Turno Zero

Notícias Completas mundo

O uso regular de medicamentos para refluxo gastroesofágico pode estar relacionado ao aumento do risco de diabetes tipo 2 – Sociedade

O uso regular de medicamentos para o refluxo gastroesofágico pode estar ligado a um risco aumentado de diabetes tipo 2, sugere um estudo divulgado nesta terça-feira, que recomenda fazer testes de glicose para quem os toma em longo prazo.

De acordo com o estudo – publicado no ‘Gut’, um jornal especializado na área de gastroenterologia e hepatologia – o uso regular de medicamentos para refluxo ácido, conhecidos como ‘inibidores da bomba de prótons’ (PPI), está associado a um risco aumentado de desenvolvimento Diabetes tipo 2.

Medicamentos como omeprazol, pantoprazol, lansoprazol e semelhantes fazem parte do grupo dos inibidores de PPI.

Os pesquisadores observam que este é um estudo observacional e, como tal, não pode estabelecer uma relação causal, mas envolve muitas pessoas cuja saúde foi monitorada por um período relativamente longo.

Quanto mais tempo esses medicamentos são tomados, maior o risco parece ser, de acordo com a pesquisa, o que leva os pesquisadores a aconselharem que as pessoas que os tomam por dois ou mais anos devem fazer check-ups regulares de glicose no sangue para verificar o açúcar no sangue. diabetes.

Dado o alto risco de diabetes, os médicos devem pesar cuidadosamente os prós e os contras de prescrever esses medicamentos, alertam.

“Para pacientes que precisam de tratamento de longo prazo, o rastreamento de glicose sanguínea anormal e diabetes tipo 2 é recomendado”, sugerem os autores do estudo.

Os IBPs são usados ​​para tratar refluxo ácido, úlceras pépticas e indigestão e estão entre os 10 medicamentos mais usados ​​em todo o mundo.

Em 2014, a prevalência geral de diabetes tipo 2 foi de 8,5%, e os pesquisadores queriam descobrir se o uso generalizado de inibidores da bomba de prótons e a alta prevalência de diabetes podem estar relacionados.

Os pesquisadores se basearam nas informações fornecidas por 204.689 participantes (176.050 mulheres e 28.639 homens) com idades entre 25 e 75 anos coletadas desde 1976.

No momento da inscrição e a cada dois anos, os participantes atualizavam informações sobre seus comportamentos de saúde, histórico médico e novas condições diagnosticadas.

De 2000 a 2004, os participantes também foram questionados se haviam usado IBPs regularmente nos dois anos anteriores: o uso regular foi definido como duas ou mais vezes por semana.

Durante o período médio de monitoramento de nove a 12 anos em todos os três grupos, 10.105 participantes foram diagnosticados com diabetes tipo 2.

O risco anual absoluto de um diagnóstico entre usuários regulares de IBP foi de 7,44 / 1000 em comparação com 4,32 / 1000 entre aqueles que não usavam esses medicamentos.

.js">

Depois de levar em consideração os fatores potencialmente influentes, incluindo pressão alta, colesterol alto, sedentarismo e uso de outros medicamentos, aqueles que usavam IBP regularmente tinham 24% mais chances de desenvolver diabetes tipo 2 do que aqueles que não o faziam.

E quanto mais tempo esses medicamentos eram tomados, maior o risco de desenvolver diabetes: o uso por até dois anos estava associado a um risco 5% maior; o uso por mais de dois anos foi associado a um risco aumentado de 26%.

O risco diminuiu com o passar do tempo desde que foi interrompido.

Uma análise posterior mostrou que o risco de diabetes entre usuários de IBP não foi afetado por fatores como sexo, idade, história familiar de diabetes, tabagismo, ingestão de álcool, dieta, atividade física, colesterol alto ou uso regular de antiinflamatórios.

Para efeito de comparação, os pesquisadores também analisaram o impacto potencial dos bloqueadores H2, outro tipo de substância usada para conter a produção excessiva de ácido estomacal, e seu uso regular foi associado a um risco aumentado de 14%.

Da mesma forma, o uso de longo prazo foi associado a um risco maior, enquanto o tempo mais longo desde a interrupção foi associado a um risco menor.

Os pesquisadores também relataram que encontraram evidências de que mudanças no tipo e na quantidade de bactérias normalmente presentes no intestino (o microbioma) podem ajudar a explicar as associações encontradas entre o uso de IBP e um risco aumentado de desenvolver diabetes.

Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Seu carro vai adorar a novidade que o Google Maps terá em breve
Next Post A BOLA – Nuno Mendes afirma-se com recorde no jogo com o Paços (Sporting)