O piloto não existe mais: os EUA têm pouco tempo para combater a IA – 6.9.2020

A Força Aérea dos EUA pretende iniciar batalhas contra pilotos contra aeronaves autônomas usando inteligência artificial em um desafio a ser realizado em julho do próximo ano.

As declarações do tenente-general Jack Shanahan, responsável pela adoção da inteligência artificial nas forças armadas, não deixaram claro se a espaçonave seria 100% autônoma e se poderia ser um trabalho conjunto do homem e da inteligência artificial.

A Força Aérea dos EUA já está desenvolvendo alguns projetos usando inteligência artificial. É o caso do XQ-58A Valkyrie, um projeto de baixo orçamento para escoltar combatentes com mão de obra.

Aeronaves sem homem a bordo poderiam realizar manobras que seriam impossíveis para um piloto, sem mencionar que sua aerodinâmica e peso poderiam funcionar melhor se não precisassem de equipamentos de suporte à vida, como assentos de ejeção.

A revista Air Force chamou o projeto de “luar” por causa de sua ousadia, uma hipérbole relacionada ao projeto Apollo, que levou o homem à lua. A palavra tornou-se sinônimo de grandes desafios tecnológicos de grande complexidade.

Em sua entrevista para a revista, Shanahan comentou que uma opção seria usar não um grande lutador, mas algo menor, com capacidade de enxame, ou seja, vários drones menores trabalhando juntos e conversando entre si.

Shanahan acredita que esta máquina levará muito tempo para compensar totalmente as pessoas nos próximos anos.

O tenente-general lembra que, embora as empresas privadas tenham investido dezenas de bilhões na última década, nenhuma delas ainda conseguiu entregar um carro autônomo de nível 4, quando um motorista humano não é mais necessário.

No entanto, existe uma grande diferença entre dirigir na cidade e realizar ataques aéreos de combate. Pode parecer estranho, mas a segunda opção é muito mais simples. Não há semáforos no ar, crianças jogando bola na rua e milhões de outras situações ou sinais que o carro precisa entender.

Em um simpósio militar na Flórida, Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X, argumentou que mesmo o F-35 Lightning II, que é considerado o pináculo da tecnologia militar, deveria ter um projeto competitivo que use inteligência artificial.

Mais tarde, quando alguém citou sua declaração, ele recebeu ainda mais dicas no Twitter, dizendo que o projeto da competição deveria ser um drone controlado pelo homem, mas com manobras autônomas. Segundo ele, o F-35 não teria chance contra isso.

Vale lembrar que o F-35 é o projeto militar mais caro dos EUA, com preço de US $ 406 bilhões. É uma questão delicada, especialmente se lembrarmos que a China se tornou um país líder no investimento em inteligência artificial. Embora os especialistas apontem que a China não está focada em projetos de defesa, uma falta de transparência nunca deixaria claro que eles estão trabalhando em um projeto competitivo.

As aeronaves controladas pela inteligência artificial não são exatamente novas, dezenas de países têm armas com capacidade ampliada ou com algum tipo de autonomia. Um exemplo disso é o projeto israelense Harpia, um veículo aéreo não tripulado que varre uma área extensa para detectar radares inimigos. Depois de localizar o alvo, o equipamento voa em direção ao equipamento como um kamikaze, destruindo os dois em uma colisão.

Imagem de Arma Autônoma da Harpia - Detecção

Imagem harpia de armas autônomas

Imagem: Detecção

A evolução das armas letais autônomas pode fortalecer o debate sobre a possível regulamentação mundial.

Jody Williams, Prêmio Nobel da Paz (1997), em 2012, criou uma campanha para proibir a criação de armas 100% autônomas.

Segundo a campanha, robôs mortais 100% autônomos podem trazer enormes problemas, como exceder os limites morais exigidos para eleições complexas, criar uma corrida de guerra desestabilizada, incitar guerras (devido à falta de risco para as tropas atacantes), causar novas guerras devido aos riscos de tomada de decisão, causando ataques desproporcionais e autoritários os governos ainda os usam para controlar a população.

Com um nome sugestivo de Pare os escravos assassinos, o projeto conta com o apoio de, entre outros, 26 vencedores do Prêmio Nobel, o Secretário-Geral das Nações Unidas, membros do Parlamento Europeu e mais de 4.500 cientistas de inteligência artificial.

O debate não é novo, mas está apenas começando. E a campanha não será fácil, porque alguns países são contra, entre eles, imagine os Estados Unidos, China e Rússia.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero