Turno Zero

Notícias Completas mundo

O estudo comprova a presença de coronavírus no cérebro do paciente

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) encontraram um novo coronavírus no cérebro de pacientes mortos pela doença, além de alterações morfológicas – relacionadas à forma e estrutura – no cérebro de pessoas com covid-19 moderado. O resultado deve ajudar em tratamentos mais eficazes para pacientes com covid-19 que apresentam sintomas neurológicos, como anosmia, confusão mental, convulsões e zumbido no ouvido.

“O que identificamos agora é que o vírus é capaz de atingir o sistema nervoso central, o cérebro. Não apenas detectamos o vírus nos cérebros de pessoas que morreram com covid-19 – coletamos seus cérebros post mortem – mas também fizemos uma análise de imagem, escaneamos os cérebros de pacientes com covid-19 moderado e notamos mudanças significativas, da Bioquímica, Daniel Martins-de-Souza, Coordenador de Pesquisa. O estudo foi publicado esta semana em plataforma sobreposta, ainda sem revisão.

Ele ressalta que, por enquanto, não há evidências disso na literatura, embora alguns pacientes apresentem sintomas neurológicos. “Este é um estudo feito em centenas de pacientes moderados, não são nem mesmo pacientes graves, e mostra que as alterações morfológicas estão relacionadas ao covid-19”, disse ele. Segundo ele, os efeitos nos pacientes ainda estão sendo observados porque o covid-19 é uma doença nova. “Não deu tempo de ver o que aconteceria a longo prazo, mas o fato é que as pessoas que já foram curadas ainda apresentam queixas de sintomas neurológicos mesmo depois que o vírus já saiu do corpo.”

.js">

Pesquisadores já comprovaram em testes in vitro que o novo coronavírus é capaz de infectar neurônios. No entanto, em teste humano, identificou a presença do vírus em outra célula do cérebro chamada astrócito.

“Vimos que o vírus é encontrado no cérebro de algumas pessoas que morreram de covid-19, não tanto nos neurônios como em outra célula chamada astrócito. Esta é uma célula que ajuda os neurônios a se comunicarem. No laboratório, realizamos um experimento que mostrou que astrócitos infectados podem criar substâncias que matam neurônios e esta pode ser a razão de vermos essas mudanças nas imagens cerebrais [de pessoas vivas infectadas]”, Ele explicou.

Tratamento

A pesquisadora afirma que essa informação é a primeira pista para um tratamento mais eficaz, principalmente para aqueles pacientes que já tiveram distúrbios neurológicos. “Nem todo mundo vai ter isso [sintomas neurológicos], em média 30% a 35% das pessoas que apresentam esses sintomas. É bom que eles saibam que os sintomas podem ser causados ​​por uma infecção cerebral. “

Martins-de-Souza explicou que o que até então se acreditava serem sintomas neurológicos era causado apenas por uma infecção sistêmica. “Até agora, pensava-se que os sintomas neurológicos eram o resultado de inflamação em outros lugares – como os pulmões – e afetavam o cérebro secundariamente. Mas aqui vemos que este é [sintomas neurológicos] também pode acontecer porque o vírus entra no cérebro ”, disse ele.

Além desses resultados, os pesquisadores darão continuidade às pesquisas para entender melhor o papel do vírus dentro dos astrócitos, as consequências em longo prazo disso e a questão que Martins-de-Souza considera crucial: como o vírus chega ao cérebro.

Gabriel Ana

"Estudante apaixonado. Nerd do Twitter. Viciado em bacon ávido. Desordeiro típico. Pensador. Webaholic. Empreendedor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Fórmula 1 no Algarve terá menos audiência do que o esperado | Covid-19
Next Post Confissão séria e polêmica! André Filipe foi medicado pela produção para dormir – Nacional