Pandemia une grupo do leste de SP contra a fome nas ruas – 20.07.2020

Eles compartilham uma calçada com os passos apressados ​​de trabalhadores que circulam a parte central de São Paulo, ao redor da Praça da República, alguns acomodando colchões, pertences e vidas ao lado do edifício. Atrás deles, você pode ler a frase “lave as mãos”, escrita em um pedaço de papel colado na frente do prédio.

Quando confrontado com a cena, logo no início da quarentena, o engenheiro Anderson Ronielly, 30 anos, foi tocado pela situação e compartilhou com os amigos do bairro onde mora, na Cidade Tiradentes, no lado leste da capital, o desejo de ajudar as pessoas que enfrentam pandemias nas ruas.

Algumas semanas depois, eles coletaram doações e voluntários, que agora fazem parte do grupo Quarentenários do Bem. Foram mobilizadas 22 pessoas para, pelo menos uma vez por semana, distribuir lancheiras e cobertores na parte central da cidade e no distrito de Cidade Tiradentes, onde mora a maioria dos membros do grupo. É a primeira vez que Ronielly participa de um projeto social.

O analista de marketing Jackson Vasconcelos, 33 anos, diz que doa roupas para os sem-teto há vários anos. Em uma dessas lojas, ele o tocou ao ver um homem batendo no lixo procurando algo para comer. “As pessoas são realmente esquecidas, abandonadas. Refeição e atenção fazem a diferença”, diz ele.

Na rua, contra a fome

As refeições são geralmente preparadas por quatro membros do grupo, de acordo com a disponibilidade de seus membros. Crianças e professores Caroline Santos, 33, e Tainan Santos, 32, geralmente são responsáveis ​​por tachos e panelas, que levam cerca de quatro horas para preparar quase cem caixas para o almoço.

“Crescemos quando vemos as pessoas na rua, mas estar mais perto delas e conhecê-las um pouco mais sobre a realidade é uma experiência muito poderosa. Às vezes é um sentimento de incompetência. Ao mesmo tempo, é bom saber que podemos ajudar um pouco e ver a felicidade deles quando lhes oferecemos algo diferente. , como um prato ou uma deliciosa sobremesa que eles não comem há muito tempo “, comenta Caroline.

Quebrando alguns preconceitos, ela estava morando intimamente com essas pessoas. “Eu acreditava que cada vez mais pessoas nas ruas consumiam drogas e álcool. Esse estereótipo estava desmoronando porque o número de pessoas que vemos nessa situação é pequeno”, diz ele.

Preparação de cachorro-quente do grupo Quarenteners do Bem, no leste de São Paulo - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

Preparação de quarentenas Bem

Imagem: Arquivo pessoal

Tainan, que sempre trabalhou nos Centros de Rede Infantil da rede municipal nos arredores da capital, diz que é a primeira vez que participa de um projeto social, mas que sempre tentou ajudar famílias de estudantes que precisam de apoio financeiro, orientação e roupas. e calçados,

A analista financeira Ana Karolina Ramos, 32 anos, diz que também transformou sua visão de quem mora na rua durante esse período. “Eu vi muitas pessoas que a única saída era na rua quando saíam como homossexuais; casos em que um guardião o deixou em um orfanato e quando ele atingiu a maioridade, uma pessoa não tem para onde ir; pessoas mais velhas sem família. Tenho certeza de que todos no projeto mudaram “ele diz.

Quando viu a filha Nina Passos, 37, professora de uma escola municipal que auxiliava o projeto, a cuidadora sênior Ronaildes Alves dos Santos, 57, também sentiu a necessidade de colaboração. Para não correr riscos, diabéticos e hipertensos, ela decidiu cozinhar feijão com alimentos. “Minha filha não me deixou ir e eles passaram muito tempo cozinhando porque têm alguns potes. Esta é a minha maneira de ajudar, eu o faço com cuidado e com muito cuidado”, diz ela.

Para Passos, a participação nas ações também viu as falhas do estado.

Se levássemos as políticas públicas a sério, a vida comunitária seria muito melhor, pelo que entendi, mesmo que seja tão pequena, o que fazemos muda o dia de alguém

Nina Passos, professora de rede municipal

Por meio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, a Prefeitura afirma que, a partir de 23 de abril, produz lancheiras em instituições credenciadas no projeto Rede Cidadã Cozinha. De acordo com o mapa, foram distribuídas 600.010 refeições e 21.000 lanches orgânicos da marca. Entre os locais em consideração está a região da Sé, pois concentra uma população de rua. Outras regiões onde a distribuição ocorreu são Mooca, Lapa, Vila Mariana, Santo Amaro, Pinheiros e Santana. Existem 69 estabelecimentos que produzem refeições e recebem US $ 10 por almoço da prefeitura.

Toda ajuda é bem vinda

O projeto Quarenteners do Bem foi fundado por um grupo de amigos e apoiado por doações. Atualmente, a principal dificuldade é encontrar voluntários para entregar e preparar alimentos. “A logística é excepcional e complexa ao longo do processo”, diz Anderson Ronielly.

Ronielly diz que é difícil encontrar pessoas interessadas em ajudar porque é um trabalho árduo. A maior parte do grupo mora no lado leste de São Paulo e é costume voltar para casa depois das 2 da manhã, incluindo pessoas ajudando a preparar a comida a partir das 14 horas. Para aprender como ajudar voluntários ou colaborar financeiramente, envie mensagem na página do projeto.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero