Os dados mostram que a França está saindo da quarentena rígida para abertura rápida – 25.05.2020. – O mundo

Após semanas de prisão e a aproximação do verão, países europeus como França, Grécia e Sérvia estão emergindo rapidamente do isolamento social.

Essas nações estavam entre as que mais reduziram o movimento humano em meados de abril e agora têm uma taxa de reabertura mais rápida do que o resto do continente.

O relaxamento das regras ocorre após o número de casos e mortes de Covid-19 terem diminuído na região, embora ainda haja receios de uma segunda onda de infecções.

Folha analisou dados de rastreamento conduzidos pelo Google sobre o movimento de dispositivos móveis em instituições como restaurantes, museus, lojas e equipamentos de lazer.

Assim, foram identificados 12 países que tiveram uma queda maior no tráfego do que a média em abril, mas que agora estão saindo da prisão a uma taxa mais rápida que a média do continente. Um total de 35 países foram incluídos no estudo.

A França levou a uma diminuição no movimento em comparação com a média em janeiro e fevereiro, antes do início da epidemia. O declínio foi de 81%, comparado à média européia de 59%.

O país se tornou um dos países da Europa mais afetados por esta doença. Após uma forte política de isolamento, a doença perdeu força. No dia 11, começou o relaxamento de medidas restritivas.

Os moradores conseguiram sair de casa sem provar a necessidade. Lojas, fábricas e empresas de setores considerados irrelevantes, como salões de beleza, lojas de roupas, floristas e livrarias, que abriram pela primeira vez após 55 dias de cativeiro.

A partida de casa foi inicialmente tímida, mas se intensificou com o tempo, de acordo com dados obtidos pelo Google. A queda nas atividades de lazer, que era de 81% em abril, caiu para 48% neste mês – sempre em relação a janeiro e fevereiro.

Em outras palavras, houve uma queda de 33 pontos percentuais em cerca de um mês, enquanto a queda média no continente foi de 25 pontos.

Em outra pesquisa do Google, que trata do movimento em parques e praias, a redução no fluxo na França subiu de quase 80% no início de maio para os atuais 13%.

Esta liberação da quarentena no continente preocupou o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

“A agência disse em suas avaliações de risco que os governos devem informar claramente ao público que existe a possibilidade de uma segunda onda, mesmo que a pandemia já tenha sido superada”, disse Stefan de Keersmaecker, porta-voz da Comissão Europeia de Saúde. público, quando os europeus começaram a afrouxar seu isolamento.

A Grécia foi o segundo país a abrandar mais em abril (75%). Agora, essa redução é de apenas 35%.

Há uma preocupação adicional com a continuação do turismo, que responde por pelo menos 20% do PIB local. A temporada de verão começa oficialmente em um mês.

“Faremos um epílogo à crise neste verão [da Covid-19]disse o primeiro ministro grego Kyriakos Mitsotakis.

Os países onde a quarentena caiu mais, em pontos percentuais, estão na região dos Balcãs, que inclui a Grécia. Sérvia, Croácia e Eslovênia adotaram rapidamente medidas para combater o vírus, e a mortalidade estava entre as mais baixas do continente.

Também houve um aumento de movimentos na Itália e na Espanha, que se tornaram o epicentro da pandemia, mas que conseguiram reduzir o número de casos.

Em abril, os dois países reduziram o fluxo de pessoas em instalações de lazer em mais de 80%. Agora essa redução é 20 pontos mais alta, embora em um ritmo mais lento que o resto do continente.

Países do norte da Europa, como Dinamarca, Suécia e Reino Unido, são os locais onde a quarentena foi mais mantida entre abril e maio (variação inferior a 10 pontos percentuais).

Os escandinavos também tiveram uma ligeira redução no movimento no tempo de lazer (apenas até 20 pontos percentuais). A Suécia, em particular, ainda está constantemente diminuindo o número de casos e mortes.

Assim como o Reino Unido, mas com uma diferença: os britânicos reduziram drasticamente o movimento de lazer em abril (73%), nível estável em maio (67%).

Outra peculiaridade britânica é que o primeiro-ministro Boris Johnson inicialmente se opôs ao isolamento social. Ele continuou a defender a medida, por exemplo, depois da França, Itália e Espanha.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero