Ricardo Darín diz que pandemia expôs desigualdade e danos ambientais – 22.05.2020

Novo coronavírus descobriram a desigualdade social e os danos ambientais ao planeta, disse o ator argentino Ricardo Darín na sexta-feira, em um diálogo virtual com os colegas Geraldine Chaplin e Luis Tosar na abertura do Festival Internacional de Cinema do Panamá.

“Essa pandemia, esse fechamento, esse isolamento social, que deveria ser mais rigoroso, nos expôs“ como sociedade ”, disse Darín, 63 anos, em um festival realizado quase como resultado de medidas de detenção de 19 anos.

Na sua opinião, “outra grande pandemia que vivenciamos há muito tempo é a de oportunidades e modos de vida desiguais”.

Darín está entre as 200 pessoas que assinaram o texto no início de maio, pedindo a prevenção de uma “catástrofe ambiental”. Além do vencedor do Prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus, o texto foi assinado por Alejandro González Iñárritu, Pedro Almodóvar, Robert de Niro, Jane Fonda, Jeremy Irons, Cate Blanchett, Penélope Cruz e Juliette Binoche.

Para o ator argentino, aqueles que vivem na pobreza, sem acesso a serviços de saúde, serviços básicos e moradia decente, são os mais vulneráveis ​​ao coronavírus.

O motivo, disse Darín, de sua casa em Buenos Aires, também é “um alarme, um alarme que deve ressoar dentro de nós para entender até que ponto estamos fazendo as coisas erradas neste local em que vivemos”.

Ele nos convenceu a parar em “uma situação tão extrema que perceberíamos o quanto estamos exagerando como sociedade de consumo”.

Na sexta-feira, mais de 5 milhões de pessoas em todo o mundo foram infectadas com a covid-19, das quais mais de 330.000 morreram.

Na América Latina, o vírus está progredindo de forma alarmante, especialmente no Brasil, e mais de 20.000 pessoas morreram.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero