Limpeza e racismo: o que toda mãe Gabrielly passou com o sucesso de sua filha – 06.10.2020

Priscilla Franco, 38 anos, é um típico brasileiro em dificuldades, um dos que já fez de tudo, desde limpar e passar a ferro até recusar um convite para trabalhar no mercado financeiro, em um banco na Espanha. Razão? Ela sabia que não podia investir tempo para cuidar de outra carreira, além da qual se dedicou por anos: a de sua filha Any Any Gabrielly, um membro brasileiro do grupo Now United.

Sua aposta foi bem sucedida. A filha mais velha de Priscilla – ela também é a mãe de Isabelli, Belinha, 10 anos – hoje tem fãs no Brasil e está se espalhando por todos os continentes – sem exageros: qualquer Gabrielly acabou de atingir a marca de 4 milhões de seguidores no Instagram. Além de fazer parte de um grupo pop formado por 15 jovens de diferentes países, criado por Simon Fuller, empresário das Spice Girls e criador do programa American Idol, entre outros, uma jovem paulistana que cresceu em Osasco, negra, simples A origem, a partir dos 17 anos, também deixa sua marca como a voz brasileira de Moana, a princesa da Disney, na chamada versão do filme, lançada em 2017.

Levou pelo menos 10 anos de estudo para qualquer Gabrielly chegar onde está: no ensino fundamental e médio, inglês, estilo de dança, canto e artes cênicas. O pano de fundo do que está envolvido até agora inclui a troca de limpeza de escritório por classe, trabalhar em um buffet, promover eventos, abrir escolas particulares para enviar estudantes e qualquer outra maneira de proteger uma garota da periferia – que morava em uma sala sem banheiro com a mãe e irmã recém-nascida – poderia ter acesso à educação e às artes.

Leia a história de Priscilla, Mãe Anyu, abaixo.

Em uma escola de elite, sua filha sofria de racismo

“Sou heterossexual: tenho sexo holandês, espanhol, português, italiano e preto. Meu pai era branco, minha mãe biológica era negra. Nasci em uma família com 8 irmãos na Freguesia do Ó, no norte de São Paulo. o adotante, com quem me relacionei e criei muito bem, cometeu suicídio quando adolescente, aos 16 anos. Trabalho desde os 13 anos em uma daquelas lojas que tem tudo: brinquedos, talheres.

Priscilla começou a experimentar racismo após o nascimento de sua filha - Arquivos Pessoais

Priscilla continuou o racismo depois que uma filha nasceu

Foto: coleção pessoal

Eu não sabia e não sofri racismo na minha vida. Eu fui morar com o Any. Uma vez me perguntaram se ela foi adotada, ela tinha 1 ano de idade. Na época, o pai de Any e eu, negros, tínhamos bom poder de compra, com um bom carro. Já ouvi coisas como: ‘Uau, o que ele está fazendo? Ele é traficante? Once Eu respondi uma vez: ‘Ah! Ontem ele roubou um banco, cuidado, ha! Cuidado com a sua mala! “

Pensei em colocar alguém em uma escola de elite e pagar pelo trabalho de qualquer maneira. Cheguei à escola e disse: need Você precisa de uma recepcionista? Aqui, trabalho com o que preciso durante o período em que alguém está na sala de aula ‘. Também anunciei a escola e recebi um desconto por trazer novos alunos.

No início, ela era a única mulher negra na sala. Eu senti uma aparência estranha, como se eles achassem que minha filha era “defeituosa” em cores. Até que um dia o garoto jogou bananas na Any. A primeira vez que ela me disse, eu disse: “Não será a primeira nem a última vez. Você terá que aprender a se defender. Seja educado e converse com o coordenador”. Só piorou e um dia ela chegou em casa chorando, desesperada, triste como o inferno. Eu fui a escola. Antes de me encontrar com o psicopedagogo, fiquei na sala de espera no mesmo ambiente que os pais do garoto. Meu pai me disse, talvez com a intenção de consertar as coisas: ‘sou médico e salvo alguém; um homem negro que foi baleado, salvo ‘. Então eu disse: ‘Você acabou de correr de novo’.

O período mais difícil: 6 meses além de qualquer

“Qualquer pai e eu nos divorciamos. Quando eu tinha 27 a 28 anos, engravidei novamente, por Isabelli (Belinha), de outro relacionamento. Ao mesmo tempo, fui falsamente rejeitada pelo conselho de tutela e qualquer detenção foi suspensa. a fase mais difícil da minha vida. Qualquer um ficou na casa de minha mãe biológica, onde também morava minha irmã Laura Carolinah. A única parte boa desse período foi que alguém poderia viver dia a dia de sua tia, que é cantora profissional , que com sua didática era uma espécie de professora de 24 horas.

Enquanto isso, a mulher grávida lutou com todas as suas forças para que eu pudesse voltar o mais rápido possível e provar que era uma calúnia. Eu não tinha dinheiro, mas gastei com advogados. Eu consegui um quarto no fundo do quintal de alguém que eu chamei de vovó. Era um local para guardar ferramentas, carrinhos, carrapatos e ratos. Na porta estava o padrinho das meninas que lhe deram. Não havia banheiro ou pia da cozinha.

Só não me matei porque estava grávida. Eu pensei sobre isso muitas vezes. Depois fiz um sofá Belinhin com R $ 23. Encontrei um brechó que vendia 3 peças por 1 real e personalizava alguns pagãozinhos. Por fim, minha abençoada sogra me disse; leve esses R $ 200. Comprei uma banheira e outros itens desse tipo. Todo mundo que voltou comigo depois de 6 meses. “

“Por que inglês para quê?”, “Por que estudar em uma boa escola e” com fome? “

Priscilla diz que sua filha sempre foi talentosa e dedicada - Reprodução / Instagram

Priscilla diz que sua filha sempre foi talentosa e dedicada

Imagem: Reprodução / Instagram

“Depois que Belinha nasceu, voltei ao trabalho o mais rápido possível. Era difícil limpar com um bebê pequeno, mas consegui passar as roupas. Na época, trabalhei duro para pagar o melhor por Anya. Isso significava que eu era um promotor, um emprego no buffet, tudo, até chegar ao banco. Frequentei todos os cursos gratuitos do SESC, do SESI e de todos.

Qualquer um tem talento desde a infância. Ainda menina, ela atuou em uma peça do ensino médio e, quando saiu do teatro, me disse: ‘Hoje é o dia mais feliz da minha vida’. Ela já estava fazendo ballet e foi aí que decidi investir. Foi a escolha dela que eu apoiei. Se ela dissesse que queria algo completamente diferente, por exemplo, como um compatriota, eu teria investido nesse sonho da mesma maneira. Mas viver e investir nesse meio artístico não é para todos. Na época, o dinheiro era muito, muito curto e o ambiente era com pessoas que tinham dinheiro. Por exemplo, existem muitas oficinas caras.

As pessoas do ambiente simples em que vivemos me disseram: ‘Por que inglês para quê?’, ‘Por que estudar em uma boa escola e com’ fome ‘? Uma é que esses investimentos deixariam a ‘garota presa’.

Aos 9 anos, Qualquer fez o teste para o papel de Nala, personagem na produção musical de “O Rei Leão”, no Brasil. Ela estudou pela manhã, almoçou no ônibus de balé – ela teve um período em que estudava no City Theatre – e estava fazendo um musical na capital. Quando acabou, corremos para o metrô para não fechar e conseguimos pegar o último ônibus para voltar para casa. Ela estava na escola novamente na manhã seguinte. Quando eu era bolsista em cursos, tinha que ser o melhor para não perder um lugar. Então recebi uma oferta para trabalhar com o serviço financeiro na Espanha, mas decidi continuar minha vida aqui com minhas filhas, investindo em qualquer carreira que começasse.

Se alguém está onde está hoje, com este inglês elegante e maduro, não é coincidência. Nada do que acontece é acidental; qualquer coisa. É o resultado de muito, muito trabalho, formigas. Não estou impressionado ou me gabando. Não é uma pílula mágica, é um retorno do trabalho. “

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero