Tensões entre China e EUA aumentam após extradição do CEO da Huawei – 28.05.2020

Um juiz canadense decidiu na quarta-feira que os procedimentos de extradição devem continuar nos Estados Unidos para a gerência sênior do grupo de tecnologia Huawei da China, que está no centro de uma grave crise diplomática entre Pequim e Ottawa.

Meng Wanzhou, diretor financeiro da empresa de numeração 5G do mundo, foi acusado de fraude bancária pelos Estados Unidos, que está exigindo sua extradição.

A CEO chinesa de 48 anos, filha do fundador da Huawei, foi presa durante uma parada em Vancouver em 1 de dezembro de 2018 e libertada sob rigorosas condições de prisão em seu castelo local.

A juíza da Suprema Corte de Vancouver, Heather Holmes, deveria decidir sobre a questão do duplo crime: para extraditá-lo, Meng deve ser processado nos Estados Unidos por um crime que também é punível no Canadá.

Os promotores acusam-na de cometer fraude por mentir a um banco dos EUA, um crime no Canadá e nos Estados Unidos. Ela também é acusada de roubar segredos comerciais de empresas americanas.

Mas os defensores estão buscando sua libertação, dizendo que o caso envolve uma violação das sanções dos EUA contra o Irã, que o Canadá não impôs no momento dos supostos crimes.

“A necessidade de uma dupla ofensa com vista à extradição pode ser atendida neste caso”, escreveu o juiz em sua sentença de 23 páginas. O pedido de Meng foi, portanto, rejeitado. “

Essa decisão é uma reação à gigante de telecomunicações chinesa Meng Wanzhou, que foi presa no final de 2018 em Vancouver a pedido dos Estados Unidos, que a acusaram de fraude bancária.

Desde então, o executivo chinês de 48 anos está em liberdade condicional em uma de suas residências de luxo em Vancouver, enquanto Pequim exige ferozmente sua libertação há um ano e meio.

A China reagiu à decisão através de sua embaixada em Ottawa: “Todo esse caso é um incidente político completamente sério”.

A Legação culpou os Estados Unidos pela tentativa de “derrubar a Huawei” e o Canadá como “cúmplices”.

– Fotografia de família – Antes, em uma atitude um tanto arrogante, uma empresária chinesa usando seu pingente eletrônico posava ao lado de sua família e amigos nos degraus de uma quadra de Vancouver.

Pequim deixou claro que sua libertação é uma condição prévia para melhorar as relações com Ottawa e para a libertação de dois canadenses detidos por suspeita de espionagem.

Michael Kvrig, ex-diplomata em Pequim, e o conselheiro e empresário Michael Spavor foram presos na China nove dias após a prisão de Mengs no Canadá.

Ottawa chama essas prisões de “arbitrárias”.

Enquanto o número dois da Huawei vive condicionalmente em uma de suas duas residências de luxo em Vancouver, dois canadenses estão presos há mais de 500 dias e só têm direito ao acesso consular aos pedais.

A China também bloqueou bilhões de dólares nas exportações agrícolas canadenses.

Washington acusa Meng de mentir ao HSBC Bank sobre a conexão entre a Huawei e a Skycom, uma subsidiária que vendia equipamentos de telecomunicações para o Irã, expondo o banco a possíveis violações das sanções dos EUA a Teerã por seu programa nuclear.

A promotoria se referiu a uma apresentação de 2013 em Hong Kong, na qual Meng disse aos executivos do HSBC que a Huawei não era mais a proprietária da Skycom e havia deixado o conselho.

Isso seria uma afirmação falsa, já que a Huawei continuou a controlar as operações da Skycom no Irã e manteve o controle sobre seus cofres.

A defesa de Meng afirma que as sanções dos EUA contra o Irã são “a base das acusações neste caso”.

Na terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China pediu ao Canadá “que corrija seus erros e solte Meng imediatamente, além de garantir que ela retorne à China com segurança”.

O primeiro-ministro Justin Trudeau insistiu em permitir que os tribunais decidissem o destino de Meng e argumentou que a China “não entende” que o sistema judicial canadense é independente e vinculou novamente a detenção dos dois canadenses à prisão do executivo.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero