Turno Zero

Notícias Completas mundo

Apelações contra Bolsonar não devem sair da fase preliminar, mas podem arruinar sua imagem

Apelações contra Bolsonar não devem sair da fase preliminar, mas podem arruinar sua imagem

Os recursos contra o presidente Jair Bolsonar (sem partido) no Tribunal Penal Internacional de Haia não devem exceder o nível preliminar. Para advogados e especialistas em direito internacional, as ações do governo não podem ser caracterizadas como genocídio ou crime contra a humanidade.

Na semana passada (26), uma coalizão representando mais de um milhão de trabalhadores da saúde no Brasil condenou o presidente por “crimes contra a humanidade durante seu governo durante a pandemia, adotando ações negligentes e irresponsáveis, que contribuíram para mais de 80.000 mortes por doenças no país”. “

Esta não é a primeira queixa apresentada contra o presidente, que foi rejeitada em um tribunal internacional no ano passado por incitar “ataques a índios”. Para os advogados, embora a administração do governo possa ser questionada e julgada incorretamente, eles não respondem a processos judiciais e não devem ir a julgamento.

Os recursos não devem passar da fase preliminar

“Pessoalmente, entendo que tanto esse apelo quanto o anterior não passarão em nenhum exame preliminar, serão interrompidos no início”, diz Sylvia Steiner, ex-juíza do Tribunal Penal Internacional e pesquisadora sênior da Faculdade de Direito. FGV-SP (Fundação Getúlio Vargas de São Paulo).

Para ela, tanto a conduta do governo Bolsonaro em relação à pandemia covid-19, o objeto do último apelo, quanto a solicitação em relação aos nativos, não se enquadram nas tipificações estabelecidas pelo Estatuto de Roma, que rege a Corte.

“Pode-se dizer que havia uma política catastrófica para lidar com a pandemia e, devido à gestão catastrófica, o número de doentes aumentou, mas isso não é um crime de genocídio ou contra a humanidade”, diz Steiner.

“Trata-se de graves violações dos direitos humanos, jurisdição da Corte Interamericana de Direitos Humanos, mas, na minha opinião, o comportamento típico não foi praticado. [de genocídio ou crime contra a humanidade]. “

Clayton Pegoraro, professor de direito internacional da Universidade Presbiteriana Mackenzie, também avalia que as demissões contra o presidente não são viáveis ​​para continuar em tribunal.

“Não vejo isso como um crime contra a humanidade. Pode-se dizer que ele [Bolsonaro] ele não fez o máximo que pôde [ter feito] combater uma pandemia que não acompanhava para onde estava indo o dinheiro ou o que poderia ter sido melhor. Mas é outra coisa, uma questão interna “, diz Pegoraro.

Segundo ele, ao analisar o Estatuto de Roma, não há “sentido de criminalizar” as ações do governo em meio a uma pandemia “, desde que discorde de sua eficácia”.

Nem genocídio nem crime contra a humanidade

“O fracasso do governo brasileiro é caracterizado por um crime contra a humanidade: genocídio”, diz o texto enviado à Corte. Steiner, que afirma não ter lido a peça, diz que pode haver confusão em termos de genocídio e crimes contra a humanidade – muitas vezes confusos em seus significados e entre si. O Estatuto de Roma define o seguinte:

  • Genocídio: um ato cometido com a intenção de destruir parcial ou parcialmente um grupo nacional, étnico, racial ou religioso
  • Crime contra a humanidade: crime cometido no contexto de um ataque, generalizado ou sistemático, contra qualquer população civil

“Foi acordado que não deve haver ação militar armada para configurar um dos dois, mas deve haver violência ou coerção contra a população. Por exemplo, o genocídio deve indicar que o governo pretende exterminar todos os 210 milhões de brasileiros, o que não parece ser o caso. esse é o caso “, diz Steiner.

“Vai depender do ponto de vista dos especialistas em direito penal. Para mim, é uma violação maciça dos direitos humanos, mas não houve comportamento típico. [desses crimes], e é isso que o Tribunal analisará “, pensa o juiz.

.js">

Entenda o processo em Haia

A avaliação dos advogados é que a objeção também não deve passar pela primeira parte. Mesmo se o fizesse, ainda seria um longo caminho para o presidente ir a julgamento em Haia, de acordo com a mídia social. Veja as etapas do procedimento:

triagem

O Tribunal recebe uma média de 800 a 1.000 recursos por ano, que podem vir de qualquer pessoa, grupo ou organização em todo o mundo. Portanto, é necessário fazer uma revisão inicial que avalie se o procedimento deve estar lá ou não. Reclamações contra países terceiros, como os Estados Unidos, são rejeitadas diretamente.

As acusações contra Bolsonar ainda estão nesta fase sem que os juízes as julguem – e, para especialistas, elas não devem prosseguir a partir daí.

Exame anterior

Os casos que se colocam perante a Corte são examinados pela investigação no chamado “exame preliminar”, onde são avaliados quatro aspectos: jurisdição (possui uma base legal?), Complementaridade (o Estado não pode ou não quis investigar o caso?), Gravidade (grave? Basta?) E interesse legal (contra o interesse da justiça?).

“Somente se essa reclamação passar por todas essas fases, ela será levada a um painel de três juízes que avaliam se uma investigação deve ser iniciada ou não”, explica Steiner.

Procedimento investigativo

Isso é equivalente a uma investigação policial, quando a promotoria investiga uma queixa e reúne possíveis evidências. Dura de um a dois anos. “Depois de concluir a investigação, ele retorna à Sala Preliminar para iniciar o equivalente à acusação”, explica Steiner.

Condenação

O julgamento está marcado para começar no Tribunal, onde são apresentadas provas, testemunhas e o direito do réu a uma grande defesa. Nesse caso, o chefe de estado é chamado a testemunhar.

Bolsonaro terá que ir a Haia?

Somente se o processo atingir a fase final, o que não parece provável. Nesse caso, como o Brasil é signatário da Corte, o Presidente é obrigado a sair e o Brasil é obrigado a entregá-lo se condenado.

Se o chefe de Estado se recusar a sair, o país poderá enfrentar várias sanções internacionais e o líder ficará impedido de viajar para países não-Haia. Porque se você pousar em um deles, você deve ser preso.

“O tribunal depende da cooperação. Não há policiais, eles não invadirão o país. Mas, como no caso [Omar] al-Bashir, do Sudão, ele está praticamente limitado ao seu país ”, afirma o juiz.

O analista de armas responde e fortalece a base, diz o analista

Embora seja improvável que o processo tenha uma sequência legal, para o cientista político Rodrigo Prando, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, é outro esforço político do presidente Bolsonar, que o coloca em evidência “para o bem e para o mal”.

“Algo sempre se desgasta. Seria muito melhor se o presidente de qualquer país fosse citado por uma revista de impacto como exemplo de um bom gerente de crise. Pelo contrário, também é muito ruim ter um apelo internacional”, disse o analista.

O impacto político-eleitoral disso é difícil de medir por enquanto. Segundo ele, o processo segue as bases de muitas outras disputas políticas do governo Bolsonaro: dá mais munição à oposição e ajuda a fortalecer o discurso de sua base.

“Para Bolsonaro e o bolsonarismo [a queixa] isso não significa nada. Apenas põe em evidência e reforça o discurso do “estabelecimento”. Para a oposição, é mais uma ferramenta [de crítica]”Mesmo que as pessoas não saibam o que isso significa, elas promovem”, diz Prando.

“Se isso tiver um efeito para [a reeleição em] Em 2022, ou de acordo com sua imagem, é muito cedo para dizer que existem outras questões mais relevantes, como a economia. De uma maneira ou de outra, essa disputa, como sempre, a mantém como evidência “, conclui o cientista político.

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

um documentário sobre a prisão de Caetano Velos foi selecionado
Previous Post um documentário sobre a prisão de Caetano Velos foi selecionado
TikTok: o que se sabe sobre a empresa por trás do aplicativo e seu misterioso proprietário – 28/07/2020
Next Post TikTok: o que se sabe sobre a empresa por trás do aplicativo e seu misterioso proprietário – 28/07/2020