52% dos brasileiros contra a presença militar no governo, aponta Datafolha – 31.05.2020. – Poder

Em um momento de rumores de um papel militar na política, a forte presença de uniformes no governo do líder militar aposentado Jair Bolsonaro (nenhum partido) compartilha opiniões no Brasil, com uma ligeira predominância daqueles que condenam a prática.

Segundo uma pesquisa da Datafolk, 52% dos brasileiros se opõem a uma presença uniformizada no poder político, enquanto 43% aprovam e 5% não sabem como responder.

O estudo foi realizado na segunda-feira (25) e terça-feira (26), ouvindo 2.069 adultos com telefones celulares – ele não evitou pessoalmente o risco de infecção pelo novo coronavírus. O erro é de dois pontos percentuais.

Hoje, oito dos 22 ministros de governo são forças de pós-graduação, e dois deles (general Luiz Eduardo Ramos, secretário de governo e almirante Bento Albuquerque de Minas e Energia) ainda fazem parte do serviço ativo.

O nono oficial, o general ativo Eduardo Pazuello, ocupa temporariamente o Ministério da Saúde, o Centro de Anti-Coordenação Covid-19. Lá, após as partidas traumáticas de Luiz Henrique Mandett e Nelson Teich, ele promoveu a militarização de posições vitais, nomeando 17 uniformes.

Por fim, o vice-presidente é um general de quatro estrelas em reserva, Hamilton Mourão. Aproximadamente 2.500 militares se expandiram ao longo da Esplanada, ocupando vários cargos, dos quais pelo menos 1.200 estavam no serviço ativo.

A militarização, um fenômeno sem precedentes no escopo, mas originário do governo de Michel Temer (MDB, 2016-18), satisfaz os mais ricos e os mais instruídos: 62% daqueles que ganham mais de 10 salários mínimos aprovam o movimento, bem como 50% daqueles com altos salários. educação – neste caso 47% contra ocupação.

A presença não gosta mais das mulheres (57% de rejeição) do que dos homens (51% de aprovação). Como seria de esperar e amplamente aprovado (76%) por aqueles que consideram o governo excelente ou bom, e igualmente rejeitado (78%) por aqueles que consideram ruim ou horrível.

O debate sobre a militarização bolonista dividiu as Forças Armadas desde o início do governo. Numa entrevista com Folha logo após a eleição de Bolsonar, o então comandante do exército Eduardo Villas Bôas tentou separar o exército do então futuro governo.

Um caso perdido, como mostra a recente conexão do uniforme com o antigo centro demonizado de administração e contra o imperialismo.

Além de suas origens uniformizadas, além de uma distorção ao deixar o exército depois de passar por processos disciplinares por supostos ataques de conspiração em 1988, Bolsonaro se cercou de generais de reserva na campanha.

A estrela era Augusto Heleno, seu colega e Mourão no corpo de paraquedas da Força. Hoje, com menos força do que ele já possuía, o militar permanece à frente do Escritório de Segurança Institucional.

Com o governo em andamento, uma ala militar foi formada, sob constante crítica de Helen, hoje chefe do Gabinete de Segurança Institucional. Na realidade, existem várias alas, e a configuração atual passa pelos eixos de Fernando Azevedo (defesa) – Walter Braga Netto (Casa Civil) – Ram (Secretaria do Governo).

Os três generais já haviam servido juntos no Comando Militar do Leste, no Rio, com Azevedo no comando, e hoje ele serviu como uma afluência de grupo e contato com serviço ativo por causa de sua posição.

Ramos, no entanto, se destaca por seu relacionamento pessoal com Bolsonar, com quem dividia uma sala como cadete, e o presidente especulou como um nome para o comando das forças armadas, pois o relacionamento com o atual chefe, Edson Pujol, não é exatamente o mais estimado.

Azevedo, por outro lado, está se equilibrando em uma corda depois de ver um chefe enfraquecido buscar mais apoio entre seu apoio militar.

Ele foi forçado a publicar notas reforçando o compromisso das forças com a Constituição depois de Bolsonaro participar dos atos de golpe, mas também apoiou Helena em sua nota apontando riscos para a estabilidade nas decisões da Suprema Corte.

No entanto, o serviço ativo é uma história diferente. Nem todos os membros do Alto Comando do Exército se sentem confortáveis ​​em socializar com o governo tão controverso quanto Bolsonaro, e o medo expresso por Villas Bôas em 2018 de que a militarização da política se transformará na politização do quartel.

Até agora, os sinais disso são vistos muito nas mídias sociais e a popularidade das mensagens bolsonaristas entre os escalões médio e inferior do poder. No entanto, o apelo que o discurso tem com os primeiros ministros em todo o país é ainda mais notório, o que também é visível na greve da corporação no Ceará neste ano.

Azevedo obteve várias vitórias corporativas de plantão, enquanto Bolsonaro está cada vez mais tentando se conectar com uniformes durante a crise política incorporada no surgimento do Covid-19.

O plano de reestruturação militar e reforma previdenciária foi aprovado no ano passado, após duas décadas de atraso, com vários benefícios auxiliares.

A Marinha, a força mais distante do núcleo do poder, ganhou US $ 7,6 bilhões para construir novos navios, em uma operação criticada na área econômica.

A Força Aérea, ainda mais distante do bolonismo, manteve seu cronograma de programas estratégicos, como o caça Gripen ou o avião de carga C-390 Millennium.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero