o maior acidente na história do automobilismo matou mais de 80 pessoas

“Aos gritos dos feridos, os gritos daqueles que perderam entes queridos, o medo de todos, continuam, o rugido imutável e trágico de máquinas que continuam em competição, apesar do fim travesso de um de seus colegas. Mas os espectadores parecem petrificados. E agora mais medo do que admiração acompanha. passando por todos os carros. O drama paira sobre a corrida de Mans. “

Um relatório de Francisco Diaz Roncero mostra como os eventos se desenrolaram após a tragédia. A competição não foi interrompida por um momento, apesar do corpo de Levegh ter sido jogado na pista, dois carros destruídos e um espaço público repleto de centenas de pessoas mortas ou feridas.

A interrupção foi descartada mesmo após o segundo acidente, alguns minutos após a tragédia. No segundo momento da volta, o inglês Dick Jacobs perdeu o controle do carro, que capotou. O motorista da MG Cars permaneceu intacto, independentemente das circunstâncias.

A decisão dos organizadores da corrida de realizar a competição estava relacionada ao resgate das vítimas. Segundo eles, o cancelamento da corrida pode levar a engarrafamentos, pois havia 300.000 pessoas na pista. Nesse ano, a corrida foi organizada pelo Automóvel Clube Oeste, que também patrocinou o circuito.

A opinião pública, no entanto, não escapou às críticas. Até os pilotos demonstraram. “Acho que a corrida deve ser interrompida. Este acidente é um pesadelo. Não consigo entender como as pessoas ainda estão cantando, bebendo e se divertindo nas laterais da pista enquanto outros espectadores estão no necrotério”, disse Stirling Moss.

John Fitch também falou. “Eles deveriam ter parado a corrida logo após um desastre”, disse o companheiro de equipe de Levegh.

A equipe Mercedes competiu nessa corrida com três pares diferentes: Juan Manuel Fangio e Stirling Moss, Pierre Levegh e John Fitch e Karl Kling e André Simon. Todos eles deixaram o teste assim que surgiu a seriedade da situação.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero