Após pressão de Bolsonar, Pazuello libera funcionários que assinaram nota sobre saúde da mulher – 06/05/2020 – Painel

Depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) distorceu uma nota técnica sobre o acesso das mulheres à saúde sexual e reprodutiva durante uma pandemia emitida pela Secretaria de Atenção Primária à Saúde nesta segunda-feira (1), o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, liberou dois servidores que assinaram o material. .

Danilo Campos da Luz, Coordenadora de Saúde da Mulher, e Flávia Andrade Fialho, Coordenadora de Saúde da Mulher, ambas da Coordenação Geral de Ciclos de Vida da Secretaria de Atenção Primária à Saúde, anunciaram suas isenções no Diário Oficial nesta sexta-feira. (5)

Em suas redes sociais, Bolsonaro escreveu nesta quarta-feira (3) que estava “buscando autoria” do decreto “sobre o aborto que circula hoje na Internet”. “EM [Ministério da Saúde] segue fielmente a lei brasileira e não apóia nenhuma proposta de legalização do aborto, caso em que é influenciada pelo Congresso ”, escreveu o presidente.

Na quinta-feira (4), o Ministério da Saúde publicou uma nota em seu site informando que o projeto não tinha legitimidade e não havia sido discutido no portfólio.

“Gostaríamos de informar que medidas administrativas foram adotadas para determinar as deficiências processuais e as pessoas responsáveis ​​pela elaboração e publicação não autorizada do referido projeto”, diz o texto.

O tema central da nota técnica publicada no segundo (primeiro) não é especificamente o aborto, mas a manutenção dos cuidados de saúde sexual e reprodutiva para as mulheres no contexto de uma pandemia.

“As preocupações com a saúde da mulher surgem em diferentes estágios da vida. A necessidade de garantir acesso total à saúde da mulher passa pela saúde sexual e reprodutiva (URSS), bem como pela saúde materna e infantil, e deve estar alinhada com o contexto e as prioridades regionais, a fim de estruturou uma resposta rápida e eficaz à saúde das mulheres “, diz a nota.

“Ainda não é possível definir quais serão os reais impactos e consequências da crise do Covid-19 na saúde da mulher, em diferentes estágios da vida, de acordo com o cenário brasileiro. Projeções internacionais estimam que cerca de 47 milhões de mulheres em 114 países de baixa e média renda podem não ter acesso a contraceptivos e, dessa forma, mais de sete milhões de gravidezes não planejadas ocorrerão entre adolescentes e mulheres ”, continua ele.

Quando ele menciona o aborto, uma passagem que incomodou Bolsonar e seus apoiadores, ele apenas reitera a necessidade de continuidade dos serviços de ajuda “em casos de violência sexual e aborto legal”.

Diz-se também que “o aborto seguro nos casos previstos em lei” é um serviço essencial e ininterrupto para essa população.

COM Mariana Carneiro e Guilherme Seto

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero