Para evitar a poluição, os Guarani estão se adaptando à vida tradicional e criando isolamento da comunidade – 19.06.2020. – Vida cotidiana

Quando o cotidiano de uma comunidade é vivido coletivamente, como a vida dos povos indígenas Guarani em São Paulo, manter distância social para impedir a disseminação do coronavírus se torna mais complexo do que seguir a recomendação de ficar em casa.

“O isolamento social é simplesmente ‘não sair de casa’ porque os indígenas já moram em caixas. A vida é cheia de caixas, então não há problema em trancar apartamentos”, diz Tiago Karai, professor e um dos líderes do país indígena (TI). Tenondé Porã, no extremo sul da capital.

“Mas foi muito complicado fazer esse isolamento individual porque somos uma família grande e compartilhamos tudo”.

Nos dois territórios guarani localizados no município, evitar a poluição dentro da vila significou uma mudança nas atividades diárias realizadas coletivamente – que são a base de sua vida tradicional.

Por exemplo, casas de oração, chamadas opy, não são visitadas por mais grupos diariamente.

“Além de ser um lugar sagrado, no ópio cuidamos do corpo, da mente e do espírito. É um lugar onde deixamos dinheiro, nos encontramos para conversar e orar juntos. Quando vamos à casa de oração [em número] limitado, nos prejudica, nos priva de parte de nossa força espiritual ”, diz Thiago Henrique Karai Djekupe, 26 anos, ativista guarani e um dos que vivem em TI Jaraguá, no noroeste da região de São Paulo.

“Começamos a assistir as pessoas mais deprimidas, tristes e oprimidas. É bom que as pessoas fiquem dentro de casa, mas para nós na vila está muito escuro”.

Entre março e abril, o território com cerca de 600 habitantes e 532 hectares registrou um rápido crescimento populacional com sintomas de Covid-19, lembra Thiago. Para prevenir a infecção, a primeira estratégia adotada foi evitar sair da vila e não permitir a entrada de novas pessoas.

Com cerca de cem casos confirmados, um dos grandes desafios em Jaraguá é o layout das casas. “As casas aqui na vila são muito pequenas e muito próximas. Além disso, geralmente são apenas um quarto e podem acomodar mais de quatro pessoas, muitas das quais não têm janela nem quarto”, diz ele.

O Centro de Educação e Cultura Indígena (Ceci) Jaraguá foi transformado em uma área de isolamento devido a suspeitas e casos de Covid-19 que contribuem para dificuldades de isolamento nas aldeias.

As cozinhas comunitárias são visitadas apenas com regras para garantir a distância entre as pessoas e a higiene adequada da louça.

Até o momento, a secretaria municipal de saúde registrou 364 casos Covid-19 entre os Guarani.

Enquanto não houve mortes em Jaraguá, houve três mortes por coronavírus em Tenondé Porã, que possui cerca de 16.000 hectares e 1.200 habitantes. O primeiro foi de um ano com complicações de saúde no final de março. Os outros dois, no início do mês, tinham 61 e 80 anos.

“Traduzimos para pessoas [da comunidade] que tipo de isolamento seria esse, mas nossa vida cotidiana, enquanto vivemos, é muito diferente da Consulta Jurássica, as não-indígenas ”, diz Tiago Karai.

Visitar famílias de outros territórios ou outras vilas do mesmo país, beber chimarrão, fumar petyngua (cachimbo) pela manhã e compartilhar sonhos para buscar seu significado é importante para o mundo do guaraná, explica Tiago.

Como em Jaraguá, as escolas Tenondé foram transformadas em espaços de isolamento.

Nos dois países, um dos trabalhos mais importantes foi conversar com os idosos da vila para que eles pudessem cuidar da pandemia.

“Manter os idosos como um grupo de risco traz grande tristeza, porque para nós eles são um museu vivo”, explica a liderança de Jaraguá. “Eles são nossas bibliotecas. Não sei como os jurássicos os chamariam, mas é uma fonte de sabedoria e não está escrita, não está no papel. É uma sabedoria viva.”

Lucimar Constantino, 42 anos, enfermeiro e chefe da unidade de saúde Vera Poty com sede em Tenonde, diz que a maior preocupação da equipe hoje são as aldeias mais afastadas das casas da terra indígena.

“Nós criamos estratégias para estar lá todos os dias”, diz ele. Uma das aldeias fica a 25 km da UBS e o acesso é difícil.

Ela, que trabalha no território há quinze anos, diz que, após as primeiras mudanças nos hábitos da comunidade e a adoção de máscaras, surgiram problemas sobre como se manter financeiramente nesse novo cenário.

Em Tenonde, parte da compensação vem do turismo indígena sediado na comunidade. Como em Jaraguá, a venda de artesanato no centro da cidade também é uma importante fonte de renda para a comunidade.

Ambas as áreas, no entanto, conseguiram coletar doações para manter o isolamento social durante esse período e impedir que não-nativos entrassem no país.

“Há muito tempo os Guarani desenvolvem estratégias para controlar muitas coisas negativas que vêm do mundo não-indígena”, diz o antropólogo Lucas Keese sobre o fechamento da cidade.

“Os Mbya Guarani ainda hoje se caracterizam por serem bem reservados e afastados dos povos indígenas, embora seu território seja superior aos estados mais populosos do país. Podemos dizer que essa foi uma estratégia extraordinária de resistência histórica”.

Ele explica que, como com outros povos indígenas no Brasil, “uma boa vida para a vida é coletiva, comum”.

Para Thiago Henrique, uma das principais influências para se manter isolado do mundo indígena é não conseguir articular politicamente as ameaças do governo.

“Não sabemos quando a pandemia terminará. Não sabemos quando nossas vidas voltarão ao normal. Não sabemos o que faremos quando o presidente começar a nos ameaçar com nossos direitos”, disse ele, lembrando uma declaração do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. , durante uma reunião ministerial de 22 de abril. “Como nos organizamos quando o governo faz coisas assim? Oramos muito com todos da comunidade. Não pudemos fazê-lo desta vez.”

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero