Michaela Coel brilha em “I May Destroy You”, uma nova série da HBO

Os primeiros episódios de “I Can Destroy You” não seguem um ritmo constante. E essa sua inconsistência é extremamente adequada: a nova série da HBO, que abre hoje às 23h, segue a luta íntima de uma mulher para lembrar o que aconteceu com ela em uma noite confusa em um bar.

Entre flashes de memória, Arabella Essiuedu (Michaela Coel) vê a foto de um homem desconhecido sobre ela no banheiro. A lembrança de que toda vez que ela aparece em sua consciência traz (e para quem a observa) um sentimento perturbador de violação.

Há dois anos, Coel revelou que sofreu um ataque sexual enquanto fazia sua série premiada “Chewing Gum” (2015). A experiência traumática do passado é agora expressa de uma maneira valiosa em seu novo trabalho. “Foi catártico escrever sobre isso. Eu estava de patins de emoção”, diz ela em uma entrevista na qual Twitter participou.

Fico feliz em poder escrever a história do passado e sentir esse sofrimento novamente, mas perceber que estou aqui, no presente, e ainda ser capaz de sentir essa dor. Isso significa que eu sobrevivi. Essa sensação de que você pode sentir a dor é linda, sabendo que ela se foi.

A atriz britânica de 32 anos diz que escrever sobre o que aconteceu foi terapêutico, mas que não substituiu seu tratamento. “Não acho que o processo de filmagem da série possa ter mudado para terapia. A terapia é muito útil. E acho que [depois de tudo] minha terapeuta está muito orgulhosa de mim ”, ela ri, mostrando uma característica muito presente na série: apesar do tema doloroso e triste, ela está cercada por momentos incrivelmente engraçados.

Michaela Coel em cena

Michaela Coel na cena “Eu posso te destruir”

Imagem: Detecção

Tão perto tão longe

Na série, Arabella é uma jovem escritora que fez lantejoulas com seu primeiro livro. Embora esteja sob pressão de novos agentes e fãs ansiosos pelo próximo emprego, ela sofre de um bloqueio criativo e tenta encontrar inspiração se divertindo e encontrando amigos. Assim como o mundo que conhecíamos antes da pandemia.

“Gostaria de saber se algumas pessoas assistirão a essas cenas e sentirão falta delas. Sinto falta quando nos comunicamos, nos tocamos e nos sentimos, conhecemos estranhos”, diz ela enquanto conversamos longe da tela do computador.

“Mas também me pergunto se as pessoas vão querer levar um pouco de vida depois de tudo isso. Não sei se essa série soará como uma forma de nostalgia, porque não sei por quanto tempo não conseguiremos nos misturar com as pessoas”.

Arabella (Michaela Coel) e Terry (Weruche Opia) em cena

Arabella (Michaela Coel) e Terry (Weruche Opia) na cena “Eu posso te destruir”

Imagem: Detecção

Por uma noite de sono

A busca para descobrir o que aconteceu naquela noite faz com que as emoções de Arabello oscilem incoerentemente, revelando os sentimentos inquietos de alguém ferido pelo trauma. Algo que transcende o personagem: seus amigos Terry (Weruche Opia) e Kwame (Paapa Essiedu) também passam por situações problemáticas. E, entrelaçando essas histórias, “Eu posso te destruir”, aceita o abuso sexual em outros contextos, mostrando como essas experiências podem transformar o relacionamento de uma pessoa com outras pessoas e consigo mesmas.

Espero que se alguém sofrer algo terrível e se deparar com esta série, verá que não está sozinho. Eu falo com aquelas pessoas enganadas que roubaram seu consentimento. Nós fomos explorados e manipulados. Tento encorajá-lo a encontrar maneiras de dormir à noite, porque às vezes a dor e a raiva podem impedir que você durma.

Marouane Zotti e Michaela Coel em cena

Marouane Zotti e Michaela Coel na cena “Eu posso te destruir”

Imagem: Detecção

Um grande artista

“I Can Destroy You” terá 12 episódios, cada um com cerca de 30 minutos de duração, e será transmitido toda segunda-feira às 23h. A série marca o retorno de Coela à cena depois de “Black Earth Rise”, uma produção da BBC estrelada por um investigador e sobrevivente do genocídio de Runda. Antes disso, a atriz estrelou o musical da Netflix “Been So Long”, estrelou em “Black Mirror” (em episódios de “USS Callister” e “Nosedive”) e em séries que a colocaram em destaque: “Chewing Gum”, ela criação.

Michaela Coel é uma artista que está se mostrando cada vez mais brilhante, tanto em suas performances intensas e expressivas quanto em seus escritos, especialmente sobre mulheres que provocam estereótipos. Um talento que a adorava e a amava por pessoas de todos os estilos, como RuPaul – que a convidou para julgar “Drag Race” – e o diretor Rian Johnson, que a colocou em uma pequena vantagem em “Guerra nas Estrelas: Os Últimos Jedi”. Alguém que definitivamente merece um olho.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero