O que os 40.000 clipes de Cassandra dizem sobre violência doméstica? – 19.7.2020

Acusado de romantizar uma história de violência contra as mulheres, o vídeo da cantora evangélica Cassiana para a música “A Train”, lançado ontem, já recebeu mais de 40.000 reações de “não gostei” no Youtube – quatro vezes o número que ele gosta – e mais de 8.000 comentários. Em uma conspiração, uma mulher que sofre violência do marido deixa uma nota dentro da Bíblia pedindo que ele “reconheça a voz de Deus” e avisa que ela o perdoou.

No final do vídeo, o personagem, que aparece com traços de agressão no rosto, e um homem alcoólatra, se encontram na rua. O clipe não menciona em nenhum momento a denúncia de um caso de violência doméstica às autoridades policiais ou ao Centro de Assistência às Mulheres (180).

Na véspera das consequências negativas, a empresa que produziu o vídeo para Cassiane disse que a abordagem da peça era “espiritual, não legal”. Mas a avalanche de rejeição sugere que mulheres e homens apontem que a mensagem do clipe é decepcionante. O que esse caso nos ensina sobre a violência contra as mulheres?

“Não perdoe, denuncie. Por favor. A violência doméstica não é resolvida pela oração”, disse um usuário. “Deveria ter terminado de maneira diferente: ela sai de casa, ela sai para igreja, e ele será preso porque não beberá lá o dia todo “, comentou outro.” 180 relatório agressão física, não vai mudar! ” pensando outro espectador. “A música é muito bonita, mas esse clipe está completamente desligado! A violência doméstica não é discutida, não é negada”, para citar outra das milhares de mensagens.

No início da noite de domingo, a cantora pediu desculpas a seus seguidores e divulgou um número nacional por denúncias de violência doméstica, 180 (leia mais abaixo).

Nos últimos anos, campanhas sobre os direitos das mulheres e a luta contra a violência doméstica, além da instituição do feminicídio como estrutura para os crimes nos quais a vítima foi morta por ser mulher, espalharam uma necessidade mais ampla da vítima de quebrar o ciclo da violência e procurar ajuda, independentemente da fé ou crença da vítima.

Entidades governamentais e civis são organizados para facilitar o acesso da vítima aos canais de gravação de eventosPor esse motivo, o videoclipe Cassiano ela foi criticada em público, Youtube.

A violência doméstica, atualmente exacerbada pelo isolamento social, pode ser registrada por vários mecanismos de denúncia – uma mulher não precisa sair de casa para fazê-lo.

Clipe de voz - Play / Youtube - Play / Youtube

A produção foi lançada no YouTube no sábado (18) e já tem quatro vezes mais curtidas que curtidas

Imagem: Play / Youtube

Perdoe o agressor e denuncie

Em uma nota deixada pelo personagem de “A Voz”, a mulher pede ao homem que a está atacando que procure religião para se curar. “Reconheça a voz de Deus. Deixe que ela agite seu coração. O santo tremor do Senhor irá curá-lo, pois Ele é a voz que renova a vida. Eu oro por você. Perdoo.”

O debate sobre o comportamento de vítimas e agressores em casos de violência doméstica no Brasil não pode ser separado de seu perfil: segundo um estudo de 2016 desenvolvido pela teóloga Valéria Cristina Vilhena e publicado no livro “Igreja sem voz – análise de gênero da violência doméstica entre mulheres evangélicas”, 40% das mulheres vítimas de agressão física ou verbal em casa são declaradas evangélicas.

Nesse contexto, existe uma ideologia do perdão cristão. Não é por acaso que entidades cristãs e grupos de mulheres nas igrejas são organizados para incentivar a renúncia a mulheres que seguem preceitos religiosos. Em 2019, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic) publicou uma declaração nas mídias sociais sobre esse tópico, destinada a “pastores, padres, honras”.

“Pare de aconselhar uma mulher que foi agredida fisicamente pelo marido para orar e esperar por Deus; envie-a à delegacia para denunciar um covarde, um criminoso. Caso contrário, você é cúmplice do crime.”

Relativizar a agressão não é a solução

O homem na filmagem parece bêbado, bebe álcool pela manhã e usa dinheiro para apoiar seu vício. Realmente, o álcool é um dos fatores associados ao aumento do número de mulheres mortas em casa durante uma pandemia de coronavírus, afirmam os pesquisadores.

Parte dos comentários deixados no clipe de Cassiane aponta que a produção romantizou cenas de agressão.

Em resposta, na descrição do vídeo no YouTube, os responsáveis ​​pela peça acrescentaram informações que não podemos omitir devido à violência doméstica e disponibilizamos 180 informações para reclamações.

Diante da controvérsia, a equipe responsável pelo clipe também escreveu que “não estava claro” se a mulher denunciou o marido em paralelo com a nota de perdão. A mensagem é, portanto, incompleta para os telespectadores, porque não há reforço didático que incentive a renúncia.

No início da noite de domingo, Cassiane postou uma postagem no Instagram pedindo que todos a perdoassem e revelasse o número 180 por reclamações. Ela compartilhou uma mensagem da MK Music afirmando que a gravação estava sendo preparada “por respeito à dor de muitas vítimas”.

Com humildade … # PeçoPerdãoATodos 🙏🏻 #Repost @mkmusicbrasil s @make_repost ・ ・ ・ VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES É CRIME! RELATÓRIO: DIAL 180 “Experimente o que você recebeu e aprendeu de mim, minhas palavras e minhas ações. E o Deus que nos der paz estará com você”. Filipenses 4: 9 (NTLH Linguagem de Hoje) Estamos filmando e editando esta semana (19) outra versão do vídeo do A VOZ, por amor e consideração pelo querido CASSIANE e seu serviço de 39 anos; de todos que nos seguem e acreditam em nosso trabalho e estão prontos para nos dar sua opinião com cuidado e preocupação; em relação à dor de muitas vítimas e àquelas que, infelizmente, não puderam ser quebradas; para que não haja dúvida em nossa intenção e que não enfraqueça a mensagem principal! Acreditamos plenamente no poder transformador de Cristo e nos colocamos à Sua disposição para nos usar como amplificadores de mensagens de salvação, amor e paz. Com ele, também aprendemos a ouvir, pensar, ser sensível e corajoso para mudar. E nunca desistimos de nosso papel na sociedade. O roteiro original do clipe foi todo desenvolvido por nossa diretora artística MARINA DE OLIVEIRA, com foco em FÉ e AÇÃO, sem nenhuma interferência de nossa amada CASSIANE, que também nos conhece e confia em nós. Mas, se alguns não o entenderam … Com muito amor, responsabilidade, humildade e para que esta poderosa mensagem alcance e incentive muitas vidas, sem barulho, em breve você poderá assistir à nova versão do vídeo A VOZ. Agradecemos a todos que sabem quem somos e nunca duvidaram de nosso objetivo. Eles andam conosco há mais de 30 anos, conhecem nossas lutas, campanhas e crenças. Pedimos desculpas a quem acabou se sentindo ofendido ou magoado. E convidamos todos a participar desta campanha nas mídias sociais, sim, mas efetivamente na prática! Fé e ações. # Dial180 “Uma voz que acalma o mar. Entrega demônios. Pode curar e restaurar a vida. É a mesma voz que o convida a sentar à mesa …” Com amor, MK MUSIC. @marinamkmusic @cassianecantora #AVoz #Cassiane # Família

A publicação que ele compartilha Cassiano (@cassianecantora) em

Assista ao clipe:

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero