de ação da série ou reviravoltas dramáticas. Primeiro veio um bate-papo por vídeo que supostamente incluía um youtuber. Ele era culpado. Ele postou no Instagram destacando as inconsistências no vídeo. Ele era inocente agora. Então o áudio chegou e as coisas ficaram complicadas.

Com uma parte da população trancada em casa e viciada em séries, não é difícil entender como uma pessoa sai da Netflix, entra nas mídias sociais e começa a tratar casos que acontecem lá como se fosse outro episódio de sua série de drama favorita. Exceto no outro lado da tela, não há mais atores interpretando ladrões de banco espanhóis ou vikings com penteados modernos. Estamos falando de pessoas e as consequências reais.

2. É cada vez mais fácil criar e confiar em vídeos e áudio falsos

Mas é realmente um vídeo mostrando um bate-papo que inclui o YouTube e o áudio em que ele confessa o crime? Enquanto alguns usuários de mídia social tomaram esses elementos como evidência indiscutível, outra parte se tornou um detetive virtual e saiu após a possibilidade de manipular as evidências.

O que não falta na Internet formulários para simular mensagens. Existem aplicativos que imitam e aí, Instagram e Messenger. Eles são frequentemente anunciados como uma maneira de brincar de fantoches com os amigos ou como uma paródia. Neles, você seleciona o nome do destinatário, insere uma foto e, já no ambiente do aplicativo, começa a escrever suas mensagens e as mensagens do suposto destinatário.

Em seguida, imprima ou faça um vídeo na tela do seu celular e espalhe a notícia sobre a troca de mensagens com alguém que não faz ideia do que aconteceu. O produto desses aplicativos também pode servir a propósitos humorísticos e interromper a comunicação que pode afetar a honra e os direitos de terceiros. Alguns já apareceram casos policiais no Brasil, onde a composição das conversas do WhatsApp veio à tona.

Embora a disseminação de vídeos de conversas instintivamente nos leve a acreditar no que vemos, vale a pena manter uma dúvida saudável sobre a veracidade dessa “evidência” nesses momentos em que vídeos e áudio podem ser facilmente manipulados. Isso se torna ainda mais difícil no Brasil, quando estamos acostumados a ver vazamentos nas conversas de outras pessoas, enquanto as atividades de investigação sobre elas ainda estão em andamento. A disseminação consensual de gravações de áudio e impressões de mensagens dependia de nós para essa maneira peculiar de contar a história de suposta ilegalidade ou não.

Portanto, se a impressão vazou, é porque foi comprovada. E essa segurança é ainda mais convincente quando a vítima é alguém que está do lado oposto do espectro político-ideológico. Esse círculo parece se fechar quando é mais fácil criar conteúdo manipulado e, no outro extremo da linha, há pessoas que acreditam neles cada vez mais facilmente.

3. A exploração sexual de crianças é um crime e pode envolver você e a mãe da criança.

Se as autoridades os confirmarem, o comportamento no youtuber é sério. Alguns pediram online que o episódio pudesse ser detectado porque não havia contato físico com a criança. Este não é o caso. Se ele teve contato com a criança, se o conteúdo era frequentemente salgado ou não, se a foto era compartilhada ou não e para que fins a calibração da sentença era importante.

O artigo 241-A do Estatuto da Criança e do Adolescente é punido com pena de prisão de três a seis anos e multa para aqueles que “oferecem, trocam, disponibilizam, transmitem, distribuem, publicam ou divulgam de qualquer forma, inclusive através de um sistema de computador. ou uma gravação telemática, fotográfica, de vídeo ou outra gravação que contenha uma cena explícita ou pornográfica de sexo envolvendo uma criança ou adolescente. “

O Artigo 241-B, por outro lado, é punível com pena de prisão de um a quatro anos e multa a quem “de alguma forma adquire, possui ou armazena fotografias, vídeos ou outras formas de registros contendo cenas de sexo explícitas ou pornográficas que envolvam uma criança ou adolescente “.

Se o conteúdo das mensagens for verdadeiro, não há apenas o armazenamento da foto, mas também a sua divulgação a terceiros. Esse comportamento exacerba a situação do YouTuber e da mãe da criança.

4. Insistir no suicídio também é um crime

É ainda mais paradoxal que muitos juízes nas redes sociais que já condenaram o youtuber pelo crime de pornografia infantil sejam os mesmos que publicaram postagens encorajando o suicídio de “condenados”. Vale lembrar que incitar ou incitar alguém a cometer suicídio também é crime (artigo 122 do Código Penal), com prisão de seis meses a dois anos.

Essa penalidade é “dobrada se a conduta for realizada via rede de computadores, rede social ou transmitida em tempo real” (§ 4) ou aumentada “pela metade se o agente for um líder ou coordenador ou coordenador de rede praticamente” (§ 5).

Eles têm pesquisas grotescas na rede sobre se um youtuber deve se suicidar com comentários que zombam de sua história de depressão. Já falamos aqui no Tecfront sobre como os tópicos sobre suicídio e redes sociais são pouco compreendidos. Embora não encontremos um rótulo para a tristeza nas redes, elas são dominadas por manifestações mais guturais, como amor, ódio e aparência de felicidade.

O caso PC Siqueira também é paradoxal porque, por um lado, possui todos os ingredientes que compõem esse navio cultural que forma redes sociais em 2020, com demissões, celebridades “expostas” e problemas de saúde mental. Mas, olhando por trás do espelho, o caso não fornece as respostas rápidas que os julgamentos on-line exigem, frustrando aqueles que desejam respostas simples para problemas complexos.

Quando o som vazou, e parece que a consequência do caso ficou fora de controle, o youtuber postou uma foto com as letras do cantor e compositor Leonard Cohen que diz: “Você quer mais escuro, nós matamos as chamas” (você quer escuridão / extingue a vela). “You Want Darker” também é o título do último álbum do cantor, lançado 19 dias antes de sua morte.

Enquanto aguardamos uma descrição mais clara dos eventos, sempre podemos recorrer a outra carta do grande Leonard Cohen, que envia a mensagem oposta dizendo: “tudo está quebrado, então a luz entra”. assim a luz entra).

Eles reconhecerão as rachaduras e identificarão o que a luz revela que não apenas essa história, mas também nossa própria experiência nas mídias sociais pode se tornar esclarecida.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero