Coronavírus: as mortes em casa estão em ascensão na Copa do Mundo e já ultrapassam todo o 2019 – Leonardo Sakamoto

O número de mortes em casa na capital São Paulo aumentou este ano em comparação ao ano passado. Entre o início de 2020 e o dia 4 de junho, 2.960 mortes foram registradas em casa, segundo dados da secretaria municipal de saúde, a pedido. Twitter.

Enquanto isso, foram registradas 2.541 mortes em 2019. Em outras palavras, se apenas os primeiros cinco meses deste ano forem levados em consideração, o total parcial já é 16,5% maior que em todo o ano passado. Os números referem-se a uma variedade de causas, incluindo as quatro e 19.

De acordo com especialistas que ouviram Twitter, houve um aumento no número de mortes em casa devido à covid-19, mas não apenas nos pacientes com o vírus. Isso se deve ao medo de infecção por doenças nos hospitais e à falta de acesso aos serviços de saúde porque os serviços são saturados.

“O número de visitas a pessoas que morreram em suas casas aumentou. Eles têm medo de contratos coronavírus, atrasou a entrada no hospital por medo de infecção e acabou morrendo em casa ”, diz Francis Fujii, diretor médico do serviço móvel de emergência (Samu) em São Paulo.

“Registramos um aumento significativo no número de paradas cardiorrespiratórias de pacientes com doenças cardíacas e condições crônicas, como câncer. Ou mesmo greve [acidente vascular cerebral]”Se eles tivessem ido à ambulância, o resultado poderia ter sido diferente”, ele analisa.

André Nathan, pneumologista do Hospital Sírio-Libanês, também compartilha a avaliação. O médico diz ainda que os hospitais privados da capital São Paulo reduziram o número de visitas ao serviço de emergência, não apenas reduzindo o número de acidentes de trânsito, devido à quarentena, mas também por doenças.

“Os pacientes procuram ajuda apenas em casos graves, o que causa o desenvolvimento de condições desenvolvidas”, alerta.

Covid-19 infectado, mas sem o saber

Segundo Fujii, parte das mortes em casa também é de pacientes de 19 anos que, sem saber que tinham a doença, evitaram ir ao pronto-socorro por medo de infectá-las.

“No final, eles ficam e se tratam como se fossem gripe forte, sem perceber sua baixa oxigenação [uma das características da doença]”Ele morreu subitamente, devido à rápida progressão da doença”, explica ele.

Os responsáveis ​​pelo combate à pandemia nos estados reclamam que as diretrizes do Ministério da Saúde no início da crise contribuíram para o agravamento dessa situação.

Um exemplo é o Maranhão, um país com mais de mil mortes em uma pandemia. “Somos instruídos a pedir às pessoas com sintomas leves que fiquem em casa, o que não é correto. A doença se desenvolve muito rapidamente e isso levou a um grande número de mortes em casa nos primeiros meses”. A avaliação foi feita por Carlos Lula, Secretário de Estado da Saúde do Maranhão.

Segundo ele, o sistema hospitalar de Maranhãou não entrou em colapso, mas chegou muito perto. A partir desse achado, a orientação mudou e eles abriram dispensários para casos mais leves – o que, segundo ele, ajudou a reduzir a mortalidade.

Hospitais superlotados criam medo

Outro fator que contribuiu para o aumento das mortes em casa é o ônus para o sistema público de saúde. Há três meses, quando a crise ainda estava começando no Brasil, os epidemiologistas disseram que poderia haver um aumento nas mortes por outras doenças e acidentes devido à sobrecarga ou colapso do sistema de saúde nos casos de pacientes-19.

Em outras palavras, ambulâncias e hospitais públicos – que geralmente já têm dificuldade em lidar com todas as necessidades – podem ser prejudicados pela falta de leitos e recursos humanos que possam servir a todos.

A razão pela qual a Organização Mundial da Saúde recomenda mesmo uma política de isolamento e distância social não é evitar infectar a população, mas fazê-lo de maneira fractal. Não como um tsunami, mas nas refeições, para que o sistema de saúde possa atender pacientes com 19 e outras doenças.

“Devido à pandemia que saturou os serviços de saúde, as pessoas estão menos atentas à rede hospitalar. Elas acreditam que não receberão cuidados e, eventualmente, ‘esticarão’ seus sintomas”, diz o pneumologista André Nathan.

“Dias de guerra” em Manaus

Em abril, os hospitais de Manaus atingiram a superlotação. A ambulância percorreu a cidade com os pacientes até a cama aparecer. O município de Samu, em um dia no auge da crise, cometeu 102 ocorrências após o outono de 19. Eles agora são servidos das 10h às 15h.

“Temos 84 dias de guerra. A cidade conta hoje com 40 enterros, com uma média histórica entre 25 e 30. Na pior das hipóteses, alcançamos 162”, disse ele. Twitter Marcelo Magaldi Alves, Ministro Municipal da Saúde de Manaus.

Segundo dados da secretaria, o número de óbitos em domicílio em Manaus foi de 548 em abril (dos quais 206 em suspeita confirmada ou suspeita) e 401 em maio – dos quais 396 foram relacionados à precipitação.

“Nossa população não respeitava o isolamento social e o governo federal não o incentivou, que era a principal medida para conter o vírus”, diz ele. “Doentiamente, a população levou muito tempo para procurar atendimento”. Alves ressalta que, apesar dos hospitais lotados, havia 18 encaminhamentos básicos para atendimento de pacientes infectados com o novo coronavírus.

Reclamações sobre os recursos da União

A falta de uma estrutura de saúde também é exacerbada pelo polo logístico, principalmente em países com menos recursos, dos quais a União depende em caso de acidente público.

“O desempenho de Brasília foi uma série de desastres. Eles prometeram muito e entregaram pouco. O Maranhão recebeu 40 aparelhos respiratórios e 20 de UTI [que incluem leitos]Mas o estado já abriu 450 novas camas até agora. Se dependêssemos do ministério, entraríamos em colapso ”, diz o secretário Carlos Lula.

O diretor médico Samu de São Paula recomenda que, apesar dos sintomas, não apenas em 19 pacientes, mas também em outras doenças, as pessoas busquem a Unidade Básica de Saúde – nos casos mais leves – e a Unidade de Emergência (UPA) ou hospital de emergência, nos casos mais graves .

Em locais onde o sistema de saúde entrou em colapso, no entanto, a única alternativa é procurar outra cidade, com apoio do governo, se houver.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero