Alibaba libera dinheiro para investir no mundo, mas o Brasil retém pouco

Sede do Hangzhou Alibaba: Grupo busca internacionalização (descoberta)

Desde o início da guerra comercial entre chineses e americanos, a capital do grupo Álibi embarcou em novas direções ao redor do mundo. Os países da Índia e do Sudeste Asiático, como Cingapura, Filipinas, Indonésia, Malásia, Tailândia e Vietnã, claramente se beneficiaram. O Brasil, o quinto maior mercado digital do mundo, recebeu pouco, quase nada do grupo.

Segundo informações de mercado disponíveis na B3 (Bolsa de Valores do Brasil), a empresa de pagamentos em São Paulo Stone possuía investimentos do grupo. E somente. Os dados são negativos porque o capital e a tecnologia do grupo chinês poderiam impulsionar a economia de rede brasileira.

Os consultores de mercado estimam que o Alibaba investiu US $ 20 bilhões em 66 empresas asiáticas nos últimos três anos, incluindo estrelas como os métodos de pagamento PayTM da Índia e também o Zomato da Índia, uma espécie de “iFood” local.

Nos últimos 12 meses, o grupo Alibaba, em vendas, gerou o equivalente a US $ 1 trilhão, um número histórico, que seria ainda maior se não fosse o contexto da pandemia global coronavírus, Observe que a “geração de vendas” (GVM) é diferente do faturamento. Isso significa que as lojas do mercado de Alibaba, em conjunto, venderam tudo. A “comissão” do Alibaba, que é o pagamento via e-commerce, é muito menor. Ainda assim, um marco impressionante.

Um trilhão de dólares é muito dinheiro. Segundo o Fundo Monetário Internacional, dos 193 países monitorados pela instituição, apenas 16 têm um PIB (a soma da riqueza total produzida em um ano) que conta em um trilhão. Por exemplo, a Holanda tem um PIB de US $ 914 milhões. Arábia Saudita, Suíça, Taiwan … estão todos bem abaixo da marca de um trilhão de dólares.

De toda a montanha de dinheiro que circula na corporação, “apenas” US $ 50 bilhões vieram de operações internacionais, o chamado “transfronteiriço”, por exemplo, o site AliExpress, que é vendido (e muito) no Brasil. Em outras palavras, 95% das vendas são feitas na China.

A porcentagem pode parecer pequena, mas vender US $ 50 bilhões na fronteira é incrível. A maior parte do dinheiro estrangeiro vem dos Estados Unidos, seguidos pela Índia e países do Sudeste Asiático, como Tailândia e Indonésia.

Desde 2014, quando (finalmente) tornou-se público e levantou US $ 25 bilhões, o grupo chinês acelerou seus esforços para internacionalizar, geralmente por meio de aquisições.

Nos Estados Unidos, por exemplo, ele investiu dinheiro aplicativo passeios pagos, serviços de mensagens Lyft e Snapchat. Foi mais tarde iniciando a realidade aumentada Magic Leap e a produtora de conteúdo de streaming NewTV lucram com dinheiro chinês.

No geral, os investimentos do Grupo nos Estados Unidos representam menos de um terço dos recursos utilizados no exterior. E então veio a guerra comercial EUA-China e afetou a distribuição dos valores investidos pelo Alibaba.

O esforço de internacionalização do Alibaba é um episódio interessante de assistir, já que as empresas chinesas na economia digital ainda têm dificuldade em se tornar relevantes além de suas fronteiras, o que parece estar mudando.

Em comparação, o arquivo Tencent planeja gerar pelo menos 20% de sua receita do exterior até 2025, uma porcentagem difícil de alcançar para um jogador tão poderoso quanto o Alibaba.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero