protocolo aprova a compra na farmácia? Veja quais mudanças

O governo federal emitiu hoje uma recomendação ao sistema público de saúde para prescrever cloroquina e hidroxicloroquinina a pacientes com sintomas leves de kovid-19.

O uso desses medicamentos é preconizado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Sem evidências científicas da eficácia do tratamento, os médicos consideraram a decisão “populista e ditatorial”.

Para entender o que está mudando a partir de agora, Twitter responde às principais perguntas:

O que diz a recomendação do governo?

A nova recomendação indica o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina associada à azitromicina em pacientes com covid-19 em condições leves, moderadas e graves.

Essa combinação de drogas foi contra-indicado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (Niaid) no final de abril.

Posso ir à farmácia comprar cloroquina?

Não. O protocolo mantém uma decisão preliminar que condiciona a compra do medicamento com uma revisão do tratamento com prescrição.

Então, o que muda com o novo protocolo?

A partir de agora, os médicos podem recomendar o uso desses medicamentos para pacientes com sintomas leves. Até agora, seu uso foi indicado apenas para pacientes hospitalizados em estado grave.

Quais sintomas são considerados leves, moderados e graves para a covid-19?

  • Leve: coriza, diarréia, dor abdominal, febre, mialgia, tosse, fadiga e dor de cabeça;
  • Moderada: tosse persistente com febre persistente diária ou tosse persistente e piora progressiva de outro sintoma relacionado, como diarréia. Ou pelo menos um desses sintomas e a presença de fatores de risco como coração, problemas respiratórios, diabetes e obesidade.
  • Sério: dificuldade em respirar e / ou pressão arterial baixa.

Todo paciente com covid-19 usará a droga?

Não é necessário. O regulamento dependerá da opinião do médico e do consentimento do paciente que assina o mandato de responsabilidade.

Por que preciso assinar este termo?

O governo reconhece que ainda não há tratamento efetivo contra o novo coronavírus e que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem levar a efeitos colaterais. Para as doenças infecciosas Renato Grinbaum, consultor do SBI (Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas), o governo está usando o termo para assumir a responsabilidade por uma recomendação divulgada hoje.

“Se eles tivessem certeza de que a medida era segura, esse termo não seria necessário”.

A recomendação é exclusiva do sistema público ou também se aplica ao sistema privado?

A recomendação se concentra no sistema de saúde pública. Mas, segundo Greenbaum, “a recomendação não é a norma”. “Ninguém precisa ir a lugar algum. Não há força legal.”

Um médico pode se recusar a prescrever um medicamento, mesmo que o paciente insista?

Que.

“O médico tem a liberdade de prescrever ou não. Ele não é obrigado, mesmo que o paciente solicite. É o especialista que sabe o que pode ser bom para o bem-estar do paciente”, diz o infectologista.

Um paciente pode se recusar a tomar medicação?

Que. O protocolo afirma que “a vontade do paciente também é necessária”, representada pela assinatura do termo responsabilidade.

O paciente precisa de exames?

Sim, o uso dos medicamentos está condicionado à realização de um “exame físico e exames complementares”, o texto publicado pelos estados do governo federal.

“Os critérios clínicos para iniciar o tratamento em qualquer estágio da doença não excluem a necessidade de confirmação laboratorial e radiológica”.

O que são esses exames?

O protocolo lista alguns “testes de laboratório”, como um hemograma completo, um teste de RT-PCR (o mais completo para a detecção de coronavírus) ou um teste rápido, juntamente com “testes de imagem relevantes”, como radiografias de tórax.

Existe uma contra-indicação?

O Ministério da Saúde afirma que existem “contra-indicações absolutas ao uso da hidroxicloroquinina” em: gravidez, retinopatia (alteração no fundo causado por diabetes), maculopatia (problema da retina) secundária ao medicamento já diagnosticado, hipersensibilidade ao medicamento e miastenia grave (fraqueza muscular).

As crianças podem usá-lo?

“Em crianças, você sempre prefere a hidroxicloroquinina por causa do risco de toxicidade da cloroquina”, diz a recomendação.

Algum medicamento em uso impede o uso de cloroquina?

De acordo com o texto, “a cloroquina deve ser evitada em conjunto com: clorpromazina, clindamicina, estreptomicina, gentamicina, heparina, indometacina, tiroxina, isoniazida e digital”.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero