“Este governo veio para destruir a cultura e o Brasil”, diz Katia Adler

EM Festival de Cinema de Paris no Brasil é um evento cultural sobre a mais antiga França brasileira. Criado por Kátia Adler, existe desde 1998, e mesmo em anos de graves crises.

Este ano por causa de uma nova pandemia coronavírus, um festival de cinema a ser realizado em abril no tradicional cinema parisiense Harlequin, teve que ser adiado, mas não cancelado. A 22ª edição começou ontem e está sendo realizada online pela primeira vez.

A idéia inicial de Káti Adler era adiar o evento até o final da quarentena na França, mas com a decisão do governo francês de reabrir os cinemas apenas no final de junho, a edição presencial era impossível.

“O cancelamento foi muito forte para mim. Fazemos isso há 22 anos. Desde que fizemos Balsa de água, que já dura um ano, decidimos tornar o festival on-line “, diz a fundadora e diretora do festival, Associação Jangada, que está organizando o evento.

O Festival de Cinema de Paris acontece até 24 de junho na plataforma VOD Raft. O programa original, que continha 26 filmes, dos quais sete filmes estavam em competição e cinco novos documentários, teve que ser modificado.

Os filmes que ainda não estreiam no Brasil não podem participar da edição digital, mas o lado positivo é que um número muito maior de filmes pode ser incluído e o festival online disponibilizará 50 trabalhos em todos eles. Mas a decisão foi difícil.

“Quando escrevi meu texto em que transmiti a decisão, comecei a chorar. Percebi como é difícil não receber o público, não falar, não apresentar os diretores que contrataram para ir ao festival, comprando ingressos por conta própria, porque não temos os recursos este ano.” Já fizemos o festival no limite máximo ”, ressalta o diretor.

Este ano, este evento conta com apenas um pequeno apoio da Embaixada do Brasil na França.

Resistir a dar visibilidade à cultura brasileira na França

Há vários anos, o financiamento e o patrocínio do Festival de Cinema Brasileiro estão em declínio. A realização do evento também é uma decisão política que dará visibilidade ao cinema e à cultura brasileira na França, especialmente em um momento em que o setor está em perigo, destaca Kátia Adler.

“Não vou desistir do festival, continuando, resistindo a esse governo, a esse desmantelamento do Brasil. Essa resistência já era física (festival), mas quando fisicamente devido a uma pandemia não poderia acontecer, obviamente essa Resistência se torna online. Dando ao público (francês) uma oportunidade assistir filmes brasileiros a essa altura é necessário ”, afirma.

Em 2019, 160 filmes foram feitos no Brasil. Muito poucas dessas produções chegam aos cinemas franceses.

O festival, que atraiu um público de até 4.000 espectadores apenas em Paris nos anos anteriores, também visa fazer com que produtores e distribuidores franceses comprem os direitos e programem obras brasileiras em cinemas em todo o país.

A oferta da Internet é uma competição, mas ao mesmo tempo capacita o público.

O Jangada VOD possui 150 filmes em seu catálogo, com legendas principalmente em francês, mas também em inglês e espanhol, e é a única plataforma mundial exclusivamente para filmes brasileiros.

Foi lançado em abril de 2019 na França e, a partir de maio de 2020, pode ser acessado em toda a Europa.

“No próximo ano, espero voltar fisicamente, mas também espero continuar online para permitir que o público na França e na Europa assista filmes”, diz ele.

“Não vou desistir do festival, continuando, resistindo a esse governo, ao desmantelamento do Brasil”, diz Kátia Adler

Imagem: Arquivo pessoal

Adeus Brasil

O público não poderá votar como na edição tradicional, mas haverá vida com diretores convidados. A novidade da programação digital foram os convites enviados por Kátia Adler a Luciano Vidigal e ao diretor de documentários Sérgio Bloch para participar do evento.

O Vidigal fez uma seleção de 12 filmes de jovens cineastas da comunidade carioca para assistir.

“Vamos morar com eles. É muito importante saber se eles têm acesso ao financiamento, como fizeram os filmes. Muito pode ser dito sobre esse Brasil dividido”, anuncia.

A transmissão deste ano é uma homenagem ao 40º aniversário do lançamento do filme de Cao Diegue, “Bye Bye Byras”, que participará ao vivo.

O recurso que estará disponível na plataforma continua, segundo Kátia Adler, o atual.

“Quando você olha para o Brasil hoje, vê que este filme é muito atual, que o Brasil ainda está um pouco atrasado em muitas coisas”.

Um futuro incerto

Há uma edição do Festival de Cinema Brasileiro em Paris em 2020, que custou cerca de 20 mil euros (cerca de R $ 113 mil), mas o futuro é incerto.

“Não temos precedentes. Quando esse governo começou, tínhamos um pouco de cultura. Não sabíamos de onde esse governo veio, agora sabemos. Para mim, esse governo destruiu a cultura, veio destruir o Brasil. Não sei quantos filmes serão feitos, não sei se continuaremos a criar festivais porque não há mais dinheiro para isso.

Kátia Adler, que baniu o avô da pesquisadora para uma ditadura, diz que não esperava suportar “esse medo, esse desprezo pela ciência, educação, cultura” novamente, mas a entrevista termina positivamente.

“Esses grupos que estão se formando como ‘Basta’ ‘,’ estamos juntos ‘, isso me dá um pouco de esperança”, conclui.

Kátia Adler precisa da participação do público para financiar o evento. Não tenho idéia de quantas pessoas participarão desta edição digital, mas de acordo com seus cálculos, se metade dos nove mil seguidores do Yangada em Facebook pagar 3 euros (cerca de R $ 17) para assistir a um filme, o financiamento seria garantido.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero