“A única pessoa que duvidava de quem eu era era psicóloga”, diz Linzmeyer – 06/11/2020

Em uma discussão promovida pela Universa UOL, a atriz Bruna Linzmeyer falou sobre como é se descobrir como lésbica. A conversa teve como tema o Mês do Orgulho LGBTQIA +, com a participação de youtubers e artistas que falam sobre suas experiências relacionadas à orientação sexual, identidade e expressão de gênero.

Bruna também falou sobre a aceitação social que tinha quando se tornou lésbica. “A única pessoa que duvidou de quem eu era era psicóloga”, disse a atriz, que disse que usou o reconhecimento como artista para falar sobre diretrizes de diversidade.

“Não há como separar o que é meu amor do meu corpo, da minha vida. As coisas se confundem. Minha experiência passa por quem eu sou como artista. E tive a oportunidade de falar”, comentou ele, durante uma conversa liderada por Angélica Morango, colunista da Universi.

“Nos últimos cinco anos, as coisas mudaram: conversamos de maneira mais simples e aberta sobre questões sexuais e de gênero. Comecei a criar essa curva junto com o mundo. Um dia me apaixonei, essa pessoa era mulher, não eu não podia” falar sobre isso ”, ele comentou.

Bruna também apontou que ela usa sua “passibilidade” lésbica porque o público pode ter mais “respeito” por sua aparência, para discutir tópicos que considera sensíveis. “O fato de eu ser uma mulher normal, branca, de olhos azuis, jovem, magra e atriz de televisão apenas ajudou. As pessoas olham para mim e vêem essa beleza e depois podem falar sobre coisas meio espinhosas. Até o uso da palavra sapatão; por exemplo, talvez é mais fácil ouvir do que eu, por exemplo, do que um motorista de caminhão “.

A atriz diz que tenta dialogar mesmo com pessoas que pensam diferente dela, em comparação com as experiências LGBTQIA +. “Estou fazendo esse tipo de negociação porque tenho um público amplo”, diz ele. “Mas sempre temos que ter cuidado, há pouco espaço para relaxar.”

Assista à discussão:

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero