Apesar da pressão dos EUA, a Huawei mantém suas ambições em 21.05.2020

Shenzhen, China, 21 de maio de 2020 (AFP) – Apesar da pressão dos Estados Unidos, a gigante chinesa de telecomunicações Huawei está progredindo em seus projetos ambiciosos, como a expansão do campus para treinar sua crescente equipe.

Os Estados Unidos tentam há 18 meses bloquear a entrega de semicondutores à empresa, o que considera um risco para a segurança nacional.

Mas enquanto os funcionários da Huawei falam sobre a “crise” em seu imenso campus na capital do sul da China, Shenzhen, as ambições da empresa continuam a crescer.

A nova pressão dos EUA “naturalmente causou preocupação”, admite o vice-presidente da Universidade Huawei, Ryan Liu. “Mas eu trabalho para a Huawei há muitos anos e estamos confiantes de que a empresa nos guiará no caminho certo”, diz ele.

O Departamento de Comércio dos EUA anunciou na sexta-feira passada que está intensificando os esforços para impedir a Huawei de acessar semicondutores, as chaves de seus produtos e cuja ausência pode comprometer sua “sobrevivência”, disse a gigante chinesa.

“Se você mantiver o espírito dessa decisão, ela terá um grande impacto na Huawei”, diz Kelsey Broderick, analista da consultoria Eurasia Group, que acredita que a capacidade do grupo de obter seus próprios semicondutores é baixa.

Enquanto isso, em Shenzhen, lar de várias grandes empresas de tecnologia chinesas, os projetos da Huawei estão progredindo.

A empresa passou de 180.000 para 194.000 funcionários e em 2019 cresceu 19% em seus negócios globais, apesar da pressão.

É o caso da expansão da “cidade europeia”, um complexo de 25.000 funcionários, localizado próximo ao lago e com rede ferroviária própria com paradas com nomes como “Paris”, “Bolonha” ou “Heidelberg”, todos com arquitetura semelhante a essa cidades. Atualmente, existem onze áreas temáticas desse tipo, e outra está em construção.

A Universidade Huawei mudará para um local novo e maior em agosto, também em estilo “europeu”.

Washington teme que o governo chinês use a rede de telecomunicações da Huawei em todo o mundo para espionar ou sabotar.

A empresa deve se tornar líder mundial em tecnologia de Internet móvel 5G, e Washington está tentando convencer outros países a desistir de seu material por razões de segurança.

O atual presidente da Huawei, Guo Ping, disse nesta semana que os Estados Unidos estão agindo com medo de que as empresas chinesas percam a hegemonia tecnológica.

Os Estados Unidos já conseguiram impedir que a Huawei tivesse acesso ao sistema operacional Android do Google para seus telefones celulares, uma decisão que levou a empresa a criar seu próprio sistema, chamado HarmonyOS.

Nesse sentido, bloquear o acesso a semicondutores poderia melhorar o papel da HiSilicon, subsidiária da Huawei no setor.

“Esse desafio criará uma sensação mais profunda de crise, mas nossa resposta é que estamos fazendo bem o nosso trabalho e acreditamos que o trabalho duro será recompensado”, disse Liu.

A Universidade Huawei teve que fechar suas 40 salas de aula em janeiro por causa do coronavírus, mas as aulas on-line continuaram para funcionários na China, África, Europa e outros lugares, e eles retornaram pessoalmente em maio, disse Liu.

As palestras abordam questões como gestão ou alta tecnologia e cursos de duas semanas para novos funcionários também são organizados sobre a cultura corporativa e como lidar com a pressão.

dma / lth / dia / pc / zm / cc

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero