Turno Zero

Notícias Completas mundo

Os astrônomos estão encontrando planetas que podem ter melhores condições de vida do que a Terra

Astrobiólogos alemães e americanos descobriram que existem vários planetas no cosmos que podem ter melhores condições de habitabilidade do que a Terra.

Cientistas Dirk Schulze-Makuch, René Heller e Edward Guinan Publicados estudo na revista científica Astrobiology. Neste, em que descreveram os resultados da análise de mais de quatro mil corpos celestes – classificados como exoplanetas, dos quais apenas 24 representavam condições favoráveis ​​para a existência de vida. Para que isso fosse possível, vários fatores considerados fundamentais para a vida na Terra foram analisados, incluindo temperatura, radiação, pH (acidez), existência de água e suas características, pressão, teor de oxigênio e composição química.

É verdade que usar dados e parâmetros conhecidos da Terra como um guia de como variações nas propriedades planetárias afetam a habitabilidade e a vida resultaria em algo “geocêntrico”.

No entanto, ainda temos apenas informações relevantes para o nosso planeta e a vida como a conhecemos, então os cientistas serão desafiados a distinguir os padrões e condições de vida observados em nosso planeta daqueles que se aplicam à vida em geral.

A partir do mapa estelar Kepleriano, Schulze-Makuch, Heller e Guinian selecionaram sistemas estelares planetários com planetas localizados em uma zona supostamente habitável e, possivelmente, com água corrente. Ao mesmo tempo, os pesquisadores estavam mais interessados ​​em estrelas do tipo G – a mesma classe espectral do Sol, com uma vida útil de cerca de dez bilhões de anos – bem como estrelas da classe K, estrelas anãs ligeiramente mais frias e menos brilhantes. , mas com uma vida útil mais longa, entre 20 bilhões e 70 bilhões de anos.

Planeta Terra (imagem ilustrativa)

.js">

Cinco vezes maior do que o planeta Terra e com temperaturas e umidade ligeiramente mais altas do que a Terra, os cientistas acreditam planetas recém-descobertos podem ser consideradas como futuras hipóteses de habitação e, portanto, devem ser estudadas com rigor.

“Com o advento de novos telescópios espaciais, obteremos mais informações, por isso é importante escolher os alvos certos”, disse o líder da pesquisa, Professor Dirk Schulze-Makuch, em um comunicado à imprensa da Universidade de Washington. “Precisamos nos concentrar em certos planetas que têm as condições mais promissoras para uma vida complexa. É importante não nos limitarmos a apenas procurar outra Terra, porque pode haver planetas ainda mais adequados para a vida do que o nosso.”

Os 24 planetas em estudo estão a mais de 100 anos-luz de distância, mas a NASA e a Agência Espacial Européia já estão considerando pesquisas futuras com com seus telescópios avançados James Webb, LUVIOR e PLATO.

Gabriel Ana

"Estudante apaixonado. Nerd do Twitter. Viciado em bacon ávido. Desordeiro típico. Pensador. Webaholic. Empreendedor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post A história foi feita no Giro: João Almeida é a nova camisola rosa
Next Post Fora do ‘BB’, Sandra Fernandes acaba por esclarecer rumores de prostituição – Nacional