SpaceX é um exemplo de GovTech que trouxe inovação às relações público-privadas

A equipe do Dragão se aproxima da Estação Espacial Internacional nesta foto em 31 de maio (NASA)

A humanidade sempre teve um fascínio absoluto pelo universo. Desde o início, sempre foi buscada a pesquisa e a experiência de todos os seus mistérios. E na semana passada, um novo capítulo dessa história foi escrito: a empresa SpaceX, que ela fundou Elon Musk, realizado o primeiro voo comercial para a Estação Espacial Internacional (ou ISS, da “Estação Espacial Internacional” inglesa).

O feito inicia uma nova era para a relação dos seres humanos com o espaço. Isso acontece por pelo menos dois motivos principais. Ele marca o retorno dos EUA a um papel de liderança na exploração espacial, já que o país não envia astronautas em missões diretamente daquele país desde 2011. E está começando principalmente um período de atividade comercial no espaço, pois o projeto é o resultado de uma parceria público-privada entre a SpaceX e a NASA (Agência Espacial Norte-Americana).

Mas chamo a atenção para outro aspecto desse evento histórico. A experiência da SpaceX, seu foguete Falcon 9 e a cápsula Crew Dragon são um exemplo de como um relacionamento público-privado pode ser uma maneira muito rica de criar soluções tecnológicas e inovadoras. Mais importante, esse acordo pode ser estendido a outros desafios do setor público – sejam mísseis espaciais ou criação de mísseis aplicativo que permite que os pais monitorem as refeições escolares de seus filhos.

O Falcon 9 da SpaceX chega ao Kennedy Space Center da NASA (SpaceX / Nasa)

A experiência da NASA com a SpaceX

Embora os Estados Unidos compartilhem por muitos anos um cenário de exploração espacial com a Rússia – que não se lembra da “corrida espacial” durante a Guerra Fria e o primeiro grande passo em solo lunar – nos últimos anos, o país encolheu amplamente no desenvolvimento de tecnologias que levarão os seres humanos ao espaço. Por exemplo, o envio de astronautas americanos à ISS aconteceu apenas graças a uma parceria com a Rússia, que era extremamente cara porque cada passagem a viagem de volta não custou menos de US $ 85 milhões.

Essa conspiração começou a se transformar em 2010, quando a NASA lançou “Programa de Tripulação Comercial “Diferentemente de seu desempenho anterior, quando a NASA era responsável pelo desenvolvimento de todas as tecnologias de transporte de passageiros – desde requisitos técnicos mínimos até o design completo de equipamentos – o programa Commercial Crew definiu uma espécie de “desafio” para o mercado: a agência dos EUA supervisionaria a construção de um mecanismo de transporte de uma maneira segura, confiável e econômica, poderia transportar humanos para a sub-órbita da Terra, incluindo a ISS. E as empresas concorrentes poderiam conceber as tecnologias que considerarem mais apropriadas – desde que atendam aos requisitos definidos pela NASA. Além disso, todo o conhecimento criado durante o processo seria compartilhado entre as empresas envolvidas e os órgãos governamentais.

O programa tinha um orçamento de mais de US $ 8 bilhões, dividido entre as várias empresas que participaram da “competição”. Entre eles estão o Boeing mais promissor – sim, aquele que produz a maioria das aeronaves no setor de transporte aéreo – e a SpaceX, empresa do mesmo fundador dos carros elétricos da Tesla, controvérsia Elon Musk.

A experiência pode ser descrita como extraordinária em termos de várias perspectivas, mas mantenho uma: aqui mostra de maneira concreta quanto pode ser alcançado em termos de inovação tecnologia baseada na ação conjunta do setor público-privado.

De muitas maneiras, o SpaceX é muito GovTech [veja abaixo]: a empresa desenvolveu uma solução inovadora baseada em tecnologia para enfrentar o complexo desafio que o setor público enfrenta.

A GovTechs contribui para a modernização, automação e direção de recursos para funções estratégicas e as mais complexas. As soluções técnicas são fundamentais para a transformação digital do setor público, garantindo que qualquer interação com o governo possa ocorrer de forma rápida, segura e eficiente, através dos canais mais convenientes para quem os utiliza.

A experiência mostra que, ao unir esses dois universos, público e privado, é possível desenvolver soluções do século XXI que ajudarão a enfrentar os diversos desafios que ainda existem no Brasil e no mundo.

O que é preciso para o infinito (ainda!)

A idéia dos setores público e privado (incluindo universidades, centros de pesquisa e sociedade civil aqui) trabalhando juntos para enfrentar os desafios do interesse público não é inovadora. De fato, existem vários exemplos de como isso se desenvolveu, no Brasil ou em outros países.

Vale do Silício, o berço de alguns iniciantes bem-sucedido, grande parte de seu desenvolvimento deve-se à proximidade da Universidade de Stanford. A Fundação Bill e Melinda Gates, fundadoras da Microsoft, também tiveram um papel fundamental no desenvolvimento de tecnologias que podem ser aplicadas ao saneamento básico, um problema sério e global – como eu disse aqui.

A Embraer, empresa brasileira de desenvolvimento de aeronaves, colabora com o Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA) e também faz parte de um rico ecossistema de startups do chamado Vale do Parahyba, na região de São José dos Campos (SP). Há também experiências lideradas por governos locais, como Pitch Sampa Isto é Pitch Gov.SP, concursos criados pela cidade e pelo estado de São Paulo, que visam engajar soluções inovadoras desenvolvidas por startups. Por exemplo, Pitch Gov.SP, o Pouco, Chatbot da Poupatempo para atendimento ao cidadão.

E há experiências de BrazilLAB, o primeiro centro de inovação da GovTech no Brasil. Todos os anos, lançamos um programa de aceleração na forma de desafios para encontrar soluções em mercados iniciantes que possam apoiar a governança pública.

Hoje, já temos 25% do portfólio que é vendido ativamente para o setor público, e as principais startups são – como Colab, Cuco Health, Gesuas e Fábrica de Negócios.

A PGS Medical, uma solução em saúde para pacientes com doenças crônicas, faz parte da nossa rede e também é pioneira: é o primeiro lançamento público-privado de tecnologia no Brasil – uma parceria entre a Prefeitura de Penedo (Alagoas) e uma empresa privada de saúde.

Inicie o Falcon 9 nos últimos 30. Inovação é um projeto construído em várias mãos (Bill Ingalls / NASA)

Há muitas evidências positivas dessa relação entre diferentes atores em favor da inovação no setor público. No Brasil, esse movimento será fortalecido e uma combinação de pelo menos três elementos será garantida.

Primeiro, a legislação de compras públicas que leva em conta as características únicas da inovação: tempo, recursos, adaptabilidade, construção colaborativa, experimentação e aprendizado. Todos esses fatores são difíceis de alcançar com a legislação vigente, a chamada Lei 8.666 / 93. Mesmo com as alterações feitas pela Lei 10.973 / 2004, conhecida como Lei de Inovação, que inclui a modalidade tecnológica de compras, a estrutura de compras públicas não incentiva a inovação – quando totalmente não põe em perigo.

A chave é desenvolver o ecossistema GovTech. Embora tenha um potencial excepcional, há poucos empresários e fundos de investimento dispostos a criar soluções para o setor público. Existe uma opinião comum de que este é um mercado com poucas oportunidades e baixos rendimentos, mas exatamente o oposto: de acordo com dados de Públicoo setor poderá deslocar US $ 400 bilhões até 2025. Existem muitas oportunidades para as empresas GovTech prosperarem economicamente e garantirem soluções que tenham o objetivo e o potencial de criar impactos positivos.

Finalmente, as capacidades do setor público precisam ser fortalecidas, sejam elas técnicas, liderança e gestão. Finalmente, a missão da SpaceX foi bem-sucedida não apenas porque envolveu o trabalho de uma empresa privada, mas também porque foi construída em colaboração com a NASA, uma agência de referência do governo, com profissionais totalmente treinados e comprometidos com a implementação da estratégia de desenvolvimento espacial a longo prazo do país. .

É possível se beneficiar do desempenho conjunto de diferentes atores – sua inteligência, perspectiva e recursos – desde que as condições sejam garantidas. A inovação do setor público é um projeto de longo prazo que está sendo construído com muitas mãos. E essa colaboração é essencial para criar tecnologia que nos leve ao espaço ou que nos ajude a resolver os problemas históricos que existem lá na terra.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero