Festival de Cannes 2020: a seleção tem um filme brasileiro sobre racismo e muito mais – 06.03.2020

O Festival Cannes 2020 divulgou hoje uma seleção de 56 filmes que receberão um “selo de aprovação” dos organizadores. O festival desistiu da edição física deste ano, devido a uma nova pandemia coronavírus, e não haverá prêmios – mas alguns dos filmes devem ser exibidos em outros eventos.

O Brasil lista “Casa de Antiguidades”, um longa-metragem de João Paul Miranda como Antônio Pitang, retratando a vida de um trabalhador negro em uma cidade fictícia de colonização austríaca no Brasil.

A trama aborda questões como racismo e polarização política no Brasil durante as eleições de 2018, quando ele é presidente Jair Bolsonaro (sem partido) eleito. Parte do memorial foi filmada em Treze Tílias, cidade catarinense que teve o forte apoio do presidente.

Wes Anderson e mais

Os filmes selecionados incluem “French Shipping”, um novo trabalho de Wes Anderson estrelado por: Timothée Chalamet, Saoirse Ronan, Tilda Swinton, Edward Norton, Christoph Waltz, Bill Murray e outros.

Outro título há muito aguardado é “Soul”, animação da Pixar que leva o diretor Pete Docter (“Fun Mind”) ao mundo das almas humanas. Jamie Foxx dá voz ao personagem principal da trama.

A lista também inclui novos filmes de diretores renomados, como Steve McQueen (de “12 Years of Slavery”), François Ozon, Naomi Kawasa e Thomas Winterberg, além de “Fall”, a estréia do ator Vigg Mortensen (“O Senhor dos Anéis”) na direção.

O festival também cumpriu a promessa de sua diretora artística, Thierry Fremaux, de incluir mais filmes de diretores e diretoras na seleção. O Poder Executivo elogiou a maior inclusão dessas categorias na edição 2020 do festival em uma carta aos jornalistas ontem.

Existem 15 (26,7%) filmes de diretores que estreou e 16 (28,5%) títulos dirigidos por mulheres – nesse caso, dois a mais que no ano passado, quando Cannes selecionou 14 longas-metragens.

Veja a seleção:

  • “Transporte Francês”, Wes Anderson (EUA)
  • “Alma”, Pete Docter (EUA)
  • “Verão 85”, François Ozon (França)
  • “Asa Ga Kuru”, Naomi Kawase (Japão)
  • “Love Rock”, Steve McQueen (Reino Unido)
  • “Mangrove”, de Steve McQueen (Reino Unido)
  • “Druk”, de Thomas Vinterberg (Dinamarca)
  • “DNA”, Maïwenn (Argélia / França)
  • “No outono”, Viggo Mortensen (EUA)
  • “Amonit”, de Lee Lee (Reino Unido)
  • “Suor”, Magnus von Horn (Suécia)
  • “Nadia, a borboleta”, de Pascal Plante (Canadá)
  • “Limbo”, de Ben Sharrock (Reino Unido)
  • “Peninsula”, de Sang-ho Yeon (Coréia do Sul)
  • “Chaves quebradas”, Jimmy Keyrouz (Líbano)
  • “Truffle Hunters”, Gregory Kershaw e Michael Dweck (EUA)
  • “Aya To Majo”, de Goro Miyazaki (Japão)
  • “Heaven: Into the Land of Happiness”, de Im Sang-soo (Coréia do Sul)
  • “As últimas palavras”, Jonathan Nossiter (EUA)
  • “Des Hommes”, Lucas Belvaux (Bélgica)
  • “Passion Simple”, de Danielle Arbid (Líbano)
  • “The Good Man”, de Marie-Castille Mention-Schaar (França)
  • “Coisas que dizemos, coisas que fazemos”, autor Emmanuel Mouret (França)
  • “John and the Hole”, de Pascual Sisto (EUA)
  • “Aqui estamos”, autor Nir Bergman (Israel)
  • “Rouge”, autor Farid Bentoumi (França)
  • “Teddy”, autor Ludovic e Zoran Boukherma (França)
  • “Une Medicine De Nuit”, Elie Wajeman (França)
  • “Enfant the Terrible”, de Oskar Roehler (França)
  • “Prazer” Ninja Thyberg (Suécia)
  • “Slalom”, de Charléne Flavier (França)
  • “Casa de Antiguidades”, de João Paulo Miranda (Brasil)
  • “Ibrahim”, Samuel Gueismi (França)
  • “Gagarine”, autor: Fanny Liatard e Jérémy Trouilh (Geórgia)
  • “16 Printemps”, Suzanne Lindon (França)
  • “Vaurien”, autor Peter Dourountzis (França)
  • “Garçon chiffon”, de Nicolas Maury (França)
  • “Si Le Vent Tombe”, de Nora Martirosyan (Armênia)
  • “A caminho de bilhões”, de Dieudo Hamadi (Congo)
  • “9 dias em Raqqi”, de Xavier de Lauzanne (França)
  • “Antoinette in Cévènnes”, de Caroline Vignal (França)
  • “Les Deux Alfred”, Bruno Podalydès (França)
  • “Un Triomphe”, Emmanuel Courcol (França)
  • “Les Discours”, Laurent Tirard (França)
  • “L’Origine du Monde”, de Laurent Lafitte (França)
  • “Corra”, Jonas Poher Rasmussen (Dinamarca)
  • “Septet: A História de Hong Kong” Ann Hui, Johnnie To, Hark Tsui, Sammo Hung, Woo-Ping Yuen e Patrick Tam (Hong Kong)
  • “El Olvido Que Seremos”, de Fernando Trueba (Espanha)
  • “No pó”, Sharunas Bartas (Lituânia)
  • “The Real Thing”, de Kôji Fukada (Japão)
  • “Souad”, Ayten Amin (Egito)
  • “Fevereiro”, Kamen Kalev (Bulgária)
  • “O começo”, de Déa Kulumbegashvili (Grécia)
  • “Vamos soprar o vento”, de Shujun Wei (China)
  • “Morte do cinema e meu pai também”, de Dani Rosenberg (Israel)
  • “Josep”, de Aurel (França)

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero