Caso Madeleine McCann: a série já mostrou suspeita do homem na van – 06. 05. 2020

Treze anos após o desaparecimento de Madeleine McCann, o caso reapareceu com o aparecimento de um novo suspeito, É sobre Christian Brueckner, Um alemão de 43 anos que já estava preso por crimes sexuais.

Através dos esforços conjuntos das autoridades da Inglaterra, Portugal e Alemanha, eles encontraram um suspeito por causa do veículo que ele dirigia na época, uma van, que já era de propriedade da polícia alemã. O homem transferiu a van para o nome de outra pessoa no dia seguinte ao desaparecimento de McCann.

Coincidência

Curiosamente, na série de documentários “O Desaparecimento de Madeleine McCann”, que estreou no Netflix em março passado, uma das investigações chegou a um homem que morava em uma van no Algarve, Portugal, o lugar onde a garota desapareceu.

Desde que o homem foi investigado e libertado na época, alguns meses após o desaparecimento da criança, não há muitos detalhes fora das fotos do então suspeito (seu rosto está embaçado) tirado por investigadores particulares contratados pelos pais de Madeleine, Gerry e Kate McCann.

Caso não resolvido

Girl Madeleine McCann, desapareceu em 2007, aos 3 anos de idade - PA MEDIA

Madeleine McCann, que desapareceu em 2007 aos 3 anos de idade

Slika: PA MEDIA

Em oito episódios, a série examina o caso do desaparecimento de uma menina de três anos, em 3 de maio de 2007, e dez anos depois. Várias linhas de pesquisa e teorias foram apresentadas, mas até o momento não houve resultados.

Na série, os investigadores que procuraram o homem na van – que, vale a pena mencionar, não sabem se esse é o mesmo suspeito que as autoridades agora pegaram – foram contratados pelo milionário Brian Kennedy. O empresário financiou a pesquisa particular de McCann.

O que aconteceu?

Madeleine McCann desapareceu em um resort na Praia da Luz, Algarve, Portugal. O desaparecimento aconteceu enquanto seus pais estavam jantando com um grupo de amigos em um restaurante no mesmo complexo, muito perto do apartamento onde ela e seus irmãos gêmeos dormiam. Somente a garota foi levada embora.

A série é um claro conflito entre a polícia de Portugal e da Inglaterra, que adotou diferentes linhas de investigação sobre o caso. Os pais e a polícia inglesa culpam a lentidão dos portugueses, enquanto o ex-investigador Gonçalo Amaral, que liderava o caso em Portugal, defende sua versão de que a garota morreu no apartamento e que os pais estavam envolvidos.

Os comerciantes à venda usam Portugal para transportar crianças para outros países. Eles entram no país através do Algarve e levam as vítimas para Espanha, França e Alemanha para exploração. Eles têm uma estrutura muito forte que lhes permite transportar pessoas de um país para outro em questão de horas. É assustador porque é tão simples

Patrícia de Sousa Cipriano, Presidente da Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas

investigação

Um ano após o seu desaparecimento, Gerry e Kate McCann foram libertados e a versão do ex-chefe de polícia português desmoronou. O caso foi arquivado até novos sinais. Pouco antes, em 2007, eles não estavam mais confiantes na polícia local, Gerry e Kate McCann contrataram investigadores particulares para continuar a busca por sua filha.

Seqüestro

Os detetives começaram a colaborar com a hipótese do seqüestro e começaram a ouvir moradores e famílias do resort indo para lá ao mesmo tempo que a família de Madeleine. Num comunicado da série, Patrícia de Sousa Cipriano, presidente da Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas, explica que a proximidade do Algarve às fronteiras de outros países europeus facilita a ação de traficantes na região.

Depois de descobrir que pelo menos quatro homens diferentes estavam andando pelo bairro na mesma semana em que Madeleine desapareceu, procurando dinheiro para um orfanato que não existia, investigadores particulares fizeram um esboço de alguns deles. Foi usando essa pista que eles identificaram um dos suspeitos que moravam na van.

suspeito

O suspeito morava em uma van mostrada na série de documentários 'O Desaparecimento de Madeleine McCann' - Reprodução / Netflix

O suspeito morava em uma van mostrada na série de documentários “O Desaparecimento de Madeleine McCann”

Arquivo: Reprodução / Netflix

Nas fotos, um homem em uma van às vezes aparece perto de um carrinho de camiseta, às vezes carregando sacolas de carros. O modelo de van que aparece no vídeo, no entanto, não corresponde ao que as autoridades determinaram agora, embora existam vários veículos estacionados em torno dele no local mostrado na série. A aparência física do homem também é diferente da foto alemã divulgada pelas autoridades ontem.

A série também apresentava um esboço de outros suspeitos supostamente batendo na porta de um vizinho do bairro. Uma testemunha diz que encontrou um desses homens em casa perto de sua filha de três anos, da mesma idade que Madeleine McCann quando ele desapareceu. Nenhum deles foi identificado.

Desapontamento

Embora investigadores particulares tenham levantado novos suspeitos e chances de desaparecimento, a falta de evidências sólidas causou quebra de contrato. A primeira agência contratada, o método espanhol 3, decepcionou os clientes depois que seu proprietário deu Madeleine aos pais de falsas esperanças. Ele disse que estava muito perto de uma solução, mas apenas um de seus detetives estava trabalhando no caso.

Outra agência, a American Oakley International, foi responsável por identificar o homem na van. A agência mobilizou dezenas de agentes secretos em solo português. Mas não demorou muito para o financiador de McCanns revelar a partir de suas fontes que o presidente da Oakley, Kevin Walligen, era um bom meio de vida e usou o dinheiro das investigações em seu proveito, vivendo uma vida luxuosa nos Estados Unidos. Foi assim que outra parceria terminou.

Nesses casos, as pessoas geralmente querem ajudar, é claro. Mas eles querem ajudar tanto que começam a perceber coisas que não existem. Julian Peribañez, um detetive particular espanhol que investigou o caso Madeleine McCann pelo método 3

As últimas pistas

Dave Edgar e Arthur Cowley foram os últimos investigadores particulares a trabalhar no caso Madeleine McCann, de 2008 a 2011. Entre suas descobertas mais notáveis, eles se depararam com o executivo britânico que alegou que uma mulher se aproximou deles na rua às 2 da manhã. em Barcelona, ​​no mesmo dia em que Madeleine desapareceu. Ela perguntou se ele poderia dar à luz uma nova filha e se ele estava com uma criança. Antes de deixar o caso, os detetives se entregaram à polícia.

Mesmo que as investigações sejam conduzidas sobre um novo suspeito, que admitiria seu envolvimento no crime em uma entrevista em um bar, o destino de Madeleine McCann permanece um mistério.

De 2007 até hoje, Maddie foi “vista” cerca de 9.000 vezes e em mais de 100 países, mas todos os traços foram falsos. Grande parte dessa pesquisa e hipótese também é apresentada em “O desaparecimento de Madeleine McCann”, totalmente disponível na Netflix.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero