A liderança de Caiapó Paulinho Paiakan, vítima de Covid-19, morreu em 17 de junho de 2020. – Cotidiano

Após dez dias de luta contra o Covid-19, o líder de Caiapó Bep’kororoti, Paulinho Paiakan, morreu quarta-feira (17) no Hospital Regional de Redenção, no sul de Paris, uma das vozes mais importantes do movimento indígena durante o período de redecratização, mas caiu em ostracismo depois de se envolver em um caso de estupro aleatório.

Com nomes como Mario Jurun, Tuíra Kayapó, Ailton Krenak, Álvaro Tukano e Raoni Metuktire, Paiakan atuou como um fervoroso defensor da demarcação de terras indígenas e da expulsão de mineiros e lenhadores. Esses líderes desempenharam um papel decisivo no processo da constituição de 1988 que garantiu aos povos indígenas o direito ao território.

Pego por um missionário em Altamir quando adolescente, Paiakan se tornou um dos primeiros caiaques a aprender português e conhecer o mundo dos brancos. Em 1972, o jovem foi contratado pela Funai (Fundação Nacional do Índio) para ajudar a aproximar-se dos indígenas que estavam no caminho da construção da Transamazônica.

“Por que você está viajando aqui? Por que tenho que facilitar o contato com outros índios? Fiquei perguntando, mas ninguém poderia me explicar”, disse Paiakan em entrevista ao livro Caminhos de Liberdade, do escritor espanhol Javier Moro, que relata seu período de treinamento.

Após essa experiência, Paiakan retornou à sua aldeia de Aukre, onde escreveu o primeiro livro publicado por Kayapó, sobre o que viu na Transamazônica. Foi o começo de seu papel como mediador entre o mundo branco e o indígena.

Como líder, uma de suas ações mais importantes foi a expulsão de 5.000 mendigos que estavam concentrados na Avenida Maria Bonita, 1985. Mesmo com apenas cem guerreiros, Paiakan marchou com seu grupo para um local pintado para a guerra.

Para criar a ilusão de que havia mais guerreiros, Paiakan instruiu o grupo a descansar na colina antes das negociações com os mineiros e um pequeno contingente da polícia federal. “Somos milhares. Se não fizermos algo, haverá assassinato”, blefou o líder, segundo o relatório de Mor.

A estratégia funcionou e, nos próximos dias, todos os mineiros deixaram Maria Bonita. Até então, era um dos poucos episódios em que os nativos conseguiam expulsar tantos invasores de suas terras.

Outro ponto de virada importante na trajetória de Paiakan foi a luta contra a construção de usinas hidrelétricas no rio Xingu. Em 1988, ele e Kube-i, outro líder Kayapó, estavam em Washington, onde se encontraram com representantes do Banco Mundial, da Casa Branca e do Congresso.

Acompanhados pelo antropólogo Darrel Posey, eles negaram que o projeto estivesse sendo implementado sem consultar os povos indígenas que inundariam suas terras. O resultado foi um congelamento do empréstimo do Banco Mundial para o projeto, que só foi retomado sob o governo de Dilma Rousseff (PT), com a construção da planta de Belo Monte.

Furioso com as consequências da visita, o governo de José Sarney reagiu. Ao retornar ao Brasil, Posey e os caiaques foram presos e interrogados pela polícia federal, sob a acusação de danificar a imagem do país no exterior.

Meses depois, os três foram indiciados pelo Estatuto dos Estrangeiros, legislação criada por uma ditadura militar. “Nunca, nos quase 500 anos de história das relações entre brancos e indianos no Brasil, os americanos foram processados ​​como estrangeiros em seu país”, escreveu Posey na época.

Os efeitos negativos sobre o governo foram imediatos. Apesar disso, o processo continuou. O Supremo Tribunal Federal absolveu todos em 1989.

As maiores realizações da luta de Paiakan, Raoni e outros líderes Kayapó foram a ratificação em 1991 da terra indígena de Kayapó com 3,3 milhões de hectares e da terra indígena de Baú em 2008 com 1,5 milhão de hectares. Hoje, os caiaques chegam a 12 mil pessoas.

Sua liderança foi interrompida em 1992, quando a estudante Sílvia Letícia Ferreira, então com 18 anos, o acusou de estupro em Redenção. O depoimento foi revelado pela revista Veja, que imprimiu uma foto de Paiakan na capa com o título: “O Selvagem”.

As notícias foram divulgadas durante a ECO-92, a Conferência Mundial sobre Meio Ambiente, no Rio, e finalmente tiveram fortes repercussões internacionais.

O processo judicial criou uma feroz batalha legal sobre a responsabilidade dos povos indígenas. Ele acabou sendo condenado a seis anos de prisão, mas ficou apenas dois anos e quatro meses em prisão domiciliar em sua aldeia, para a qual retornou após o crime.

Paiakan morreu aos 68 anos – não possuía certidão de nascimento. Ele deixa uma viúva, Irekran e três filhas.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero