O congresso deve agir antes do golpe, dizem os líderes do Senado do partido – 28.5.2020. – Poder

Os líderes do partido no Senado criticaram nesta quinta-feira (28) a tentativa do presidente do Senado, Davy Alcolumbre (DEM-AP), de buscar a paz entre o presidente da República, Jair Bolsonar e STF (Supremo Tribunal Federal).

Alcolumbre esteve no Palácio do Planalto na quinta-feira para conversar com Bolsonar. Após a reunião, ele disse aos colegas que transmitia a mensagem de conclusão, apesar da escalada da retórica autoritária presidencial.

O líder do PT Rogério Carvalho (SE) disse que as manifestações do presidente Bolsonar e seu filho, deputado federal Eduardo Bolsonar (PSL-SP) nesta quinta-feira, não foram aceitas. O presidente, depois de deixar o Palácio da Alvorada, afirmou que “ordens absurdas não foram cumpridas”, em relação às recentes decisões do Supremo Tribunal Federal.

Seu filho, por outro lado, disse que seria natural que a população recorresse às forças armadas se estivesse insatisfeita com a atuação do Congresso Nacional e do STF.

“O que o presidente (Bolsonaro) disse hoje, o que seu filho disse hoje significa que não é mais uma questão, uma greve, estabelecendo limites para o STF, para o Congresso Nacional, mas é quando é uma ameaça inaceitável que não podemos pacificamente aceitar, nem o Congresso, nem o Senado, nem a Câmara “, criticou o líder do PT.

A senadora Eliziane Gama (cidadania de MA) considera preocupantes as declarações da família Bolsonaro, que, segundo ela, são uma ameaça de golpe.

“O presidente fez declarações muito preocupantes, não apenas ele, mas sua família, mais precisamente seus filhos. O que temos hoje é uma clara escalada de que existe um desejo deste governo de ameaçar a democracia e até de estabelecer um golpe em nosso país”, afirmou. é.

Eliziane criticou a tentativa de aplacar de Alcolumbre, que, segundo ela, não se reflete mais no governo federal.

“Ou agimos ou apenas temos que assistir a situação acontecer, em uma posição clara de letargia, sem agir e, infelizmente, temos que seguir em frente – e espero que isso não aconteça – para acompanhar o golpe”.

Para o líder da rede, Randolfe Rodrigues (AP), Alcolumbre deve ter uma posição que vá além da demanda por calma.

“Em algum momento, o presidente da República precisa ser informado de que não pode continuar.”

Antes, Alcolumbre contou até uma conversa como presidente da República a seus colegas senadores, onde o senador disse que carregava uma mensagem de “calma e serenidade”.

“Foi uma boa conversa, muito honesta, apesar de tudo o que vimos nos últimos dias desde o lançamento do vídeo. Vamos tratá-lo com calma, pediremos calma e, quando outro momento chegar, temos que superar a maior dificuldade do Brasil que todos levam a bandeira nossos partidos e vamos entrar em conflito depois que salvarmos os brasileiros e as empresas “, disse ele aos senadores, em uma reunião acompanhada por Folch.

Apesar do diálogo, o líder do MDB na Câmara, Eduardo Braga (AM), reafirmou a necessidade de ter um lado firme do Congresso para possibilitar a defesa da democracia.

“Quero dizer ao presidente Alcolumbre que concordo com a tenacidade em defender a democracia e, ao mesmo tempo, com a serenidade e o bom senso que a demanda atual exige. Acho que todos nós precisamos entender que, em meio a essa pandemia, quando o Brasil está de luto pela perda de seus compatriotas e muitos ainda estão em perigo de morte, devemos ser muito firmes na defesa da democracia, muito razoáveis ​​e muito pacíficos “.

O líder do PSD, Otto Alencar (BA), pediu ao Congresso que se manifestasse contra a agressão.

“É importante, agora, dar uma posição. Isso é super importante. Eu gostaria de dizer que a posição do nosso partido – que já discutimos com nossos senadores – estará em equilíbrio neste momento, para ver se o Brasil encontra um passo na brecha que estamos enfrentando “.

Álvaro Dias (Pode-PR), líder da lenda, defendeu a imposição de restrições ao Presidente da República.

“Acho que precisamos definir um prazo. Essa crise já atingiu a sociedade, mas, na opinião do público, é uma preocupação para a vida cotidiana. Esse confronto de forças é contrário aos princípios democráticos, porque é óbvio – e todos sabemos – que podemos atacar no final. atacar, criticar este ou aquele membro de qualquer uma das forças, mas não podemos atacar as instituições. E atacá-las “, afirmou.

O senador disse que não era possível ter um pedido de entendimento o tempo todo.

“É necessário definir um prazo. Não podemos buscar o entendimento indefinidamente. Obviamente, estamos dispostos a desarmar – e isso foi repetido no Congresso Nacional -, mas devemos entender que ataques repetidos a instituições democráticas são uma limitação. “

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero