Turno Zero

Notícias Completas mundo

Mágico portuense surpreende Hollywood

Foi na madrugada de sábado para domingo que Hélder Guimarães, originário do Porto, mas a trabalhar na Califórnia, fez história no mundo da magia.

Com o seu espectáculo “O presente”, transmitido através da plataforma Zoom, conseguiu que 6.250 famílias a assistir e a pagar um bilhete: 43 euros para quem já recebeu uma caixa de magia em casa, ou 21 euros para quem não quis. interagir, mas apenas assistir.

Com dois Oscars de magia no currículo e fãs absolutos vindos de Hollywood – de JJ Abrams a Helen Mirren, passando por Neil Patrick Harris, Ryan Gosling e Woody Allen -, Hélder Guimarães encerrou esta manhã o espetáculo “O Presente” (“O Presente “), criado para tempos de pandemia, com mais de 6.250 pessoas assistindo e interagindo ao vivo, ao vivo e online.

O que podemos aprender com a pandemia e a quarentena e o distanciamento social que foram necessários? O espectáculo de Hélder Guimarães, o mágico portuense que há alguns anos espanta Hollywood e os Estados Unidos em geral, dá várias respostas, mas também aparece como prova de que os espectáculos (de teatro, magia e companhia) podem sobreviver, reinventar-se e também se destacam no formato online. Basta um pouco de criatividade, um público atento e sedento por algo que o surpreenda e, claro, vários apontamentos de magia.

Criado durante a pandemia

O mágico português criou em abril – e tendo como ponto de partida a pandemia e a quarentena – o espetáculo online “O Presente”. Inicialmente ele foi feito pensando no público californiano, onde viveu e trabalhou por alguns anos – ele até fez consultoria de mágica para séries de TV e filmes (ensinou alguns truques para Sandra Bullock e Cate Blanchett em Oceans 8). Em seguida, estendeu-se para o resto dos EUA e, posteriormente, para o resto do mundo.

O espetáculo, por ser interativo (com participação do público) e intimista, costuma ter apenas 25 participantes que recebem pelo correio uma caixa com artigos para eles mesmos fazerem mágica em suas casas. Depois de mais de 250 shows feitos online, de sua casa em Los Angeles e centenas de elogios de conceituados críticos de grandes jornais americanos e atores e diretores famosos em Hollywood, “The Present” teve seu último show neste sábado (madrugada de domingo em Portugal).

E o Grand Finale teve uma novidade que também foi criativa. Além dos 25 participantes da Zoom, foram vendidos ingressos para uma versão com live streaming em dois modos: aqueles que também receberam uma versão menor da caixa mágica pelo correio, para fazer mágica em suas casas (preços em torno de 50 reais / 43 euros), e aqueles que compraram o bilhete de última hora apenas para ver o espectáculo sem adereços incluídos (bilhetes a 25 dólares / 21,3 euros neste caso).

Resultado? Mais de 6250 casas de família (já que em cada janela do Zoom víamos casais e famílias inteiras assistindo) espalhadas pelo mundo – o show é em inglês – foram sintonizadas online para ver e participar (quem estava com o kit). Isso além dos 25 que puderam interagir e tentar influenciar a magia de Helder Guimarães (alguns dos participantes desta última sessão foram atores e roteiristas de séries de moda nos EUA).

.js">

As cartas são a especialidade do Porto

O portuense, que se considera um mágico alternativo, até porque a sua especialidade são as cartas (ganhou dois prémios de magia nessa categoria), dá um espectáculo muito mais amplo do que golpes de um mestre da magia que surpreendem e espantam de boca aberta. e, em alguns casos, com as mãos na cabeça, seu público. Hélder mescla o stand up comedy, com insights pessoais que atingem o bizarro presente de que todos vivemos em uma pandemia – é dirigido pelo famoso produtor e diretor Frank Marshall, parceiro de Steven Spielberg em várias produções.

O artista português toma como ponto de partida a sua vida, quando aos 11 anos se encontrava isolado após um acidente que o deixou em coma durante alguns dias e, confinado em casa por ordem do médico, acabou por se relacionar como nunca antes com seu avô peculiar. . Foi assim que começamos a perceber que este não é apenas um espetáculo de magia incrível e incrível, mas também um espaço que nos deixa com várias reflexões humanas pertinentes sobre o momento pandêmico em que vivemos e o que podemos tirar dele.

A lição final talvez seja que devemos usar a distância física e a quarentena necessárias para expandir nossos horizontes, conectar-nos com aqueles com quem nunca nos conectamos e aprender algo que será útil para o resto de nossas vidas. Uma espécie de carpe diem, do Clube dos Poetas Mortos, uma versão mágica dos tempos de pandemia.

O lado mágico é mais difícil de descrever em palavras, uma vez que muitas vezes surgem emoções e entusiasmo. Primeiramente, há interações com os 25 participantes da Zoom, que tentam tomar decisões para ver se elas atrapalham as várias tarefas mágicas de Hélder – cujas reações vemos e também enriquecem o espetáculo (um bom trabalho de realização, até mesmo por Zoom, da organização – que é do famoso Los Angeles Geffen Playhouse). Depois, mesmo os restantes 6250 que veem tudo em live streaming – no caso, quem tem o kit enviado pelo correio – também têm o seu espaço para ver a magia acontecer nas próprias mãos, nomeadamente com algumas cartas que foram enviadas e acabam rasgadas por uma razão ‘mágica’ (só custa rasgar cartas bonitas a propósito).

No final, com “O Presente” entregue e acabado – mais de 250 espectáculos esgotados depois e três prorrogações de datas – deu-se tempo de anunciar “O Futuro”, o próximo espectáculo da Zoom de Hélder Guimarães, com data marcada para 4 de dezembro. E que promete, sem surpresa, enfrentar o futuro – as surpresas, como sempre, são para o desempenho.

Gabriel Ana

"Estudante apaixonado. Nerd do Twitter. Viciado em bacon ávido. Desordeiro típico. Pensador. Webaholic. Empreendedor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Estudo comprova presença de coronavírus no cérebro do paciente – Folha do Bico
Next Post Portugal. O país dos carros heróis com tinta queimada