Gestores de fundos de três dólares americanos estão pedindo ao Brasil para parar o desmatamento em 23 de junho de 2020

Paris, 23 de junho de 2020 (AFP) – Os fundos de investimento que administram ativos totalizando US $ 4 trilhões (mais de US $ 20 trilhões) pediram ao Brasil (23) na terça-feira que pare o desmatamento na Amazônia em uma carta alertaram que a perda de biodiversidade e as emissões de carbono representam um “risco sistêmico” para seu portfólio.

Gestores de fundos de países europeus, asiáticos e sul-americanos expressaram temores de que o governo do presidente Jair Bolsonar esteja usando a crise de saúde COVID-19 para promover a desregulamentação ambiental, o que poderia “comprometer a sobrevivência da Amazônia”.

“Estamos preocupados com o impacto financeiro do desmatamento, bem como violações dos direitos dos povos indígenas, que podem ter consequências para os riscos de reputação, operacionais e regulatórios de nossos clientes e das pessoas em que investimos”, afirmou a carta.

Embora as medidas de quarentena ligadas a uma nova pandemia de coronavírus possam resultar em uma queda em alguns pontos percentuais das emissões globais de carbono, o crescente desmatamento na Amazônia pode aumentar a contribuição anual do Brasil para o aquecimento global.

Ambientalistas alertam que 2020 está a caminho de se tornar o ano mais devastador registrado para a maior floresta tropical do planeta, com perdas ainda maiores do que nos incêndios devastadores que provocaram indignação em todo o mundo no ano passado.

Somente em 8 de maio deste ano, na Amazônia brasileira, 14 vezes mais que a área da ilha de Manhattan, em Nova York, foi perdida devido ao desmatamento, segundo dados de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Esse número corresponde a um aumento de 12% em relação ao desmatamento do ano passado e marca o pior mês de maio desde o início dos registros, em agosto de 2015.

Ativistas acusam o presidente Jair Bolsonar de ser um cético em relação às mudanças climáticas por incentivar os responsáveis ​​pelo desmatamento com exigências para legalizar a agricultura e a mineração em terras protegidas.

Uma das ações do governo federal que preocupa os investidores é o projeto de lei (PL) 2633/2020, que trata da regularização das terras, e os ambientalistas chamam de “PL da Grilagem”.

“Estamos profundamente preocupados com a medida provisória 910 (recentemente alterada no PL 2633/2020), (…) que legalizaria a ocupação de terras públicas, principalmente concentradas na Amazônia”, e colocaria “a sobrevivência da Amazônia e o cumprimento dos objetivos do Acordo de Paris, que também comprometer os direitos das comunidades indígenas e tradicionais “, conforme alterada.

O PL já foi alvo de ameaças de parceiros comerciais no Brasil. Em maio, as principais redes de varejo da Grã-Bretanha ameaçaram boicotar produtos fabricados no Brasil em uma carta aberta a legisladores e senadores, expressando “profunda preocupação” por uma medida que, se aprovada, desmataria ainda mais.

Em junho, um grupo de legisladores dos EUA, liderado pelo representante indígena Deb Haaland, pediu ao Congresso brasileiro que rejeitasse o projeto, considerando-o “muito prejudicial” para a Amazônia.

– Direitos dos povos indígenas – Agora, os gestores de fundos, que coletivamente controlam mais de US $ 3,75 trilhões em ativos, pediram ao governo bolsonar que demonstre “claro compromisso” com a redução do desmatamento e a proteção dos direitos dos povos indígenas.

Seiji Kawazoe, da japonesa Sumitomo Mitsui Trust Asset Management – uma das mais de duas empresas a assinar uma carta aberta na terça-feira – disse que evitar os efeitos negativos das mudanças climáticas se tornou a principal preocupação da holding.

“A Amazônia é uma das principais áreas de floresta tropical que afetam o clima global e juntamos a carta para pedir ações urgentes do governo para evitar ações que tenham um impacto negativo nas mudanças climáticas”, disse ele à AFP.

A maioria dos signatários é membro da Iniciativa para Investidores em Florestas Sustentáveis, que envolve empresas expostas ao desmatamento por meio de investimentos na produção de soja e pecuária.

Os fundos representados na carta incluem o LGPS Central da Grã-Bretanha, o Comgest da França e o KLP, o maior fundo de pensão da Noruega.

“Como instituições financeiras, que têm o dever fiduciário de agir no melhor interesse de nossos clientes a longo prazo, reconhecemos o papel principal que as florestas tropicais desempenham no combate às mudanças climáticas, na proteção da biodiversidade e no fornecimento de serviços ecossistêmicos”, escreveram eles. .

“Queremos continuar investindo no Brasil e ajudar a mostrar que o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental não precisam ser mutuamente exclusivos. Por isso, pedimos ao governo brasileiro que demonstre um claro compromisso com a eliminação do desmatamento e a proteção dos direitos das pessoas. Indígenas”, diz o pedido.

pg / rl / mvv / js

SUMITOMO MITSUI TRUST HOLDINGS

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero