“Sinto que vou morrer aqui”: ela deu à luz Covid em coma e não resistiu – 25.05.2020.

Grávida com 29 semanas, Dayane Galvão, 25 anos, não teve chance de conhecer sua filha Ágata após o parto. Infectada com o novo coronavírus, ela ficou internada por 24 dias e nasceu em coma. Ela acordou e conseguiu ler uma carta do marido Antonio Carlos Filho (27), na qual diz estar bem com a menina. A condição de Dayane piorou e ela morreu em 12 de maio.

Nesta declaração, Antonio diz que lidou com a perda de sua esposa, visitas à filha no hospital e a expectativa de que ele a levaria para casa em breve:

“Dayane e eu nos conhecemos desde que éramos crianças, éramos amigas. Ela foi morar no Rio de Janeiro duas vezes e, na segunda vez em que voltou ao Fundão, no Espírito Santo, em 2018, nos reunimos novamente, começamos a sair e nos casamos,

Eu disse a ela que era meu sonho ser pai. Minha esposa já teve dois filhos de outro relacionamento, um menino de 11 anos e uma menina de 6 anos, que moravam conosco na casa de meu pai. Ela concordou em criar uma família e, em pouco tempo, engravidou de Agatha.

Foi uma alegria quando ela me disse: ‘Estou grávida, você vai ser pai’.

Dayane e seu marido Antonio

Imagem: Arquivo pessoal

Ela fez o trabalho pré-natal adequadamente, não teve problemas durante a gravidez. Eu a segui em um ultra-som quando estava livre do trabalho. Fiquei emocionado quando ouvi o coração de Agatha pela primeira vez.

Dayane estava com medo de pegar o vírus por causa da criança

Dayane estava no meio da gestação quando começaram a aparecer os primeiros casos de Covid-19. Ela tomou todas as precauções, evitou sair de casa e saiu apenas se necessário, usando uma máscara e luva, indo às reuniões, fazendo um ultrassom e comprando um lençol. Quando cheguei, tomei banho e vesti minha calcinha. Ela comentou que ficou horrorizada com o vírus por causa da criança.

Em meados de abril, tive alguns sintomas: febre, dor de cabeça e um pouco de tosse. Dois dias depois, Dayane desenvolveu os mesmos sintomas, mas teve febre muito alta. Coloquei minha mão e parecia que estava queimando.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Nós dois fomos para a sala de emergência. O médico disse que podemos ter o vírus, que existem pessoas suficientes na região com essa condição. Estávamos tomando remédio e eu estava me sentindo melhor, mas quando chegamos em casa, piorou. Além da febre, ela começou a tossir muito e se sentiu cansada. Ela passava a maior parte do tempo deitada.

Em 19 de abril, eu a levei para outro hospital. Ela foi examinada e os médicos suspeitaram que ela tivesse coronavírus. Eles passaram no exame, mas o resultado será importante em dez dias. No mesmo dia, foi encaminhada para outro hospital, em Serra, e foi submetida a mais dois exames coronários: um teste rápido e outro que também levaria tempo para sair.

Ela ficou sob vigilância por vários dias. Como também sou suspeito de ter o vírus, fui informado de que não posso ficar com um companheiro. Fomos hospitalizados com ela e eu em casa, nos comunicamos por videoconferência. Conversamos, brincamos, perguntei como trabalhar com a criança e ela disse que era bom, que ela se mexia muito.

“Eu sinto que vou morrer aqui.”

Depois de dois dias, minha esposa teve um caso inicial de pneumonia e o resultado do teste rápido foi negativo. Quando ela colocou na cabeça, ela queria ir para casa. Ela me ligou e disse: ‘Não tenho coronavírus, o que vou fazer aqui? Em casa eu trato pneumonia. Eu quero ir embora, sinto que vou morrer aqui ‘. Ela chorou por medo de perder o filho.

Naquele dia, quando eu estava no estacionamento do hospital, fui buscar seus registros médicos. Ela deixou o hospital sem receber alta. Eu tentei convencê-la a voltar, eu disse que ela estava grávida, que ela tinha que pensar em Ágatha.

Ela estava com muito medo, parecia adivinhar que ia morrer.

Eu estava de moto, mas peguei um carro de um conhecido que nos pegou. Ao longo do caminho, Dayane começou a sentir enjoos, tosse e falta de ar. Voltamos ao primeiro hospital com o qual o médico conversou sobre o vírus. A equipe já estava ciente de seu caso e a instruiu a retornar ao hospital onde ela foi internada. Ela concordou, recebeu oxigênio e Sam foi buscá-la.

Ela entrou na enfermaria, se despediu de mim e disse: ‘Ame, vá para casa e descanse’. A última vez que vi uma mulher viva.

Aconteceu em 22 de abril, Dayane estava grávida de 29 semanas.

Dois dias depois, os médicos me ligaram para dizer que seu caso era muito grave, que seus pulmões estavam fracos e que ela teria uma cesariana de emergência. Segundo eles, havia o perigo de que os dois não sobrevivessem. Entrei em desespero, não queria perdê-los.

Eles nasceram em coma induzido

Os médicos colocaram Dayane em coma induzido e deram à luz uma criança. Ágatha nasceu em 24 de abril e pesava 1,2 kg. Como era prematura, foi à enfermaria neonatal e precisava da ajuda de um aparelho de respiração. Após o nascimento, Dayane se recuperou, tirou-a do coma e contou-lhe sobre a cesariana.

Enviei-lhe uma carta dizendo que nossa filha está bem, para que não se preocupe, seja forte e se recupere. Junto com a carta, também enviei uma foto conosco, com seus dois filhos. Ela chorou muito.

Alguns dias após o nascimento, os resultados do segundo teste foram mostrados e foi confirmado que ele tinha coronavírus. Ela estava bem, mas sua respiração piorou e ela estava cansada novamente. Não consegui fazer o teste, mas fiz quarentena em casa e, quando acabou, fui ver Agatha.

Fiquei emocionado ao ver minha filha, ela tem olhos de mãe. Senti uma mistura de felicidade e tristeza por causa de tudo o que estava acontecendo.

Eu não podia fazer nada além de orar, ter fé, confiar em Deus e na equipe.

Acreditei até o fim que Dayane seria curada, mas em 12 de maio ela não resistiu. Eu estava na UTI visitando minha filha quando ela morreu, mas só descobri quando fui buscar o boletim.

A médica me ligou e quando ela começou a frase ‘tentamos de tudo …’, comecei a tremer. Meus olhos se encheram de lágrimas e pensei: ‘Minha esposa morreu’.

Meu mundo entrou em colapso, mas Agatha me dá força

Quando ela terminou seu discurso, meu mundo desabou. Infelizmente, Dayane não teve a oportunidade de ver sua filha pessoalmente, seja com uma foto ou um vídeo. Seu funeral não estava acordado e ela estava com o caixão fechado. Eu, alguns amigos e família, rezei e disse adeus. Eu só estava chorando.

Eles fizeram um teste de coronavírus em Agatha e, graças a Deus, ela não estava infectada. Sua condição é estável, ela respira sozinha e no processo de ganhar peso.

Durante a visita, digo a ela que sua mãe a amava muito. Eu digo que ela foi morar com um pai celestial, que cuidará dela e de mim aqui na Terra. Farei qualquer coisa por minha filha, nunca a deixarei.

Registrei minha filha como Ágatha Letícia Vitória Galvão Bruno, porque seu nascimento representa uma vitória, dadas as circunstâncias em que ela nasceu. Isso me dá força, alegria e motivação para a vida. Se não fosse por ela, nem sei como seria. É muito difícil lidar com tudo isso. Meu sonho é poder trazê-la para casa e começar a construir a casa em que Dayane e eu planejávamos morar.

Inicialmente, voltarei à casa de meu pai e minhas duas esposas ficarão com o pai. Recebi apoio de familiares e amigos que fazem isso gatinho online para arrecadar dinheiro para as despesas da minha filha. Como preciso trabalhar, minha sogra me ajudará a cuidar dela.

Sinto muita falta de Dayane. Estou apaixonado por minha esposa, que mudou minha vida e me fez apenas bem. Sempre preservarei sua memória de Agatha, para dizer que sua mãe era uma pessoa diligente, carinhosa, alegre e carinhosa. Dayane cumpriu meu sonho de ser pai, respeitarei esse compromisso com minha filha. “

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero