Janeiro 24, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Efacec: Concorrente norueguês desafia concurso devido a ligação a Isabel dos Santos – Empresas

A norueguesa Cambi, concorrente da Efacec no concurso para a construção de uma central de biogás na Noruega, contestou-a devido a anteriores ligações accionistas à empresária Isabel dos Santos, hoje conhecida.

De acordo com um comunicado hoje divulgado pela empresa pública que contratou a Efacec, Nedre Romerike Avløpsselskap (NRA), o contrato com a empresa portuguesa tem um valor de cerca de 220 milhões de coroas (20,9 milhões de euros).

“Nedre Romerike Avløpsselskap pretende acordar com a portuguesa Efacec a construção de uma central de biogás orientada para o futuro”, localizada no município de Lillestrøm, a cerca de 20 quilómetros da capital Oslo, anunciou hoje a empresa em comunicado. De acordo com uma reportagem publicada no jornal norueguês E24, a oferta da Efacec foi de 140 e 162 milhões de coroas norueguesas (cerca de 13,3 e 15,4 milhões de euros, respectivamente) inferior à dos seus concorrentes, entre os quais Cambi.

De acordo com a documentação a que a Lusa teve acesso, a empresa concorrente da Efacec apresentou reclamação junto da NRA e recurso para o Conselho Norueguês de Recursos para os Contratos Públicos (KOFA), pelo facto de o antigo accionista maioritário da Efacec ser a empresária Isabel dos Santos, e também pelo preço.

“Atendendo à enorme cobertura internacional do escândalo de corrupção que envolve Isabel dos Santos e a sua anterior e agora contestada participação de mais de 70% na Efacec, estamos muito surpreendidos por a Efacec ter participado no concurso e ter sido considerada vencedora”, pode ler em carta enviada por Cambi à NRA.

A 19 de Janeiro, a empresária viu o seu nome envolvido no caso ‘Luanda Leaks’, em que o Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo revelou mais de 715.000 processos detalhando alegados esquemas financeiros da empresária e do seu marido que lhes terão permitido retirar dinheiro público angolano bolsa através de paraísos fiscais.

A 2 de Julho, o Governo aprovou o decreto-lei de nacionalização de 71,73% do capital social da Efacec, já tendo aprovado no dia 10 de dezembro o caderno de encargos para a reprivatização desse capital, desde que o processo demore cerca de seis meses.

Cambi diz que o concurso da NRA “decorreu em simultâneo com o escândalo de corrupção envolvendo Isabel dos Santos”, e levanta ainda dúvidas sobre a sua posição accionista na Efacec, que ainda reclama a empresária, que tem os bens congelados em Portugal e Angola .

Na reclamação formal perante o Conselho de Recursos dos Contratos Públicos (KOFA), a empresa que perdeu o concurso defende que “a Efacec nunca deveria ter sido pré-qualificada para o concurso” devido à posição acionista de Isabel dos Santos e ao facto de Mário Leite da Silva, considerado o ‘braço direito’ da empresária e cujo nome também está envolvido no ‘Luanda Leaks’, tendo sido presidente do Conselho de Administração da empresa.

“Não é possível que quem recebeu os documentos de pré-qualificação da Efacec não soubesse que o maior accionista da empresa e o Presidente do Conselho de Administração se envolveram simultaneamente num grande escândalo de corrupção”, refere a carta.

Em resposta a Cambi, a advogada Marianne Dragsten, que representa o empreiteiro do projecto NRA, afirma que “não há fundamentos suficientes para desencadear o direito da Efacec de o rejeitar por alegações de corrupção contra Isabel dos Santos”.

“Com base na informação disponível sobre as denúncias de corrupção contra Isabel dos Santos, o cliente entende que existe uma investigação em curso”, afirma a NRA, referindo que “Isabel dos Santos não foi condenada”.

Segundo a NRA, “ainda que existam indícios de que Isabel dos Santos é culpada de corrupção, não é óbvio que esta possa ser invocada como fundamento de recusa, uma vez que já não é proprietária da empresa”, e não basta alegam que “ela contestou a nacionalização da empresa perante as autoridades portuguesas”.

A empresa pública norueguesa também afirma que “a decisão de nacionalizar / expropriar os direitos dos acionistas não é um ‘julgamento’ por corrupção”, de acordo com os regulamentos de contratos públicos noruegueses.

“No seu pedido de pré-qualificação, a Efacec não forneceu informação sobre as denúncias de corrupção contra Isabel dos Santos. No entanto, isto não constitui fundamento para a rejeição da Efacec”, devido à falta de julgamento das matérias, afirma a NRA.

“Não foi considerado suficientemente documentado que tenha sido cometido um erro grave por parte da Isabel dos Santos / Efacec”, afirma o representante do NRA.

A NRA também rejeitou alegações sobre o preço do contrato, e a KOFA ainda não comentou o caso.

Em resposta a perguntas da Lusa sobre o caso, a Efacec confirmou “a intenção de adjudicar à Efacec um projecto de construção de uma central de biogás na Noruega”. “Vamos partilhar mais informação depois de assinado o contrato”, disse à Lusa uma fonte oficial da Efacec sobre o projecto.