Toffoli força Lava Jato a compartilhar todos os dados com o PGR – 07/09/2020 – Strength

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, constatou que os promotores de Lav Jato estavam enviando ao PGR todos os dados investigativos já coletados pela operação.

O pedido se aplica a mão de obra em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo para a operação. Representa uma derrota importante para os demandantes que fazem parte deles.

Na quarta-feira (8), a pedido do PGR, que informou ao Supremo Tribunal que havia encontrado “resistência ao compartilhamento e controle de informações” pelos promotores estaduais, o ministro emitiu uma proibição preliminar (temporária).

A Promotoria também informou ao STF que há suspeita de que Lava Jato esteja contornando a lei para investigar o prefeito Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), que têm um fórum privilegiado. e deve ter qualquer dúvida submetida à análise original do tribunal.

O processo é confidencial e, por se tratar de Lava Jat, o relator do caso é o ministro Edson Fachin.

Esperado nesta quinta-feira (9) de Folha, a decisão foi tomada por Toffoli porque, como presidente, ele é responsável perante o tribunal durante um dever judicial que é adiado.

Em geral, as decisões monocráticas dos ministros são submetidas à sessão plenária do Supremo. Este caso pode provocar uma discussão no STF sobre as limitações dos poderes dos grupos de trabalho para o MEF.

A disputa entre a cúpula da Procuradoria Estadual e o grupo de trabalho de primeira instância tornou-se pública após uma visita a Curitiba no final de junho pela subsidiária de Lindor Araújo, coordenadora de Leo Jato na PGR e um dos assessores-chefe da instituição, Augusto Aras.

Os promotores acusaram-na de tentar manobrar para obter acesso a bancos secretos informalmente e sem mostrar documentos ou justificar tal ação. A queixa foi enviada ao Departamento de Assuntos Internos do MoEF.

O PGR, por sua vez, submeteu uma ação ao STF, na qual informa que enviou uma carta aos grupos de trabalho do MPF em três capitais “com o objetivo de obter bancos de dados estruturados e não estruturados usados ​​por” pesquisadores. No entanto, os promotores se recusaram a conceder o pedido.

A Procuradoria do Estado argumenta que as informações serviriam para subsidiar o trabalho de Augusto Aras, o que inclui garantir o respeito efetivo pelos órgãos estaduais e coordenar as atividades do MEF, decidindo finalmente em que área determinadas investigações se enquadram.

A peça é assinada pelo vice-promotor-chefe, Humberto Jacques.

Ao tomar uma decisão favorável, Toffoli enfatizou que a posição de Lava Jato viola o princípio de unidade no Ministério Público, além de comprometer a jurisdição do Supremo Tribunal para supervisionar as investigações das autoridades competentes.

Segundo o PGR, existem “elementos de informação em trânsito para Lava Jat” relativos aos presidentes da Câmara e do Senado “, cujos nomes foram artificialmente reduzidos nas tabelas anexas ao recurso interposto no 13º Tribunal Penal Federal de Curitiba”.

Portanto, diz Toffoli, é necessário impedir essa investigação “no nascimento”.

“De fato, o que queremos garantir, além de preservar a jurisdição constitucional do tribunal, é o curso da investigação sob a supervisão do órgão judicial competente, a fim de garantir sua saúde”, diz ele.

O presidente da Suprema Corte salienta que existe uma óbvia necessidade de “troca institucional direta de informações, a fim de dar ao advogado do estado a oportunidade de examinar em detalhes o banco de dados sobre dados estruturados e não estruturados coletados nas investigações”.

Jacques diz que Lava Jato forneceu “resistência ao compartilhamento, intercâmbio e supervisão de informações armazenadas em bancos de dados de distribuição e estanques, invisíveis ao Ministério Público”.

Toffoli argumenta que o Ministério Público do Estado “forma um todo inseparável, e sua divisão em órgãos e subordinação administrativa a diferentes coordenadores é justificada apenas pela necessidade de uma organização administrativa e funcional que garanta a defesa da instituição de interesses diferentes e coletivos no território nacional”.

O ministro ressalta que o PGR é responsável por solicitar informações.

“No entanto, sua única direção pertence ao procurador-geral, que tem autoridade administrativa hierárquica para exigir a troca institucional de informações, desempenha de maneira adequada e fiel seus últimos deveres, como garantir a jurisdição constitucional do Supremo Tribunal Federal. Federal, como inspetor da polícia. e a Constituição ”, diz ele.

Toffoli diz que a jurisprudência atual da Suprema Corte prevê esse tipo de compartilhamento de dados dentro do mesmo órgão.

Ele escreveu que o “princípio constitucional da unidade do Ministério Público”, consagrado no artigo 127 da Constituição, “recentemente confirmado em plenário no julgamento da ação relatora do ministro Alexander de Moraes”, assegura “a troca de informações dentro da mesma instituição ministerial (MPF)” procurador-geral, chefe da instituição ”.

Em resposta à carta do PGR, o grupo de trabalho de Curitiba, onde nasceu a operação, afirmou que o pedido, sem distinguir entre bancos de dados protegidos ou não por segredos judiciais e questões logísticas, impedia uma resposta ao pedido.

Os promotores do Rio de Janeiro, por sua vez, disseram que, para responder à carta, era necessário “submeter pedidos especiais à Justiça, para que a troca de informações dos processos nos quais pretende ser arquivada invocasse a lei e a jurisprudência. Acesso”.

São Paulo, por outro lado, limitou-se a dizer que seria “impossível atender à solicitação” devido ao “conhecimento suficiente” de Aras.

Toffoli, no entanto, confirmou que as respostas, embora “inconsistentes”, mostram desrespeito ao princípio constitucional da unidade de acusação.

“Eu já expressei o entendimento de que o Ministério Público – apesar de irradiar seus poderes para diferentes órgãos – é uma instituição nacional única com uma essência indivisível e, como tal, tem um órgão central que é o Procurador Geral da República”, afirma Toffoli.

O presidente do Supremo Tribunal Federal é um dos principais críticos do método Lava Jato em juízo, sendo responsável por decisões contrárias aos interesses dos grupos de trabalho em primeira instância.

O grupo de trabalho do Rio disse que “tomará medidas para cumprir plenamente a decisão monocrática” […], apesar de entender a decisão inevitável e buscar sua revisão. ”O grupo de São Paulo também afirmou que tomaria as medidas necessárias para cumprir o pedido.

A equipe do Paran disse lamentar que a decisão estabelecesse uma orientação “nova e até então desconhecida” e que a ordem fosse baseada em uma “suposição falsa, já que não há investigação por agentes públicos com jurisdição privilegiada”.

Na última segunda-feira (6), o coordenador da equipe de Curitiba Deltan Dallagnol criticou a abordagem não seletiva de informações confidenciais, como defendido por Aras. “O chefe da Receita Federal não tem o direito de ver o imposto de renda de um determinado contribuinte, e um banqueiro não tem permissão para acessar os detalhes das despesas do titular da conta, sem justificativa”, disse ele.

Além da decisão de Toffoli, Lava Jato sofreu outro fracasso na Copa do Mundo na quinta-feira que poderia ter esvaziado o trabalho do grupo.

O consultor do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), Marcelo de Souza, descobriu que o MPF em São Paulo estava mudando a forma de distribuição de casos para impedir que casos relacionados à Lava Jato de outros países se juntassem automaticamente ao grupo dedicado à operação.

Souza respondeu a um pedido do promotor Thiago Andrade, que processou o MP, argumentando que “apenas mencionar Leo Jato” pode não ser suficiente para determinar quem é responsável por cada investigação, e é necessário observar se existe uma conexão real entre os fatos.

O consultor do CNMP deixa claro que a decisão se aplica apenas a processos futuros e não afetará as investigações em andamento.

“Em uma segunda tentativa, em meados de 2018, pelo menos pelo que pode ser deduzido da imposição de fatos apresentados pelo requerente, esse sistema ‘tradicional’ foi substituído por uma distribuição direta de crimes civis e criminais originários do Lava Jato original, com sede em Curitiba”. diz Souza.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero