O menino com doença cardíaca congênita tinha três corações ao mesmo tempo – 6 de outubro de 2020

Rhiad, que agora tem seis anos, é o que pode ser classificado como um “colecionador de milagres”. Com uma doença cardíaca congênita rara, foi submetido a 22 cirurgias nos dois primeiros anos de vida em sete meses de hospitalização. Durante esse período, ele teve insuficiência cardíaca e foi colocado em uma máquina com coração artificial. Quatro dias depois, ele foi submetido a um transplante, mas como o coração transplantado era pequeno, os médicos não o substituíram e o deixaram como assistente. Então Rhiad passou 77 dias com três corações: dele, transplantado e artificial. Então seu pai, o empresário Temer Saad, 38, conta histórias sobre seu filho.

“Minha esposa e eu, Weruska, já estávamos em um relacionamento há dez anos, quatro dos quais eram casados ​​quando planejávamos ter um filho. Ela engravidou de Rhiada em 2013. No quinto mês de sua gravidez, ela fez um ultrassom para descobrir o sexo de seu sexo. relacionamento Esperávamos saber se seria um menino ou uma menina, mas saímos do exame preocupados com as informações de que nosso filho tem problemas cardíacos.

Dez dias depois, Weruska foi submetido a um ecocardiograma fetal e Rhiad foi diagnosticado com uma doença cardíaca congênita chamada TCGA (transposição corrigida das grandes artérias). O médico que fez o exame nos enviou para a equipe que estava tratando a doença. Minha esposa visitou essa equipe e os profissionais disseram que, quando Rhiad nascesse, ela passaria por duas cirurgias, uma com seis meses e a outra com 12 kg.

Apesar do choque inicial do diagnóstico, minha esposa e eu relaxamos. Nós imaginamos que o problema seria resolvido com a cirurgia. O restante da gravidez foi normal e, em 18 de fevereiro de 2014, Rhiad nasceu por cesariana, pesando 4,3 kg e 53 cm. Logo após o nascimento, ele foi submetido a um ecocardiograma que confirmou o TCGA. Ele estava sob vigilância e foi libertado dois dias depois.

Rhiad fez sua primeira cirurgia aos seis meses de idade

Como Rhiad tinha excesso de sangue nos pulmões devido a doenças cardíacas, ele teve crises respiratórias, a saciedade caiu e ele estava com falta de ar. Ele teve que ser hospitalizado várias vezes para receber oxigênio e tomar medicamentos para melhorar sua condição pulmonar. Ele ficou sem fôlego e procurando por ar, o que dificultava a alimentação. Ele não conseguia chupar direito porque estava chupando ou respirando. Como resultado, ele não ganhou peso.

Quando ele tinha seis meses, foi submetido à sua primeira cirurgia paliativa. Após essa intervenção, a capacidade de respirar de Rhiad melhorou significativamente, ele começou a comer adequadamente, a pesar e a se desenvolver dentro do esperado para a idade.

Em 4 de agosto de 2015, levamos o Rhiad para uma segunda operação. Ele tinha um ano e meio de idade.

Explicamos a ele que o barulho que ele fazia para respirar era qualquer gatinho que estivesse em seu coração e que ele precisava ser removido. Chegamos ao hospital com meu filho em excelentes condições e só a deixamos sete meses depois.

Esta segunda operação foi realizada quando o coração de Rhiad parou. Depois de todas as intervenções, esperava-se que seu coração batesse naturalmente novamente, mas não o fez, e ele sofreu um ataque cardíaco. Eles colocaram Rhiad em uma máquina cardíaca artificial, em coma induzido, e esperaram na fila por um transplante de coração.

Eu pensei que meu filho estivesse morto

Após a operação, que durou quase 20 horas, os médicos vieram nos contar o que havia acontecido. Estava desesperado. Liguei para minha irmã e disse a ela para me ajudar a organizar o funeral, pensei que meu filho estivesse morto, que era o fim. Imaginei que uma máquina cardíaca artificial fosse apenas um dispositivo que se acostumaria a perdê-la.

Quatro dias após a operação, um doador apareceu, um bebê de oito meses pesando 10 kg. Enviei um jato aos médicos para buscar o órgão em Florianópolis. Durante a captura dos órgãos, foi determinado que os dados estavam incorretos. Na realidade, a criança tinha 10 meses e 8 kg.

Esperava-se que a criança tivesse um peso semelhante ao de Rhiad, 12 kg; 10 kg estavam na faixa aceitável, 8 kg estavam abaixo. Embora o coração não fosse o ideal por causa de seu tamanho, os médicos realizaram um transplante, mas, em vez de substituir o coração doente por outro, eles usaram o coração transplantado como auxílio.

Na época, era a única opção para salvar a vida do meu filho. Então Rhiad ficou com três corações: coração dele, transplantado e artificial por 77 dias.

Até então, eu já havia sido demitida do meu emprego e estava com minha esposa na casa dos meus primos em São Paulo. Nós éramos do interior, de Taubaté. Nossa rotina era super cansativa, chegamos ao hospital de manhã e saímos apenas à meia-noite.

O período em que Rhiad estava em coma foi muito complicado. Era horrível vê-lo inchado, com o peito aberto, cheio de dispositivos. Durante a visita, eu acariciei e conversei com ele. Pedi-lhe para continuar lutando e lutando. Ele disse que o amavam muito e que ele precisava de nós.

Muitas vezes perdi a esperança de que ele sobrevivesse. Havia más notícias o tempo todo, mas Deus nos apoiou com minha aliança com minha esposa, fé, a Bíblia, as orações de amigos e familiares e o apoio da equipe médica.

No final de outubro de 2015, eles removeram Rhiad do coma induzido e do coração artificial. Nos sete meses de internação, meu filho passou por 22 cirurgias. Sua imagem era extrema e deteriorou-se com o tempo.

Os dois rins pararam de funcionar, ele perdeu temporariamente os movimentos dos braços e pernas, ficou desnutrido, de 12 a 7 kg, teve uma infecção generalizada, greve hemorrágica e perda de massa cerebral.

Meu filho soltou e foi para casa com dois corações

Durante esse período, os médicos estudaram maneiras de encontrar uma solução para o seu caso. Em dezembro, houve uma obstrução no coração natural de Rhiad, ele passou por outra operação e, desta vez, mostrou uma boa melhora na função cardíaca. Gradualmente, as coisas melhoraram. Ele deixou a UTI em seu quarto em janeiro e, em fevereiro de 2016, foi demitido e voltou para casa com dois corações.

Rhiad passou por um intenso processo de reabilitação com terapia motora, respiratória, ocupacional e fonoaudiológica. Ele recuperou os movimentos do braço e das pernas e aprendeu a andar, inicialmente com a ajuda de um andador, depois conseguiu ficar em pé, agarrar-se às coisas, dar os primeiros passos, até começar a andar novamente. Com o tratamento, houve uma evolução incrível.

Dois meses após minha dispensa, fiquei trabalhando em Taubaté – encontrei outro emprego – e minha esposa e Rhiad foram a São Paulo para exames neurológicos e cardiológicos de rotina. No primeiro, Weruska me ligou para dizer que tudo tinha saído.

Em outro, quando atendi a ligação, pensando que era ela, fiquei impressionado com a voz cardíaca. Ele me disse que tinha duas notícias: boas e más.

É ruim que o coração transplantado seja muito fraco e precise ser removido rapidamente. A boa notícia foi que o coração natural de Rhiad voltou a funcionar bem. Peguei minhas coisas e fui para São Paulo. Meu filho passou por uma cirurgia, permaneceu no hospital por mais três meses e desta vez voltou para casa com apenas um coração.

Rhiad tem uma vida normal e sem consequências

Depois de passar por tudo o que passou, Rhiad se tornou um colecionador de milagres, não apenas ele sobreviveu, mas ele tem uma vida normal e nenhuma sequela.

Entre chegadas e partidas para as salas de operações, escrevi um diário em que gravei tudo o que aconteceu. O livro de 120 páginas se tornou “O Colecionador de Milagres”, uma obra cuja principal mensagem é mostrar que nenhum caso é impossível para Deus e que as pessoas nunca devem perder a fé.

Rhiad adquire uma irmã, Rebeca

Jesus curou o coração do meu filho e recompensou minha família por tudo o que perdemos e sofremos durante a sua cura. Hoje me tornei sócio de uma empresa, Rhiad está 100% bem e minha esposa e eu tínhamos Rebecca, uma filha bonita e saudável. “

Três corações ao mesmo tempo: como isso é possível?

Pedimos a Rodrigo Freire Bezerro, cirurgião cardiovascular do Hospital Beneficência Portuguesa da BP em São Paulo, e um dos médicos da equipe que compareceu ao Rhiad, que explicasse o que é o TCGA e comentasse as cirurgias que o menino passou.

O que é a transposição corrigida das grandes artérias?
É uma doença cardíaca estrutural de origem congênita (uma criança nasce com um defeito) e é caracterizada por alterações na anatomia cardíaca normal. Os átrios estão desconectados dos ventrículos, e a aorta e artéria pulmonar também estão conectadas invertidas.

Quais são os sintomas da doença?
Existem pacientes que podem ser assintomáticos por vários anos, quando não apresentam outras doenças cardíacas associadas. Entre os sintomáticos, cerca de 70% são sintomas no primeiro ano de vida, como falta de ar, amamentação difícil, ganho de peso e hipóxia (crianças cianóticas, cor da pele roxa).

Por que Rhiad é colocado em uma máquina com coração artificial?
A cirurgia de correção anatômica é um procedimento complexo e demorado, como foi o caso de Rhiada. Esse trauma cirúrgico pode causar danos ao coração. Além disso, a disfunção cardíaca também pode ocorrer devido a uma alteração na fisiologia que ocorre com a correção cirúrgica. Como após a correção cirúrgica, o coração mostrou disfunção e, portanto, não criou fluxo sanguíneo adequado para outros órgãos do corpo, foi necessário instalar uma máquina que desempenha o papel de coração e pulmões. O uso dessa máquina foi essencial para sustentar a vida de Rhiad até que pudéssemos recuperar um órgão disfuncional ou capturar um coração para um transplante.

Por que o coração nativo de Riyat não foi substituído por um coração transplantado?
No caso de um transplante de coração, o coração restante geralmente é substituído por outro com função normal. Mas existe uma alternativa técnica que usa dois corações ao mesmo tempo, chamados transplante heterotópicoOs dois corações trabalham em paralelo e contribuem para manter o fluxo sanguíneo por todo o corpo.

Como a doação de órgãos é um problema crônico no Brasil, especialmente a doação de coração para crianças, sabíamos que seria muito difícil obter o órgão ideal para Rhiad em um curto período de tempo. Foi incluído na lista das maiores prioridades para transplante na Central Nacional de Regulação e, para surpresa de todos, uma oferta de coração apareceu em Florianópolis.

Estimamos que a condição da ação coração – coração seja boa, mas houve uma incompatibilidade de peso corporal entre as crianças. O coração de Rhiad parecia pequeno. Apesar disso, optamos pela remoção de órgãos e, no momento da cirurgia, tivemos que realizar um transplante conectando os dois corações em paralelo. Mais uma vez, uma máquina artificial de coração / pulmão teve que ser instalada para ajudar na recuperação do coração.

Rhiad ficou com três corações por 77 dias: um coração nativo, um coração transplantado e um dispositivo cardíaco artificial. Como esse processo aconteceu?
A evolução nesse período foi muito desgastante para a equipe médica, para os profissionais de saúde envolvidos, para a família e, principalmente, para Rhiad. Este é um caso completamente atípico e sem relatos semelhantes na literatura médica. Gradualmente, conseguimos progredir na separação da máquina, até que fosse possível separá-la e deixar Rhiad com dois corações.

Por que o coração transplantado de Rhiad foi removido?
Rhiad passou por testes de rotina para monitorar o progresso clínico e a função cardíaca. A cada novo ecocardiograma (revisão de imagens que avaliam o coração), foi observada uma melhora no coração do parto.

No último exame, foi comprovado que a função havia se recuperado completamente e que o coração transplantado estava praticamente sem função, mesmo que houvesse alguns coágulos no interior. Um novo procedimento cirúrgico foi realizado para remover esse coração transplantado, e Rhiad ficou com apenas um coração doméstico. Não há conhecimento na literatura médica de publicações sobre casos como o de Rhiad.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero