Os chineses compram carros inteligentes para evitar engarrafamentos e risco de perigo

Trabalhador monta LSV, um carro considerado ecológico e eficiente (Comunicado de Imprensa / Fábrica de Jizhou)

As vendas de veículos classificados como LSVs (veículos de baixa velocidade) aumentaram acentuadamente na China pós-coceira, precisamente porque muitos consumidores esperam escapar do transporte público superlotado. São cadeiras de rodas, às vezes semelhantes a carrinhos de golfe, totalmente elétricas, conectadas e em movimento a uma velocidade máxima de 40 km / h. Originalmente projetados para condomínios e pequenas cidades do interior, esses carros inteligentes ganham espaço nas metrópoles, permitindo que trabalhem em faixas exclusivas.

A autonomia desses carros pequenos, que na China custam o equivalente a US $ 6.000, varia entre 40 km e 90 km, e o tempo de carregamento é de duas a três horas.

Para muitos especialistas, como David Li, fundador do Shenzhen Open Innovation Lab, o LSV é o futuro do mercado automotivo. “Nossa necessidade de mobilidade não exige carros grandes ou altas velocidades. Durante décadas, o marketing nos ensinou que queremos, mas o fato é que planetas e cidades precisarão de soluções como o LSV”, diz ele.

Um dos objetivos estratégicos bem conhecidos da China para o futuro próximo, além de se tornar a maior economia do mundo, é transformar seu modo de vida e produção em algo sustentável, verde e limpo.

Não por acaso, a Terra é o principal gerador (e consumidor) de energia limpa e Shenzhen, no sul do país, a única metrópole com mais de 20 milhões de habitantes em sua área metropolitana que aboliu completamente os táxis e ônibus de combustíveis fósseis.

O Smartcar compartilhado pode ser usado depois de desbloquear o aplicativo (Comunicado de imprensa / General Motors China)

A remoção de carros individuais movidos a gasolina é uma meta perseguida por muitas grandes cidades chinesas e que se tornou particularmente desafiadora na reabertura após o fechamento. Quem pode, evita o uso de transporte público. O medo é, obviamente, inalar o mesmo ar que os contaminados.

Uma maneira de desencorajar a compra de carros individuais é limitar suas matrículas. Em Pequim e Xangai, assim como em toda a China, comprar um carro é barato. É realmente difícil pagar por uma placa, que tem disponibilidade muito limitada para evitar o excesso de veículos nas ruas.

A ideia de mobilidade chinesa, que já foi alcançada em parte, é para os cidadãos fazerem uma mistura de maneiras, como usar bicicletas sem cais, aplicativo, transporte público e, quando você precisar de um veículo apenas para você, como uma viagem romântica ou um supermercado, aproveite os veículos elétricos e compartilhados.

Os últimos, devidamente higienizados, foram recolocados em uso. Você desbloqueia qualquer carro com seu próprio Smartphone, use o quanto precisar e estacione onde achar melhor. Você conhece a lógica das bicicletas e scooters elétricas? É o mesmo, mas com carros.

Para David Lee, a revolução em curso será acelerada a cada segundo, mas pelo amadurecimento, pelo advento da automação de automóveis.

Na China, empresas como Baidu e Didi já estão lançando operações comerciais para táxis autônomos. Para profissionais como David Lee, é esperado um futuro em que o LSV autônomo cortará as cidades de ponta a ponta, realizando uma “última milha” que conectará os passageiros aos principais modos de transporte, como ônibus, trem e metrô. Quando? Em 2025, o especialista estará apostando.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero