A revista Nature juntou-se à greve dos cientistas contra o racismo – 06.10.2020

Paris, 10 de junho de 2020 (AFP) – A revista britânica Nature se juntou nesta quarta-feira (10) à greve global dos acadêmicos contra o racismo em instituições científicas, enquanto entoava sua “mea-culpa” na construção de preconceitos, no contexto dos protestos que se seguiram após a morte de George Floyd.

“A natureza se opõe a todas as formas de racismo e nos juntamos a outras pessoas no mundo para dizer inequivocamente ‘vidas negras são importantes'”, disse uma revista respeitável em editorial publicado em seu site.

“Reconhecemos que a natureza é uma das instituições brancas responsáveis ​​pelo preconceito na pesquisa e no trabalho acadêmico. O mundo da pesquisa científica tem sido e continua sendo cúmplice no racismo sistêmico e deve fazer mais para corrigir essas injustiças e abrir espaço para vozes marginalizadas”.

A revista científica se juntou a uma greve chamada #ShutDownStem, lançada em universidades e organizações científicas dos EUA, e nesta quarta-feira publicará apenas “conteúdo diretamente relevante para apoiar os negros nas universidades e STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática)”, de acordo com o editorial. .

“Como membros da comunidade universitária global e da STEM, temos uma obrigação ética de parar de trabalhar como se nada tivesse acontecido”, escreveram seus promotores, que pertencem ao campo de pesquisa dos EUA, no site do movimento.

“Nossos trabalhos de pesquisa estão se tornando comunicados de imprensa, livros e leis que reforçam discursos anti-negros. No campo da STEM, estamos criando tecnologias que afetam a sociedade como um todo e são frequentemente usadas como armas contra os negros”, acrescentou ativistas do #ShutDownStem.

A revista Nature também anunciou que em sua publicação publicará uma edição especial sobre o tema “Racismo sistêmico em pesquisa, política de pesquisa e edição”.

lc / app / zm / mr / tt

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero