Por que Spike Lee e “Faça a coisa certa” são mais relevantes do que nunca – 4/6/2020

Quando Nova York caiu na frente do seu rosto coronavírus, Spike Lee foi o primeiro a filmar “uma cidade que nunca dorme” exausta, apagada, no texto curto “Nova York, Nova York”. Ao mesmo tempo, ele comemorou seus verdadeiros heróis – médicos, enfermeiros, bombeiros – como aqueles que não deixaram seus olhos antes que a doença progredisse. Quando os Estados Unidos queimaram (e ainda queimam) com protestos após o assassinato de George Floyd, um policial racista estrangulado, Spike Lee deu sua voz aos oprimidos, misturando ficção e realidade em outro texto curto e devastador: “3 Brothers: Radio Raheem, Eric Garner e George Floyd. “

Não é de surpreender que o cineasta que fez intolerância racial em sua carreira foi forçado a reagir quando seus homens se viram novamente sob uma forte bota. Especialmente no momento em que o filme que o projetou – o espantoso 1989 “Faça a Coisa Certa” – se torna ainda mais urgente e atual. Mais de três décadas se passaram e os negros nos Estados Unidos continuam a morrer diante da polícia racista e violenta. Nada mudou. Pelo contrário: a intolerância agora é alimentada pela negligência de um presidente que despreza seu próprio povo. Ao contrário do que acontece no nosso quintal.

No vídeo da semana, volto à carreira de Spike, da controvérsia na época do lançamento de “Faça a coisa certa”, aos altos e baixos que se seguiram (mais altos, digamos, com “Malcolm X” e “Last Hour” “entre eles), até discorda do Oscar pelo igualmente explosivo “Infiltrado no Clã”, no qual o mundo real literalmente cai na ficção, mostrando que quanto mais as coisas parecem mudar, pior elas parecem. Spike Lee.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero