Apenas 55% dos hospitais que oferecem aborto legal atendem a uma pandemia – 3/6/2020

Vítimas de violência sexual, mulheres em risco de morrer de gravidez e casos de anencefalia são ainda mais negligenciadas na pandemia: apenas 42 hospitais mantêm assistência legal ao aborto

“A única forma de aborto legal é um preservativo e uma pílula”, diz uma atendente de maternidade do Hospital das Clínicas de Botucato (SP) quando questionada se o hospital oferece serviços legais de aborto. Diante dela, outro colega a baixou ouvindo a pergunta. Somente após o relatório explicar os casos previstos em lei, a ligação foi transferida para a enfermeira que informou que o serviço estava funcionando.

No Hospital Universitário Ebserh Polydoro Ernani, em Florianópolis (SC), quando questionado sobre a oferta de serviço, o funcionário respondeu em tom de zombaria: “Nunca”. Depois de insistir no relatório, ela encaminhou a ligação para a maternidade. Resposta: “Não é um aborto legal, meu anjo, ele não existe. Depende do protocolo”.

A lei no Brasil garante que o aborto seja permitido às vítimas de violência sexual, casos de anencefalia fetal e quando houver risco para a vida da gestante. No entanto, o acesso a esse direito nem sempre é garantido. Estamos, portanto, verificando como é o serviço durante a pandemia.

As ligações fazem parte de uma pesquisa realizada pelo Artigo 19 em parceria com a revista AzMina e Gender and Number, para determinar como o aborto legal funciona no Sistema Único de Saúde (SUS) durante uma nova pandemia de coronavírus.

Falta de informação

Entre 27 de abril e 4 de maio deste ano, as organizações contataram 76 hospitais que realizavam abortos legais por telefone, conforme determinado em 2019 pelo cartão de aborto legal do artigo 19º. Pouco mais da metade (55%) da manutenção de serviços durante a pandemia de Covid-19 . E a maior parte do aconselhamento mostra o desconhecimento de várias autoridades de saúde sobre casos de aborto previstos por lei.

O Hospital das Clínicas de Botucatu (SP) é uma das 42 unidades de saúde em que o serviço continua em operação. Outros 17 hospitais suspenderam o serviço devido à pandemia ou declararam que não o realizam mais. Além disso, os três simplesmente não sabiam se o procedimento estava disponível. Por fim, não foi possível entrar em contato com as outras 14 unidades de saúde.

A atitude oposta dos profissionais de saúde em relação ao aborto legal também foi clara em alguns casos. Na maternidade de Don Evangeline Rosa, em Teresina, depois que o relatório repetiu a pergunta sobre o serviço três vezes, gritando, o estudante disse que “não havia aborto legal no país” e depois desligou.

No professor Barroso Lima Policlínica e Maternidade, em Recife, o estagiário deu várias desculpas pela falta de informação: primeiro, ele disse que não sabia para onde direcionar a suspeita de acesso ao serviço, pois havia trabalhado recentemente em um hospital. Ele então disse que o responsável pelo serviço não estava lá.

Despreparo e má vontade

No ano passado, o artigo 19 identificou 176 hospitais registrados no serviço ou que haviam realizado o procedimento nos últimos dez anos. Mas ele também descobriu que apenas 76 prestavam o serviço. Eles foram contatados novamente para conduzir este relatório.

“Sempre foi uma guerra. Muitos hospitais dizem que oferecem um serviço, mas na verdade não está disponível. No momento, a política e o Ministério da Saúde pararam de trabalhar nessa questão devido à pressão sobre qualquer coisa que inclua o aborto. Este serviço para as mulheres já se deteriorou antes da pandemia.” e agora os serviços estão usando essa nova desculpa para bloquear o acesso “, diz Marcos Augusto Bastos Dias, ginecologista e obstetra do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, Fernandes Figueira (IFF / Fiocruz).

Segundo Diaz, existe um despreparo e falta de vontade de fornecer visibilidade a um serviço que as maternidades costumam relutar em fazer: , então ela não deve contar uma história na recepção, na sala de interrogatório e novamente para a enfermeira “.

Para um ginecologista, um problema sério é a redução da interrupção do serviço de gravidez nos casos previstos em lei. “A legislação no Brasil já é muito restritiva. As mulheres enfrentam muitas dificuldades para conseguir a rescisão legal. É inconcebível que os serviços estejam atualmente se recusando a realizar procedimentos legais de aborto. A assistência ao aborto é um serviço legalmente essencial”.

Alguns dias depois de declarar uma pandemia causada pelo novo coronavírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o respeito pelo direito à contracepção, “independentemente da epidemia do Covid-19”.

Eremitas oficiais

Não existe serviço legal de aborto em 13 estados brasileiros e no estado federal. Em Paris, por exemplo, um usuário do SUS teria que viajar para o Amazonas ou Tocantins para usá-los. E nos estados onde o serviço existe, ele se concentra principalmente nas capitais.

Com um número reduzido, cada hospital deve atender à demanda de uma média de 179 cidades no país. São Paulo é o país com o maior número de hospitais que oferecem o serviço: oito deles estão localizados na capital São Paulo. A região norte, por outro lado, possui apenas duas unidades de saúde onde há aborto legal, em Manaus e Palmas.

Diante desse cenário, dos 17 hospitais que suspenderam ou não prestaram o serviço, apenas cinco informaram qual outro hospital seria capaz de receber o procedimento. A maternidade Piabetá, em Magé (RJ) instruiu o usuário a procurar hospitais na capital.

Gabriela Rondon, pesquisadora do Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero, destaca que a quarentena dificulta o acesso ao serviço. ela não pode atravessar o estado para procurar atendimento “, diz ela.

Segundo ela, o isolamento aumenta os episódios de violência contra a mulher, incluindo a violência sexual, um dos fatores que podem levar as vítimas ao aborto legal: “Esses dados expressam os problemas crônicos que temos no Brasil: baixa oferta desse serviço e dificuldades em acessar informações sobre sua disponibilidade. Esses problemas precederam a pandemia porque a cobertura do aborto legal já era pequena demais para um país do tamanho do Brasil “.

A violência física e sexual contra as mulheres aumentou durante o isolamento social causado pelo coronavírus. O número de femicídios aumentou 22% em 12 estados brasileiros durante os meses de março e abril, segundo pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Em 2018, o país registrou 180 estupros por dia, e 81% das vítimas eram mulheres, de acordo com dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública publicado pelo mesmo Fórum.

Requisito de BO e outros obstáculos

Ao contrário do padrão estabelecido no Cuidado Humanizado para Pessoas em Situação de Violência Sexual do Ministério da Saúde, que não exige um boletim de ocorrência (BO) ou uma ordem judicial para conduzir processos de violência sexual, quatro hospitais mencionaram essa necessidade e três solicitaram atendimento médico. referência.

Para a ginecologista e obstetra Fiocruz, essa é uma das formas de punir as mulheres novamente, principalmente as vítimas de violência, que passam por vergonha por causa de relatos de violência sexual na delegacia e na equipe de saúde.

“Muitos serviços assumem que as mulheres buscam o aborto mentindo para os profissionais de saúde. Elas são motivadas pelo preconceito ou porque pensam que, se os serviços não precisarem de um boletim, elas se tornam clínicas de aborto. Um profissional deve ter cuidado com as demandas das mulheres e não com o papel da polícia. todos os tipos de desculpas são criados para impedir o acesso “.

O foco da recepção às vítimas de violência são os fatos que elas levam para o serviço de recepção, explica Sandra Leite, coordenadora do Centro de Assistência Sony Santos para Vítimas de Violência, em Recife. “O BO não é uma prerrogativa. Este é um serviço de saúde, não um serviço judicial. Trabalhamos de acordo com o padrão técnico do Ministério da Saúde e não solicita um relatório policial. O que uma mulher traz como uma história de vida é O que lhe permite entrar em protocolos são datas de eventos e exames, então a equipe avalia se está em conformidade com o protocolo ”, diz ele.

Em uma pandemia, o Centro de Recife realiza um serviço de 24 horas, mas a demanda por acolher vítimas de violência diminuiu. Sandra Leite acredita que esse é o efeito das medidas de isolamento social na cidade. O Sony Santos Center trabalha em parceria com a Delegacia da Mulher para registrar casos de violência sexual, se as vítimas assim o desejarem. A Lei 12.845 / 2013 estipula que o papel do serviço de saúde é incentivar o registro de fenômenos.

A maternidade Odete Valadares, em Belo Horizonte, e o Hospital Universitário Ebserh Polydoro Ernani, em Florianópolis, afirmaram que não é permitida a presença de acompanhante durante o procedimento, o que viola o direito das gestantes expresso na lei federal n. 11.108 / 2005

Segundo Diaz, no início da pandemia e por medo de contaminação de mulheres grávidas saudáveis, as maternidades de todo o mundo decidiram separar as mulheres, que foram deixadas sozinhas: “Mas logo as maternidades perceberam que era uma situação inimaginável, perda de direitos e foi revertida. para um companheiro não se justifica. Existem maneiras de permitir que uma mulher se socialize sem aumentar o risco para outras pessoas “.

Aplicação da lei e prevenção Covid-19

A pesquisa também queria conhecer as medidas preventivas das unidades de saúde sobre a infecção pelo novo coronavírus. A principal recomendação dos hospitais para a proteção de gestantes no acesso a serviços de aborto legal foi o uso de uma máscara mencionada por 35 unidades; quatro mencionaram lavagens de mãos e uma destacou o uso de álcool gel.

Com o ministro interino da Saúde em 15 de abril e o crescente número de mortes por Covid-19 no país, Marcos Augusto Bastos Dias, do Instituto Fernandes Figueira, diz que, no momento, os direitos sexuais e reprodutivos não devem ser negligenciados, mas é difícil Ministério.

“No momento, mulheres que terão que ser ouvidas, porque não vejo uma iniciativa que não venha delas e do terceiro setor. Somente sob pressão essa questão liderará e pedirá à maternidade. As mulheres estão sozinhas, desprotegidas e com acesso limitado aos serviços necessários. “, explica o ginecologista e obstetra.

Casos de bom atendimento

Pesquisas também mostraram que, em alguns casos, a lei e o bom atendimento são respeitados. Uma delas foi o Hospital Júlia Kubitschek, em Belo Horizonte, onde uma funcionária perguntou há quanto tempo a usuária do serviço estava grávida, se morava sozinha e se havia alguém que soubesse da situação. Ele então pediu seu contato e disse que voltaria à programação. No Hospital Municipal Tide Setubal, em São Paulo, o aluno só queria marcar uma consulta, sem muitas perguntas.

“As pessoas precisam entender que o acesso ao aborto legal é uma assistência médica absolutamente necessária em todos os momentos e ainda mais importante em uma crise. A maioria das vítimas são meninas, adolescentes e crianças, e não podemos imaginar o que isso significa para o futuro.” eles não têm acesso a esse serviço no momento. Não é algo que possa ser adiado ou ignorado “, diz o pesquisador Anis.

* Este relatório foi publicado originalmente Revista AzMina e Sexo e número

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero