Janeiro 21, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Ryanair está pegando fogo em conexão com as demissões

Postado por DPN / Lusa, Notícias · 23-12-2020 01:00:00 0 Comentários

Ryanair está pegando fogo em conexão com as demissões

Depois de o ter feito no Porto, agora no site de Lisboa, a Associação Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SNPVIC) acusou a Ryanair de iniciar um novo processo de despedimento colectivo.

Ryanair Sem quaisquer critérios administrativos, decidiu agora lançar um novo processo de dispensa coletiva, agora no site de Lisboa, que inclui seis membros da equipa que se recusaram veementemente a assinar, apesar das pressões RyanairO alerta do sindicato na época era ilegal ”, disse o SNPVIC em nota.

O sindicato destaca ainda que no dia 1 de dezembro deste ano, a Ryanair retomou as operações, o que afetou 23 pessoas numa evacuação conjunta dos tripulantes de cabina ao sopé do Porto. O relatório afirma que “só há vingança” para os membros do grupo envolvidos no processo e que o grupo “nega totalmente” o argumento de que há “demasiados” sites em Portugal.

Além disso, a exemplo de abril e maio, o sindicato lembra que a aeronave poderia “escolher” as medidas previstas em lei e “mitigar seus custos sem ser dispensada”. .

A decisão recente de Ryaner foi considerada “desrespeitosa” e “falsa” pelo Conselho do SNPVIC e, nas últimas semanas, espera-se que “ambas as empresas estejam” verdadeiramente comprometidas “em encontrar uma solução confiável para as demissões” apesar de ter que violar certas leis “. Diz em uma nota publicada.

O sindicato destaca que a nova dispensa coletiva segue o anúncio público da Ryaner de um aumento dos voos para o Porto em dezembro e janeiro devido ao aumento da demanda neste Natal. A demissão ocorre depois que 75 pessoas foram anunciadas para serem adquiridas Boeing 737 maxIsso “demonstra a possibilidade de crescimento no início do próximo ano”, disse o presidente executivo Michael O’Leary, acrescentando que 50 aeronaves deste modelo devem estar disponíveis até 2021, aponta SNPVAC.

Afirma ainda que, quando a empresa realizar cursos de formação devido ao aumento do número de aeronaves, irá utilizar equipas de outras obras em despedimento para colmatar a carência de trabalhadores nas obras em Portugal. Para os novos integrantes da equipe, as últimas previsões já apontam para uma recuperação efetiva em 2021, bastante afetada pelo surgimento da vacina, que ocasionou um forte aumento da demanda e das reservas.

O conselho do SNPVIC questionou como Ryaner poderia “concordar com outras classes profissionais” na empresa, perguntando “o que mais a tripulação de cabine deveria abandonar?” Os seus direitos estão consagrados na legislação portuguesa? ”Lê o relatório. Além disso, o SNPVIC alega que a companhia aérea irlandesa de baixo custo “continua a nos atormentar com alegações de desrespeito ao país e às suas leis”.

Em resposta escrita à Lusa no dia 5 de dezembro, Ryanair O SNPVIC lamentou não ter alcançado um acordo de consenso com a companhia aérea, lembrando que, por esse motivo, deve caminhar para uma dispensa coletiva.

“No dia 13 de novembro, após intensas negociações, Ryanair Em resposta, a companhia aérea assinou um acordo com a SNPVAC afirmando que “lamentavelmente, o acordo assinado não foi aceito pelos membros do sindicato” e “como resultado” eles “têm que lidar com o excesso de tripulação de cabine atual” e “avançar com uma dispensa coletiva”. No entanto, SNPVC está esperando para nomear o público solicitado Ministro das Infraestruturas, Nuno Santos, Point Pedro, Condenando o que classifica como “verdadeiro ataque a uma classe” e “total agregação de instituições regionais e nacionais neste país, que lhe permite dar incentivos e subsídios a uma empresa que continua a espezinhar a lei, prejudicando assim as instituições nacionais nos termos da lei”.