O asteróide dinossauro atingiu a Terra do ângulo mais mortal possível – 28.05.2020

Lei de Murphy? Um asteróide com uma área de 17 km2 e 2,6 toneladas por metro cúbico, que causaria a extinção de dinossauros e o fim da era mesozóica, colidiu com a Terra da pior maneira possível.

Simulações no Imperial College London, na Inglaterra, mostram que o ângulo de impacto era de cerca de 60 graus. Esse detalhe maximizou a quantidade de gases emitidos na atmosfera – provocando sérias mudanças climáticas.

Uma colisão dessa magnitude liberou toneladas de enxofre, bloqueando a luz solar e levando a um inverno nuclear com chuva ácida que matou 75% das formas de vida então existentes na Terra, cerca de 66 milhões de anos atrás.

Esse foi um dos piores cenários da letalidade do impacto, o equivalente à explosão de dois milhões de bombas atômicas. Detritos tóxicos foram liberados na atmosfera superior (mais de 50 km acima do nível do mar) e depois espalhados por toda parte.

“Para os dinossauros, o pior cenário foi exatamente o que aconteceu. Uma enorme quantidade de gases de efeito estufa desencadeou uma série de eventos que levaram à sua extinção. Isso foi amplificado pelo ângulo de colisão, que foi um dos mais mortais possíveis. Nossas simulações mostram o asteróide atingido a Terra. em um ângulo muito íngreme, talvez 60 graus acima do horizonte, aproximando-se do nordeste a uma velocidade de 12 km / s “, disse o pesquisador principal, professor Gareth Collins.

Os resultados da pesquisa foram publicados em uma revista A natureza da comunicaçãoUsando uma combinação de simulações de impacto e dados geofísicos da cratera atual, os modelos apresentados são os primeiros modelos totalmente em 3D a reproduzir todo o evento.

As simulações mostram desde a entrada de asteróides e colisões até a criação de um astroblema (da palavra grega astron = estrela + blema = cicatriz), um nome dado às formações geológicas causadas pela queda de um meteorito ou asteróide.

Chamada Chicxulub, a cratera tem cerca de 200 km de diâmetro e está parcialmente submersa no Golfo do México, onde hoje é a Península de Yucatán. Foi descoberto na década de 1970 por geofísicos em busca de petróleo e encontrou um arco subaquático de 70 km de diâmetro, incomumente simétrico.

Região de Mérida, no Golfo do México, onde caiu o asteróide - Comunicado de imprensa / Imperial College of London

A região de Mérida, no Golfo do México, onde o asteroide caiu

Imagem: Discovery / Imperial College of London

Astroblems como este surgem em minutos, envolvem o movimento espetacular de rochas subterrâneas e se desenvolvem ao longo de milênios devido à erosão. A pesquisa também utilizou dados de escavações realizadas no local, removendo fragmentos representando as forças extremas geradas pelo impacto.

As camadas externas da borda da cratera contêm grandes quantidades de água, além de carbonato poroso e evaporito (um tipo de rocha salgada). Quando aquecidas e interferindo no impacto, essas rochas se desintegrariam, enviando enormes quantidades de dióxido de carbono, enxofre e vapor de água para a atmosfera.

O enxofre foi particularmente mortal porque cria rapidamente aerossóis (pequenas partículas no ar) que bloqueiam os raios solares, interrompendo a fotossíntese das plantas e esfriando rapidamente o clima. Foi um dos principais fatores do evento de extinção em massa que matou três quartos de toda a vida na Terra, incluindo os dinossauros.

Simulações de pesquisadores britânicos reconstruíram a formação com detalhes invisíveis, dando pistas sobre como o segundo maior astroblema da Terra se formou. Os modelos de impacto 3D Chicxulub anteriores consideravam apenas a fase inicial com um buraco profundo na forma de uma tigela com bordas elevadas, conhecida como cratera de passagem.

Os novos modelos são os primeiros a continuar após esse momento de transição na criação da cratera, reproduzindo a fase final de sua estrutura, após o colapso – o centro sobe, as bordas descem e tudo fica lá. Dessa forma, eles foram capazes de comparar simulações em 3D com dados geofísicos da cratera atual. Você pode assistir a mais vídeos técnicos aqui.

“Apesar de estarem enterrados abaixo de um quilômetro de rocha sedimentar, é incrível que os dados geofísicos revelem muito sobre a estrutura da cratera – o suficiente para descrever a direção e o ângulo do impacto”, disse o co-autor Dr. Auriol Rae, da Universidade de Freiburg.

Os pesquisadores apontam que, embora o estudo tenha revelado dados importantes sobre o impacto da destruição de dinossauros, ele também nos ajuda a entender como as grandes crateras se formam, não apenas na Terra, mas também em outros planetas.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero