“Adeus, iFood”: os correios estão tentando criar uma cooperativa que funcionaria sem um chefe – 27.07.2020.

Com ganhos decrescentes e um risco aumentado de pandemia de coronavírus, os receptores de aplicativos se inscreveram nas últimas semanas para pressionar grandes empresas como iFood, Uber Eats e Rappi para aumentar o valor das corridas e melhorar as condições de trabalho.

A segunda parada nacional do Breque dos Apps ocorreu no sábado (25) em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Vitória, Porto Alegre e Rio Branco, mas em geral, com ações menores do que as realizadas no início deste mês .

Enquanto a mobilização anti-plataforma está tomando um fôlego nas ruas, algumas pessoas da entrega estão tentando criar uma maneira alternativa de melhorar suas vidas – elas querem montar uma cooperativa, com seu próprio aplicativo de entrega, que funcionaria “sem um chefe”.

“A luta não é apenas pela melhoria no aplicativo. Embora tenha sido refletido internamente que a luta pela melhoria no aplicativo não resolve nossos problemas, certo? Os proprietários de aplicativos querem encher os bolsos de dinheiro, eles realmente não querem melhorar o desempenho do fornecedor”, diz Eduardo Alberto. um entregador do Rio de Janeiro que levou a ideia de uma cooperativa para o movimento Antifascist Deliverers.

“Então, elas (grandes empresas) podem até fazer alguma coisa (responder algumas reivindicações) para calar a boca, mas a única maneira de melhorar é a autogestão”, acredita ela, que também é estudante de arquitetura e urbanismo na UFRY.

O processo de criação de uma cooperativa de ofertas com grandes plataformas de entrega não é fácil nem barato. Apenas o desenvolvimento inicial de um aplicativo lean como esse custa cerca de US $ 500.000, afirmam pessoas do setor consultadas pela BBC News Brasil.

Para tentar transformar a idéia em realidade, a Anti-Fascist Suppliers conta com o apoio voluntário de advogados, economistas, programadores e estudiosos do cooperativismo de plataforma – um conceito criado pelo intelectual e ativista americano Trebor Scholz para um fenômeno crescente no mundo das cooperativas de ferramentas. Uma das idéias desse movimento é que os trabalhadores se apropriem da lógica da plataforma, usando algoritmos a seu favor.

“A tecnologia não é neutra. As plataformas, à medida que são construídas, têm controle algorítmico que, em última análise, beneficia as empresas”, diz um dos apoiadores do movimento, pesquisador de trabalhos digitais e professor do Instituto Humanitas Unisinos, Rafael Grohmann.

As cooperativas na Europa são uma inspiração

Os correios antifascistas buscaram inspiração nas cooperativas de entrega que já existem no exterior, embora, em geral, ainda sejam iniciativas recentes que têm apenas de 20 a 30 correios. É o caso da Mensakas, criada em Barcelona a partir do movimento de greve contra Delivero (uma forte empresa de entregas na Europa) em 2017.

Fornecedores continuaram protestos no Brasil no fim de semana

Imagem: Conteúdo Estadão

O grupo brasileiro também está em contato com a CoopCycle, uma federação que reúne 30 dessas cooperativas, 28 na Europa e duas no Canadá. Está sediada na França e permite que subempreiteiros em diferentes cidades compartilhem serviços, como o uso de software e aplicativos compartilhados, para reduzir custos.

Eduarda Alberto diz que os apoiadores do movimento já traduziram o aplicativo CoopCycle para o português e agora estão trabalhando em como adaptar a plataforma ao sistema de pagamentos em operação no Brasil. Uma dificuldade adicional é a inclusão do serviço de motocicletas no sistema da Federação Europeia, cuja aplicação funciona apenas com bicicletas.

“O primeiro desafio é convencer as pessoas da Coopcycle a colocar uma motocicleta em sua própria plataforma, pois isso pouparia muito no desenvolvimento. Se isso não for viável, desenvolveremos uma nova baseada no código aberto que eles emitem”, diz a fatura.

“Eles aceitam bicicletas apenas por causa da questão ideológica do desempenho ambiental que eu respeito muito, mas parece dentro da realidade europeia muito diferente da brasileira”, ressalta.

Embora o aplicativo não deixe notícias, Alberto acabou de criar uma equipe de entrega com outros seis colegas do setor solteiroPortanto, eles esperam ter uma rede de fornecedores e clientes no Rio de Janeiro quando a cooperativa se tornar realidade. Na terça-feira (21), quando o site foi publicado, 36 pessoas se inscreveram interessadas em ingressar no coletivo. Segundo Dudi, a rede já possui 190 clientes cadastrados que podem iniciar a entrega via WhatsApp.

“Já pegamos os jarros de nozes para obter documentos para verificação no cartório. Ainda estamos trabalhando no agendamento enquanto o aplicativo ainda está sendo desenvolvido. Naquele momento, ainda não conseguimos atender pedidos de restaurantes sob demanda”, disse o Brasil à BBC News nesta sexta-feira. (24)

Uma equipe de mulheres e pessoas LGBT tenta usar o aplicativo desde 2018

Correios antifascistas não são os primeiros a tentar usar a tecnologia CoopCycle no Brasil e encontrar dificuldades. A Señoritas Courier, coletiva de entrega de bicicletas em São Paulo, formada apenas por mulheres ou pessoas LGBT, deixou de usar a plataforma porque o sindicato só aceita cooperativas, diz a fundadora do grupo, Aline Rieira.

Aline Rieira, do coletivo Señoritas Courier - Comunicado de imprensa / BBC - Comunicado de imprensa / BBC

Aline Rieira, do coletivo Kurir Señoritas, atende clientes via WhatsApp e Instagram

Imagem: Discovery / BBC

É ela quem gerencia as entregas via WhatsApp e Instagram e atende as redes de clientes “com valores alinhados com os coletivos, como marcas veganas ou aqueles que valorizam a economia feminista e a economia negra”.

“Faço tudo manualmente. Em 2018, inscrevi o coletivo em vários avisos sobre a promoção de projetos sociais, tentando obter recursos para aplicar, mas nenhum foi aceito e continuamos a atuar como um coletivo informal”, lembra.

Agora, a Señoritas Courier estima que os gatinhos on-line levantem cerca de US $ 8.000 pelo custo de criação de uma cooperativa, como contratar um advogado e um contador e pagar pelos notários.

“Este ano, com o crescente número de clientes e ciclistas devido à pandemia, vimos que a cooperativa é uma solução interessante. Mas alguns membros ainda estão em dúvida porque hoje eles têm algumas vantagens (menos impostos) que atuam como MEI (microempresário))” relatórios.

‘Campos de resistência’

Outro que colaborou com fornecedores antifascistas na criação da cooperativa foi Rafael Zanatta, estudante de doutorado no Instituto de Energia e Meio Ambiente da Universidade de São Paulo e tradutor de livros Cooperativas de plataforma, escrito por Trebor Scholz, em português.

Reconhece que competir com grandes empresas de aplicativos não é algo fácil de fazer, e diz que as cooperativas procuram um modo de nicho de mercado e empresas e consumidores estão mais preocupados com o consumo consciente, como fazem os pequenos produtores de alimentos orgânicos no Brasil,

“A cooperação entre plataformas não elimina grandes tecnologias (grande empresa de tecnologia), assim como o anti-socialismo (pequenos agricultores) não elimina grandes alimentos (cadeias de supermercados). Mas acho que esses são campos de resistência, criando mercados mais plurais e dando aos cidadãos uma alternativa para escolher”. diz Zanatta.

“E eles também podem provocar debates internos (em grandes plataformas). Essas empresas têm medo de que grandes pessoas influentes comecem a fazer vídeos contra eles e defendam a cooperativa como uma alternativa. Por isso, algumas decisões internas podem melhorar as condições de trabalho para tentar antecipar isso”. um movimento de crítica ou saída ”, reforça.

Em alguns casos, dada a dificuldade de competir diretamente com grandes empresas, os trabalhadores nessas plataformas também podem formar “cooperativas de consumo”, observa Zanatta. Segundo ele, os motoristas da Uber nos Estados Unidos já estão trabalhando neste modelo, usando a cooperativa para comprar pacotes de combustível e online a um preço melhor, além de um meio coletivo de negociação com a plataforma.

“Cooperativas locais mais articuladas entre si”

Mario De Conto, CEO da Faculdade de Tecnologia para Cooperação (Escoop), acredita que um dos principais desafios da cooperativa é competir com grandes empresas de “escala”. Ao contrário de empresas como Uber Eats, iFood e Deliveroo, que operam em centenas de cidades e até em diferentes estados, as cooperativas de entrega normalmente operam localmente e com vários membros.

Uma maneira de tentar reduzir essa lacuna é com o modelo de federação que o CoopCycle usa, diz ele. Isso permite que o usuário baixe um aplicativo em seu telefone celular e acesse os serviços de várias cooperativas por meio dele.

“Agora acredito em cooperativas locais, mas articulo-me umas com as outras. Por exemplo, tenho um telefone celular Uber, não importa em que cidade eu vá, chamo o Uber de mesmo aplicativo. Talvez seja uma maneira das cooperativas terem um aplicativo geral, mas de uma cooperativa local”, disse ele. De Conto.

É um modelo já utilizado em outros setores econômicos, ressalta. Em Nova York, nos Estados Unidos, três cooperativas de mulheres diferentes, a maioria imigrantes da América Latina, compartilham o aplicativo Up & Go para oferecer serviços de limpeza doméstica. A iniciativa surgiu em 2017 a partir da mobilização de mulheres trabalhadoras, com o apoio da cooperativa de tecnologia (CoLab Cooperative) e recursos da Robin Hood Foundation e do Barclays Bank.

Mas se depender dos desejos de Paul Lima, líder do grupo Anti-Fascist Deliverers em São Paulo, mais conhecido como Galo, o movimento de pessoas entregando será grande. Ele diz que ainda não tem previsão de quanto a cooperativa funcionará, porque acredita que é mais importante “fazer bem”.

“É lógico que conheçamos as limitações que temos, podemos começar em algum país (país), mas a idéia é que seja uma cooperação geral e se puder ser internacional. Estamos em contato com a Argentina, com outro país lá, com o Chile, com o México, com a Colômbia. Você sabe, vive e deixa ir, sabe? Vamos ver o que acontece “, disse ele à BBC News Brasil.

As empresas estão respondendo às críticas

A Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec), que representa empresas como Uber Eats e iFood, se recusou a dar uma entrevista para o relatório. Por meio de nota sobre as ações realizadas no sábado (25), destacou a importância do setor como gerador de receita durante a pandemia de coronavírus.

“Diante de um cenário econômico como a pandemia de covid-19, a flexibilidade de aplicativos foi crucial para centenas de milhares de pessoas, incluindo entregadores, restaurantes, varejistas e microempresas, para terem uma alternativa geradora de renda e apoio para a vida de suas famílias”, disse ele. é Amobitec.

A declaração mencionava “várias ações para apoiar os parceiros de entrega”, introduzidas desde o início da pandemia “, como distribuição gratuita ou compensação pela compra de produtos de higiene e limpeza, como máscaras, géis de álcool e desinfetantes, e a criação de” ajuda financeira para parceiros diagnosticados com covid-19 ou em grupos de risco ”.

Segundo a associação, “ações anti-crise foram desenvolvidas mesmo em um cenário de intensa concorrência entre empresas e um aumento significativo no número de funcionários de entrega”.

A Amobitec também afirmou que “os parceiros entregaram registrados nas plataformas cobertas pelo seguro de acidentes pessoais durante a entrega” e disseram que estava aberto ao diálogo “para melhorar a experiência de todos nas plataformas”.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero