para um senador, o MEC está fazendo a coisa errada e tentando contornar o Congresso

Ele é o autor de uma lei que prevê o adiamento de testes como o Enem (Exame Estadual do Ensino Médio) até o final do ano letivo de 2020, devido ao impacto da pandemia coronavírus, A senadora Daniella Ribeiro (PP-PB) acredita que a decisão do MEC (Ministério da Educação) de adiar o exame por um período de 30 a 60 dias é “errada” e o resultado de uma tentativa de contornar o movimento ocorrido no Congresso Nacional.

Aprovado ontem no Senado com 75 votos a favor, 1 texto, de autoria de Ribeiro, foi encaminhado à Câmara dos Deputados, onde o assunto deve ser acrescentado à solicitação urgente de outro projeto adiando o Enema e que pode ser votado hoje em plenário,

“Minha avaliação é de que foi apenas uma tentativa de suspender a votação. É fixada uma data de 30 a 60 dias em que temos uma pandemia para a qual não há data final. O projeto em que votamos ontem discutiu cautelosamente como adiá-la após o final do ano letivo. “diz o senador.

Para ela, se a Câmara não votar no projeto, e o adiamento for realmente determinado por um período de 30 a 60 dias, o MIK “mergulhará novamente na profunda injustiça social que existe hoje”.

Perda de alunos de escolas públicas

Ribeiro diz que a suspensão das aulas presenciais atrapalha particularmente a preparação dos alunos das escolas públicas para o Enem, porque muitos não têm acesso à Internet em casa e nem os requisitos mínimos para continuar sua rotina de aprendizado fora da escola.

“Acho que essa tentativa está errada porque não veio com a intenção de resolver o problema [das diferentes condições de acesso] e nem mesmo com a sensibilidade do que é a realidade ”, diz ele.

É ideal para um senador que o Enem ocorra após o final do ano letivo de 2020, porque “neste período, é garantida a possibilidade de que todos possam estudar em condições minimamente convincentes”.

Para Joyce, não faz sentido adiar o Enem e continuar deixando os alunos em condições desiguais - Arquivo pessoal

Para Joyce, não faz sentido adiar o Enem e continuar deixando os alunos em condições desiguais

Imagem: Arquivo pessoal

Os alunos querem mais apoio para o ensino a distância

A ex-aluna de escola pública Izabel Araújo, 18 anos, diz acreditar que a decisão de adiar até 60 dias é “importante”, mas enfatiza que a medida em si não deve ajudar os estudantes mais pobres.

“Não sei se será tão eficaz se não houver outras medidas nesse sentido. Porque não adianta adiar o Enem e continuar deixando estudantes que não têm acesso a palestras ou outras dificuldades sem saída”, diz o vestibular em medicina.

É o que diz a ex-aluna de escola pública Joyce Lopes, 18, que quer experimentar um lugar na Geografia. Para ela, a decisão do MEC é o “começo”.

“Essa medida por si só não será suficiente, porque será apenas mais um prazo para planejarmos. Mas como os alunos estudarão? Existem muitas pessoas sem a Internet, sem um livro em casa. Qual será a medida que o governo adotará?” resolver isso? ”ele pergunta.

Joyce diz que a decisão do MEC é

Joyce diz que a decisão do MEC é um “começo”, mas diz que “a medida sozinha não será suficiente”

Imagem: Arquivo pessoal

A vitória do movimento estudantil

Para Iago Montalvaa, presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes), a decisão do MEC representa uma vitória para o movimento estudantil, porque o ministério sempre insistiu em realizar testes em novembro. “Mas continuamos vigilantes porque achamos que a questão não está resolvida”, diz ele.

“Na nossa opinião, o MEC estabelece uma data fictícia. Em que base há 30 a 60 dias?”, Ele pergunta.

Segundo ele, a UNE defende que o adiamento do Enem esteja relacionado ao calendário escolar – ainda não há definição do retorno das aulas presenciais ou do final do ano letivo. “Um mês não é suficiente”, ressalta.

Montalvão afirma ainda que não é possível implantar o Enem dentro de 30 a 60 dias, devido ao cenário de instabilidade pandêmica.

Joyce e Isabel também mostram essa preocupação. “Também estamos lidando com problemas de saúde. Eles não nos transmitiram como seria e não sabemos quando essa pandemia terminará”, diz Joyce.

“Nós, como estudantes, pensamos: e se fazer um teste porque estamos perseguindo o sono, isso leva a outra crise de coronavírus?”, Diz Isabel.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero