Olá, bairro: Evidências indicam que a Via Láctea tem 36 raças alienígenas – 16/06/2020

Nós estamos sozinhos no universo? À medida que continuamos sem uma resposta concreta, um um estudo assinado por dois professores da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, não apenas sugere que sim, há vida inteligente no espaço, mas também que podemos ter vizinhos mais próximos do que imaginamos.

De acordo com o material assinado por Christopher Conselice, professor de astrofísica, e Tom Westby, professor assistente, haveria 36 civilizações ativas, inteligentes e capazes de se comunicar apenas na Via Láctea.

Para chegar a esse número, a equipe desenvolveu um método chamado Limite Astrobiológico Copernicano, que leva em conta a história da formação estelar, o nível de distribuição de metal nas estrelas desses sistemas – nosso Sol é relativamente rico em metais, por exemplo – e a presença de planetas na terra.

Mas isso não é suficiente. “A idéia é prestar atenção à evolução, mas em um nível cósmico”, diz Conselice. Para esse fim, o estudo assume que leva um período de pelo menos 5 bilhões de anos para que a vida inteligente apareça nos planetas. Isso, é claro, leva em conta o processo que ocorreu na Terra.

Tentativas de estimar a existência de outras civilizações no espaço não são novidade, mas a diferença é que, em vez de estimar e pensar em métodos, dados difíceis são usados.

Se você ficou empolgado em fazer amigos extraterrestres, lembre-se de que estamos falando de vizinhos da Via Láctea com pouco mais de 100.000 anos-luz de largura. De acordo com este estudo, a distância média dessas possíveis civilizações da Terra é de cerca de 17.000 anos-luz.

Ou seja, se essas civilizações não encontraram maneiras de viajar a velocidades superiores à velocidade da luz, é muito improvável que um dia aterrissem aqui.

Por outro lado, um balde de água fria se refere ao fato de que, não importa quão inteligente seja a vida “lá fora”, são grandes as chances de que essas civilizações não estejam na mesma fase de existência que a nossa. Muitos deles podem até ter desaparecido – e outros podem aparecer quando nós, aqui na Terra, já passamos de lá para melhor.

Mas, de acordo com os autores do estudo, isso não é a coisa mais importante. Afinal, se concluirmos que a existência de vida inteligente é comum em nossa galáxia, ela poderia servir como uma boa perspectiva para os seres humanos. É algo que mostra que nossa civilização poderia existir por mais de algumas centenas de anos.

Descobrir o contrário, que não há civilizações ativas, pode significar que nosso futuro não é o mais brilhante. De qualquer forma, Conselice ressalta que a busca por sinais já é importante.

“Mesmo que não encontremos nada, quando procuramos vida inteligente extraterrestre, descobrimos nosso próprio futuro, nosso próprio destino”, conclui.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero