Novembro 28, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Rumores revelam que a Apple lançará um iPhone dobrável em 2022 e a Foxconn já o está testando – Equipamentos

Depois de revelar o novo iPhone 12 para o mundo, o que chegou às lojas em 23 de outubro e em 13 de novembro, A Apple pode estar se preparando para lançar seu primeiro smartphone dobrável. Aparentemente, a Foxconn, principal fabricante da gigante de Cupertino, já está testando a produção do equipamento que pode começar a chegar às lojas em setembro de 2022.

Segundo fontes a que teve acesso, o jornal chinês United Daily News avança que os testes visam verificar se a utilização da tecnologia OLED ou Micro-LED na tela do equipamento, uma vez que a escolha terá impacto no processo de produção.

A Apple também pediu à Foxconn para testar as dobradiças do equipamento, certificando-se de que ele pode ser aberto e fechado pelo menos 100.000 vezes. Por enquanto, ainda não há detalhes adicionais sobre o design do iPhone dobrável, embora a publicação informe que a Samsung ficará responsável por disponibilizar o painel para a tela.

.js">

Rumores sobre o lançamento de um iPhone dobrável já circulam há algum tempo. Também em junho, o conhecido “informante” Jon Prosser fez saber que a Apple estava desenvolvendo um protótipo de smartphone dobrável composto por dois painéis unidos por uma dobradiça.

Em março, uma patente registrada pela Apple revelou o design de um dispositivo dobrável, detalhando o conceito de como sua tampa tem a função de garantir que o restante do equipamento funcione conforme o esperado, além de proteger a tela sob o vidro flexível.

De acordo com a patente, o equipamento tem três configurações possíveis: aberto, entreaberto e dobrado. A empresa pode estar considerando o uso de sensores para desligar ou suspender a tela quando o dispositivo for dobrado. A gigante de Cupertino também indicou que o dispositivo teria apenas duas dobradiças e três telas para se dobrar em forma de “S”, “G” e “U”.

Na época, a Apple citou diversos materiais para biombos, destacando o uso de vidro reforçado quimicamente. A empresa explicou que o vidro teria que ser fabricado para suportar o uso, além de ser suficientemente agradável à vista e à experiência do usuário.