“Mas quando se trata de respeito, os fãs dos Tigres são os que mais me amam. Inacreditável.”

Embora o caso de amor entre Rafael Sóbis e Internacional seja incontestável, momentos de contração também estão presentes na história que está sendo construída entre os jogadores e o clube. Ele não esconde isso sozinho, rindo:

Existem muitos momentos de lesão. Quando paro de tocar, eu falo. “

Até ele falar, vamos aos fatos. Sóbis ganhou mais aplausos do que as vaias de Beira-, mas ele também foi criticado e brigou com os fãs do Inter. A harmonia começou a se desintegrar em outro período no clube, emprestado pela Al-Jazeera.

Em 2011, ainda com uma situação contratual não especificada, ele foi retirado dos jogos. Além disso, a Inter duvidou de sua relação custo-benefício e decidiu não renovar o contrato. Sóbis ficou chateado com a condução das negociações e criticou o clube. Então o Fluminense apareceu.

Em seu primeiro ano na equipe carioca, Sóbis redescobriu a Inter e conquistou uma vitória por 2-1 no Beira-Rio, em um jogo em que o Colorado tinha três pontos para estar mais perto da Libertadores. Por respeito, ele não comemorou o gol, mas ainda enfrentou críticas. Felizmente para ele, o Grêmio apareceu dez dias depois, em uma das melhores partidas do Campeonato Brasileiro de 2011: 5 a 4 para o Flu, com outro de Sóbis.

“Um pouco louco, não é? Especialmente essa relação entre os torcedores e nós. Os torcedores ficam bravos porque eu marquei um gol no Beira-Rio. E esse foi o gol da vitória. Bem, foi aí que amaldiçoamos a coisa. Logo depois, jogamos contra o Grêmio, talvez “Foi o melhor jogo da liga e, em seguida, recebe elogios. Então essa é a paixão dos fãs”, diz ele.

Houve mais desgaste no ano seguinte, não apenas por causa da reunião, desta vez para os Libertadores. Ele não marcou, mas ajudou a eliminar o Inter e, mesmo antes dos jogos da 16ª rodada, deixou claro que o relacionamento havia mudado: “Se eu marcar um gol, comemorarei. O primeiro jogo e essa coisa respeitável terminaram. Está na hora.” “O Fluminense é um clube que me paga”, disse ele na época.

Há muita emoção, muita paixão. Até hoje, sou criticado. “

A relação de amor e ódio ferida com a espontaneidade de International e Sóbis pode ser intensificada por uma disputa entre ele e Renato Fan, líder e defensor do símbolo do Colorado. Sóbis não entendeu bem a opinião de que os fãs do Inter eram “normais” para o jogador – então atleta do Tigres.

“Você tem um microfone do seu lado, não é? E você alcança muitas pessoas. Por exemplo, havia algo que realmente me chateou na época: eu tinha uma caixa no Beira-Rio, minha família estava assistindo o jogo e um dos meus filhos gritava. “Pai” ou algo assim, e os fãs o ameaçaram. Eu entendo a paixão, mas você poderia facilitar, certo?

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero