“Um artista de jogos deve ser multidisciplinar”, diz o orador Path – 02/02/2019

Quem vê o jogo sendo exibido na tela não imagina todo o trabalho por trás de todos os gráficos detalhados. Os designers, artistas e desenvolvedores de jogos têm dificuldade em saber o que precisa ser produzido para satisfazer os jogadores enquanto é competitivo no mercado.

Palestra intitulada “Fantástico mundo da arte nos jogos“fez parte do Path Festival, o maior evento de inovação e criatividade do país, que acontece neste final de semana em São Paulo. O evento deste ano é apresentado pelo TAB.

Arte funcional

O artista de jogos Lucas Silva, da Mad Mimic Studios, que mediou à mesa com Thiago Girella e Lígia Muraro, que trabalham na mesma profissão, lembrou a importância da satisfação do jogador para quem quer começar neste mercado.

“No começo, pensei que o artista nos jogos apenas fazia os jogos parecerem maravilhosos. Aprendi muito a tempo. O artista precisa se colocar no lugar do jogador e perceber que precisa saber se o inimigo é mais ou menos perigoso, por exemplo, é todo o nosso trabalho. “, ele explica.

Lígia Muraro, coordenadora de artes dos jogos, acredita que um artista que trabalha com jogos eletrônicos é especial porque precisa pensar de maneira multidisciplinar. “Ele sabe que um trabalho focado na interação precisa ser entregue, que um designer de jogos poderá executá-lo”, explica ele.

Em sua equipe nos Jogos Tapps, Muraro possui profissionais que variam de animação a publicidade. E ele diz que entender essa necessidade de se adaptar a algo funcional é muito importante.

“Distortions” (PC), das fileiras dos Giants, foi lançado em 2018 via Steam

Imagem: Detecção

Referências externas

“Há algo em jogos chamado design de produção ou o uso de roupas de paisagens e personagens para explicar uma história sem recorrer à poda”, explicou Thiago Girello, criador do Among Giants, um estudo focado em títulos de direitos autorais incondicionais para o público adulto. .

Girello lembrou a importância de não criar mais o mesmo, o que é uma prática comum em muitos jogos. Ele acredita que a solução poderia ser buscar referências fora do mundo dos jogos, como nos filmes.

Sam estudou cinematografia e foi justamente por causa do charme na casa de um amigo com o jogo “Shadow of the Colossus” do estúdio da Team Ico, lançado em 2005 para o PlayStation 2, que ele decidiu que seu caminho seria em jogos. Thiago e seu amigo tiveram a idéia de criar o jogo, o resultado veio apenas 10 anos depois: “Distorções”, publicado em 2018 no Steam.

Ele afirma que é o seu trabalho mais expressivo no espaço, mas não floresce de onde vem o dinheiro. “O mercado de jogos é difícil, não tem muitas oportunidades e não dá muito dinheiro. O jogo em que trabalho há 10 anos não é do que ganho dinheiro. Gosto mais prestando serviços aos produtores de jogos. Trabalho é trabalho, não pode ser radical”, disse ele. seguindo excelentes idéias e mercados criativos que dão retorno financeiro aos jogos.

Sombra do colosso

Shadow of the Colossus foi lançado em 2005 para PS2 e ganhou um remake de 2018 do PS4

Imagem: Detecção

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero