Djokovic sofre mais com seu coronavírus – 23 de junho de 2020. – Esportes

A confirmação de que Novak Djokovic, 33 anos, tem o coronavírus é o golpe mais difícil para várias pessoas cuja imagem sofreu nos últimos meses, em meio a uma pandemia.

Não porque ele está, obviamente, infectado, mas por causa do comportamento que o tenista mostrou recentemente.

No entanto, em abril, quando ele indicou que poderia se opor à exigência de os atletas serem vacinados contra o Covid-19 para participar de torneios, no caso de haver uma vacina contra a doença no futuro, ele fortaleceu sua imagem como uma personalidade esportiva não muito popular no esporte. evidência científica.

Isso não o ajudou a compartilhar nas mídias sociais a ideia de que as orações seriam capazes de transformar alimentos venenosos ou água contaminada em soluções medicinais.

“Os cientistas provaram em experimentos que as moléculas na água respondem às nossas emoções e ao que é dito”, disse o líder do ranking ATP (Association of Professional Tennis Players).

Quando eles decidiram promover o Adria Tour com algumas restrições e uma série de eventos promocionais relacionados ao torneio (jogos de futebol e basquete, atividades com crianças e até festas em boates), Djokovic e outros participantes apostam nesse negócio.

Entre eles estão outros tenistas que figuram no grupo dos melhores do mundo, como Dominik Thiem (número 3 no ranking) e Alexander Zverev (sétimo lugar), que também estiveram presentes no torneio e se divertiram no programa “brincalhão”. Pelo menos até agora, eles testaram negativo para o Covid-19.

Pelo menos quatro atletas que participaram do evento não tiveram a mesma sorte: Grigor Dimitrov, Borna Coric e Viktor Troicki, além de Djokovic.

A sequência de casos de coronavírus entre os participantes mostra que a realidade paralela, sem a doença, na qual o torneio parecia ocorrer, não passava de uma ilusão.

A presidente da ATP, Andrea Gaudenzi, comparou a situação ao New York Times, quando um pai diz aos filhos que eles devem usar capacete enquanto aprendem a andar de bicicleta, mas as crianças só começam a usá-lo a partir do momento em que andam de bicicleta. Padam.

Nesta segunda-feira (22), a dupla brasileira Bruno Soares classificou o evento como “show de terror”. em entrevista ao site Globoesporte.

“Em uma situação mundial em que, por melhor que seja, mesmo no Polo Norte, você nunca vai a festas, mostra música, aglomera e publica no Instagram. Respeito mínimo por tudo o que acontece ao redor do mundo. Programa de terror. Quando Nick Kyrgios ensina, o animal realmente entendeu ”, disse o brasileiro.

O tenista australiano Nick Kyrgios é uma figura controversa, o principal “bandido” no círculo hoje, devido a várias demonstrações de indisciplina em sua carreira. Nas últimas semanas, na troca de jogos que apenas uma pandemia pode oferecer, ele se sentiu razoável, expressando críticas ao que estava acontecendo no Adria Tour.

Soares é membro do Conselho de Jogadores da ATP, cujo presidente é Djokovic. O brasileiro alertou para a possibilidade de o comportamento dos sérvios criar uma crise no esporte e minar sua credibilidade.

Entre outras coisas, e porque o líder do ranking deixou de participar da reunião entre os atletas sobre o retorno ao círculo profissional, marcado para meados de agosto, nos Estados Unidos, de uma maneira muito mais restritiva do que aconteceu no Adria Tour. Ao mesmo tempo, jogava futebol com os participantes do seu eventos.

O sérvio foi eleito líder do atleta desde o ano passado. Em março de 2019, Roger Federer e Rafael Nadal reclamaram que Djokovic não os consultou por causa de uma ação que claramente o apoiou e que levou à não renovação do mandato do ex-presidente da ATP Chris Kermode.

Isso forçou os suíços e espanhóis a voltarem ao conselho de jogadores em agosto, o que foi visto como uma maneira de unir forças e diminuir o poder dos sérvios no conselho. Até agora, eles não comentaram os eventos da turnê Adria.

Federer com 20 títulos de Grand Slam, Nadal com 19 e Djokovic com 17 estão entre os maiores nomes da história do esporte – ninguém entre os homens ganhou mais do que eles nos principais torneios.

Embora o sérvio deva ser igual no esporte em comparação com seus rivais e tenha milhões de fãs em todo o mundo, em termos de popularidade, ele sempre esteve abaixo do duelo e sofreu várias vezes em torcer nos torneios.

Sam admite que, para muitos, ele assume o papel de um vilão na conspiração do tênis mundial e afirma ter aprendido a lidar com isso, porque quando ele veio desafiar os dois, não havia espaço para um terceiro herói.

O ex-tenista Fernando Meligeni lembrou a questão em suas mídias sociais, criticando a posição de Djokovic como ídolo.

“Ele não é responsável por tudo o que acontece no tênis. Ele não pode ficar paralisado pensando no que pode ou não pode fazer. Mas desta vez ele mostrou egoísmo e conflito indo contra tudo o que a população pensa ou precisa”, escreveu ele.

Agora, em uma temporada que começou no alto da tabela classificativa e quando ele alcançou o objetivo de vencer quatro Slams no mesmo ano (algo que não acontece desde 1969 no tênis masculino e o amarrava a Federer), a pandemia não está apenas se arriscando desde que Wimbledon foi cancelado porque causa danos difíceis de reparar sua imagem.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero