Queda nas hospitalizações em hospitais de campanha na Copa do Mundo e a Prefeitura encerrará Pacaemba – 25.06.2020. – equilíbrio e saúde

Criados para desmantelar a rede municipal durante o pico da pandemia, os Hospitais Bruno Covas (PSDB) operam hoje com cerca de 20% de sua capacidade. Os dois edifícios criados pela cidade podem acomodar 1.071 pacientes, mas havia apenas 233 (25) na quinta-feira.

Com 15 hospitalizados e 200 leitos, o Hospital de Campo de Pacaembu está programado para fechar na próxima semana. A cidade não confirma os dados. No entanto, o complexo do Anhembi deve continuar funcionando por mais tempo para estar disponível no caso de um possível aumento no número de casos.

As unidades entraram em operação em abril e já trataram 4.688 pacientes, dos quais 3.771 receberam alta.

De acordo com pesquisa realizada pela Folha, os dois hospitais atingiram o pico em 15 de maio, quando 760 pessoas foram hospitalizadas nos dois hospitais. Mesmo durante esse período, os dois serviços de emergência não foram preenchidos, com capacidade para cerca de 70% dos leitos ativos.

Comparado entre maio e junho, o número médio de pacientes hospitalizados caiu 41% – de 656 para 383.

A administração de Covas estima que as unidades são elementos importantes na estabilização da doença na cidade. Eles não apenas ajudaram a aliviar a rede hospitalar ao abordar casos mais leves, mas também serviram para isolar pacientes que, se deixados em casa, poderiam continuar a contaminar a população.

Há também preocupações sobre uma possível segunda onda de contaminação, após a abertura total dos setores econômicos da cidade. A cidade espera que bares e restaurantes sejam abertos, por exemplo, a partir de segunda-feira (29).

As unidades municipais são gerenciadas por três entidades diferentes. Pacaembu é administrado pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Folha eles descobriram que lá os profissionais foram até informados sobre o fechamento da unidade.

O Anhembi, por outro lado, possui vagas gerenciadas por duas entidades, Iabas e SPDM – na unidade, os médicos reclamavam da estrutura e falta de materiais, que os operadores negam. O complexo está configurado para acomodar até 1.800 pacientes. No entanto, existem atualmente 871 camas, das quais 218 estão ocupadas.

As hospitalizações na cidade de São Paulo estão em declínio, o que significa que a cidade deve passar para a fase 3 da flexibilização do governo de João Doria (PSDB), com permissão para operar bares e restaurantes.

Para o Dr. Márci Sommer Bittencourt, do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário da USP, a diminuição do número de ocupações de hospitais de campo ocorreu em paralelo com o aumento do número de vagas em hospitais regulares.

“Uma das coisas que os hospitais de campo fizeram foi servir no momento em que a estrutura regular estava menos preparada. Parte do que aconteceu não é apenas o declínio dos casos, mas também porque a rede hospitalar tem mais leitos disponíveis ”, afirmou.

Ele diz que as estruturas foram criadas em um momento em que pouco se sabia sobre as dimensões que a doença teria no país e que absorvia a demanda que impedia o sistema de sofrer mais pressão.

“Sem ter certeza, a melhor estratégia é ter mais camas, uma pequena cama vazia, do que passar por uma situação pela qual muitas pessoas no mundo passaram”, disse ele.

Para ele, no entanto, a manutenção de hospitais com grandes capacidades inativas tem um custo muito alto, caso se espere um novo aumento no número de casos.

O declínio na ocupação dos hospitais poloneses de Covas também coincide com a criação de duas unidades estaduais de campanha no Ibirapuera e Heliópolis em maio. Nos dois hospitais, a taxa de ocupação é mais alta que a municipal e varia entre 50% e 70%, afirmou o governo.

O Hospital Heliópolis possui 116 pacientes e 200 leitos (58% de ocupação). Com 268 vagas, a unidade do Ibirapuera possui 133 estagiários (50% das vagas). Segundo o governo de Doria, os locais “permanecem abertos e mantidos até que se note uma redução no número de hospitalizações”.

Raquel Stucchi, especialista em doenças infecciosas da Unicamp e consultor do SBI (Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas), diz que o possível uso de estruturas hospitalares vazias na capital seria usá-las para servir a população do interior.

Embora a capital esteja registrando um declínio no número médio de hospitalizações, a doença está progredindo no interior de São Paulo. Stucchi, por exemplo, citou o fato de mostrar que cerca de 40% dos internados em Campinasi não são da cidade, o que significa ter seu sistema totalmente ocupado.

“Talvez possa haver um consórcio entre governadores e prefeitos de cidades do interior que não possam pagar internações para serem transferidas para São Paulo em estruturas já estabelecidas”, diz ele. “Temos uma rede rodoviária muito satisfatória que permitiria o transporte desses pacientes”.

Ela diz que a criação de hospitais já se justifica, mas que deixá-los vazios devido a uma possível segunda onda de doenças pode ser caro.

Questionada sobre a subutilização de camas, a cidade afirmou que “qualquer atitude depende da mudança da fase de flexibilidade do capital em relação ao plano de São Paulo”.

A nota acrescenta que os dados são monitorados diariamente e que a decisão de manter o leito é tomada com base em critérios técnicos.

A administração de Covas disse que os custos hospitalares variam, dependendo do número total de leitos ocupados, equipe médica, consumo de drogas, telefone, limpeza, eletricidade, estacas usadas.

“O portfólio também esclarece que os pagamentos a organizações sociais que administram o hospital são feitos apenas através de uma cama operacional. Os recursos não utilizados serão devolvidos aos cofres públicos no final do período do passivo ”, afirmou ele em nota.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero